This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

HIS19 Já conferiu os 40 primeiros palestrantes dessa edição? 🚀 Clique aqui

O que a saúde tem a ver com a crise?

By 26 de maio de 2015 Hospital, Mercado

As  más notícias e o pessimismo na economia mundial somados aos dados da economia brasileira têm tirado o sono de muitos empresários. Diante da projeção do PIB negativo para o Brasil em 2015 e do aumento do índice de inflação para este ano, que de acordo com o último boletim Focus divulgado pelo Banco Central (25/5) será de 8,37% (IPCA), e a divulgação do aumento do desemprego, as empresas têm apresentado cautela nos investimentos e se preparado para um cenário mais austero.

No setor de saúde, a preocupação não é diferente. Mas, apesar das adversidades, o impacto da crise ainda não foi constatado em alguns segmentos.  “A [crise] ainda não chegou com a intensidade de outros setores”, analisou o diretor presidente da Planisa, Afonso José de Matos*, que estima que o impacto maior ocorrerá no financiamento. “Na sequência lógica, primeiro estão as operadoras com o impacto na massa de usuários, depois os prestadores de serviço”, avaliou. Outro ponto ressaltado pelo executivo é que o cenário negativo force os empregadores a negociar melhor com os contratos de planos de saúde.

Apesar de serem mais sensíveis ao cenário econômico em razão da relação entre empregados e beneficiários, pois quem paga a conta de mais 70% dos planos de saúde são as empresas, o segmento, de acordo com o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS), ainda não foi afetado. O primeiro balanço da saúde suplementar 2015, divulgado na semana passada, aponta estabilidade com 50,8 milhões de beneficiários, o mesmo número verificado em dezembro de 2014. A mesma pesquisa também constata que a variação em 12 meses registrou crescimento de 2,1%, correspondendo a um acréscimo de 1 milhão de vínculos no período.

Custos

Com ou sem crise, o índice de Variação Custos Médico-Hospitalares (VCMH), indicador que mede os custos das operadoras de planos de saúde com consultas, exames, terapias e internações, não para de subir.  De acordo com outro estudo do IESS, eles cresceram 17,7% nos 12 meses encerrados em junho de 2014. O resultado é 17,7% é 11,2 pontos porcentuais superior ao Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), e a projeção do instituto é que se encerre 2014 com alta de até 18%.

 “As operadoras e seguradoras são criticadas e consideradas as vilãs do setor, mas na realidade não são. A contínua expansão dos procedimentos cobertos, a evolução e incorporação tecnológica que trazem benefícios, mas também, em um primeiro momento, os custos implementados e outras demandas que aumentam a sinistralidade forçam a busca pela redução de custo, colocando pressão sobre clínicas e hospitais e não remunerando adequadamente os médicos”, analisou José Luiz Bichuetti*, superintendente da Associação Congregação Santa Catarina, rede filantrópica com 11 hospitais próprios.  Nesta situação, segundo o executivo, as operadoras são forçadas a adotar alternativas que nem sempre são viáveis à sustentabilidade. “Elas buscam verticalização, muitas vezes sem os recursos financeiros e operacionais necessários o que as levam à insolvência”, complementou.

Bichuetti, que participou de um painel sobre o impacto da crise para os hospitais, ainda acrescentou que num cenário de crise, é preciso lidar com o desafio de gerir os custos em um sistema que os hospitais privilegiam a doença e tem seu modelo de remuneração baseado nos suprimentos. “ A gestão de custo deve ser com foco em assistência e não em margens de materiais e medicamentos, pois ela implica no sistema adequado de custos”, afirmou o executivo, que completou dizendo que a gestão de custos adequada é raridade no Brasil. “Só uma quantidade ínfima de hospitais tem, pois mesmo aqueles que são considerados ‘top’ e membros da Anahp não têm um sistema de custos adequado”.

Nos hospitais públicos, a realidade de combate aos custos desnecessários e o esforço para ter gestão eficiente é mais que necessária em tempos de cenário adverso. No caso do Hospital das Clínicas de São Paulo, maior complexo hospitalar público da América Latina, há também o receio do aumento da taxa de desemprego influencie nos atendimentos do hospital. “A quantidade de pacientes que chega ao Hospital das Clínicas ou a qualquer outro hospital público é cada dia maior e quando se tem uma taxa de desemprego crescente, a tendência é que as pessoas saiam do sistema privado e migrem para o sistema público”, afirmou Antônio José Pereira*, superintendente da instituição, que atende apenas 8% do sistema privado.

Para ter uma gestão econômico-financeira mais sustentável, Pereira está implementando alguns projetos de combate aos custos desnecessários da instituição como revisão dos contratos de manutenção; terceirização dos serviços de impressão que tem redução de custo estimada em 40%; e o sistema de inteligência de compras, que evitou custo estimado de R$ 11 milhões em 2014.

Feira Hospitalar

Durante a abertura da Feira Hospitalar, que ocorreu na última semana, a presidente da Hospitalar, Waleska Santos, afirmou que o evento não sentiu o mau momento da economia. “A despeito da crise, conseguimos lotar a feira e, além do Brasil, temos 32 países aqui. Esperamos mais de 90 mil profissionais, empresários e estudantes”. Até o fechamento da reportagem, os resultados finais da feira ainda não tinham sido divulgados.

Também presente na cerimônia de abertura, o secretário do estado de Saúde de São Paulo, David Uip, disse que apesar do momento de crise, da falta de recursos na saúde e da queda na produção industrial, os gestores devem ter otimismo para enfrentar o cenário. “Nos momentos de crise surgem os grandes líderes”, afirmou. Defensor da integração entre o público e o privado, pois “não combina e não é oportuno ter [sistemas] de saúde paralelos”, o executivo disse que é necessária a convergência de ambos para garantir a sustentabilidade do sistema.

Entre os projetos da secretaria com esse foco estão as parcerias público privadas (PPPs), que envolvem um projeto de logística junto farmacêutica EMS, as PPPs para a construção do novo Hospital Pérola Byington, um hospital de São José dos Campos e outro em Sorocaba, ambos no interior paulista, além da parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), que proporcionará investimento total de R$ 2 milhões (sendo um terço de investimento do governo e o restante do banco) para a construção de 40 UBS, dois hospitais e reestruturação dos CAPs (Centros de Atenção Psicossocial).

*José Luiz Bichuetti, Antonio José Pereira e Afonso José de Matos participaram do painel “Perspectivas para os hospitais que atuam na saúde pública e privada em um cenário econômico adverso”, durante a Feira Hospitalar, que ocorreu de 19 a 22 de maio em São Paulo

Veja o que mais aconteceu na Hospitalar: 

“Vivemos uma doença: a falta de integralidade”

Pesquisa brasileira em saúde precisa ser mais estruturada, diz ministro

 

Maria Carolina Buriti

About Maria Carolina Buriti

Há quase cinco anos atuando como jornalista no setor de saúde, minha principal missão é levar informações que ajudem a desenvolver o setor, explorando novas histórias e diferentes pontos de vista, entendendo o quão complexo é a interação dessa cadeia. Atuo como editora chefe da Live Healthcare Media, braço de mídia de saúde da IT Mídia. Responsável pelo conteúdo da Revista Saúde Business e pelo site Saúde Business. Anteriormente fui repórter da revista FH e Saúde Business, Financial Report e portal Financial Web também na IT Mídia. Passei pelas editorias de economia e negócios e finanças. Também atuei como assessora de imprensa na área de ti e telecom.

Leave a Reply