This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Mais da metade de cirurgias cardíacas foram canceladas em SP na pandemia

By 24 de agosto de 2020 Hospital, Indústria

Tecnologias modernas oferecem maior segurança e reduzem tempo de internação hospitalar

Segunda onda de Covid-19 será causada por pacientes com outras doenças graves que deixaram de ir ao hospital, afirma presidente da Sociedade de Cirurgia Cardiovascular do Estado de São Paulo

Enquanto a segunda onda da COVID-19 já aconteceu em vários países, como China, Alemanha e Israel, aqui no Brasil há uma preocupação crescente com o número de pacientes com doenças graves que estão deixando de ir ao hospital. “A segunda onda provavelmente não será causada pela COVID-19, mas pela quantidade enorme de pacientes que retornarão para serem tratados por outras doenças em uma situação muito pior do que se encontravam antes da pandemia, já que o medo os afugentou dos hospitais”, afirma Gustavo Judas, presidente da Sociedade de Cirurgia Cardiovascular do Estado de São Paulo. “Alguns problemas cardíacos, por exemplo, não podem esperar até a pandemia acabar.”

Segundo uma pesquisa feita pela entidade em 15 cidades do estado no período de 27 de abril a 12 de maio, mais da metade das cirurgias cardíacas foram canceladas: uma redução de 51 a 60% das cirurgias cardíacas nos serviços do SUS, e de 81 a 90% nos serviços particulares.   “Diversos países com bons sistemas de saúde e que estão retomando suas atividades em uma situação muito próxima da normalidade, estão enfrentando um aumento de demanda por serviços de saúde maior que sua capacidade de atendimento o que tem acarretado maior espera para determinados agravos à saúde”, afirma Gustavo Judas.

Para ele, no começo da pandemia o medo de ir ao hospital foi justificado, pois houve uma alta contaminação entre profissionais de saúde já que pouco se sabia sobre o modo de transmissão do vírus. “Hoje o risco de se contaminar no hospital é muito reduzido, porque já aprendemos a manejar sua transmissibilidade.”

Tecnologias modernas oferecem maior segurança e reduzem tempo de internação hospitalar

Várias tecnologias utilizadas nas cirurgias cardíacas, além de darem maior segurança ao paciente, reduzem o tempo de estadia do paciente no hospital. Segundo Gustavo Judas, pessoas com estenose aórtica – problema das válvulas do coração que afeta entre 2 a 7% da população acima dos 65 anos –  não devem esperar muito para serem tratadas, principalmente se tiverem sintomas de cansaço, dor no peito e/ou tontura.  A boa notícia é que a válvula cardíaca sem sutura Perceval facilita a cirurgia de troca da válvula aórtica,  diminuindo o tempo de permanência em UTI, economizando recursos hospitalares e trazendo mais conforto e segurança aos pacientes.

Além disso, nas cirurgias cardíacas onde ocorre muita perda de sangue, a técnica de autotransfusão pode ser utilizada. Esta permite que o próprio sangue “perdido” pelo paciente durante a cirurgia seja processado e retransfundido, evitando-se assim infecções e problemas de compatibilidade sanguínea, o que acaba reduzindo o tempo do paciente no hospital. Em época de incertezas quanto à triagem do sangue em relação à presença do coronavírus e ao próprio desabastecimento dos bancos de sangue, a utilização da autotransfusão, como o sistema XTRA, pode ser a alternativa a seguir. “Com estas e outras tecnologias e o conhecimento que já temos sobre o coronavírus, o lugar mais seguro para quem precisa de uma cirurgia cardíaca é o hospital”, afirma Gustavo Judas. “Como presidente da Sociedade de Cirurgia Cardiovascular do Estado de São Paulo, faço um apelo a médicos e pacientes que não esperem passar a pandemia para problemas que podem se agravar se não tratados agora”.

Portal Saúde Business

About Portal Saúde Business

Formar e informar o executivo de saúde é o que fazemos todos os dias. Há mais de 15 anos desenvolvendo um conteúdo proprietário e centrado nos principais gestores do país, acompanhamos as notícias e tendências que impactarão no dia-a-dia dos hospitais, operadoras, centros diagnósticos, farmacêuticas e clínicas do país.