• Home
  • Tecnologia
  • Tim Cook oferece uma amostra do futuro da saúde na Apple

Tim Cook oferece uma amostra do futuro da saúde na Apple

Com o lançamento recente do último modelo do iPhone, o CEO Tim Cook compartilhou suas expectativas sobre os aplicativos de saúde da Apple e o papel que desempenhará no futuro da companhia, em uma entrevista para a Fortune.

Apesar de já ter demonstrado interesse em investir na área de saúde, Cook aponta que a empresa da maçã está particularmente inclinada às atividades médicas.

“Estamos extremamente interessados na área. E, sim, esta é uma oportunidade de negócio. Se você observar, o campo de saúde é, de longe, o segundo maior componente da economia em muitos países do mundo. No entanto esta área não foi construída com foco na criação de bons produtos no nível dos dispositivos. O foco tem sido fazer produtos que possam ser reembolsados através dos sistemas de seguros, como o Medicare ou Medicaid. E, de certa maneira, trazemos uma visão totalmente nova sobre isso ao dizermos ‘Esqueça tudo. O que podemos fazer para ajudar as pessoas?’”
– Tim Cook

Cook chamou a atenção para a tecnologia de monitoramento cardíaco da Apple nos seus smartwatches, no qual um estudo, divulgado este ano pela Standford University revelou ser mais preciso que outros sete dispositivos wearables. Como os executivos da Fitibit – que tem como principal produto as pulseiras inteligentes fitness Flex – Cook percebeu que esses equipamentos têm alertado os usuários para um potencial problema no coração, e foi capaz de compartilhar os dados de frequência cardíaca com os médicos. “Um número expressivo de pessoas descobriu que, após o aviso, se não tivessem procurado assistência médica teriam morrido”, ressaltou o CEO.

Ele também sugere que a estrutura de código aberto ResearchKit – enquanto um ótimo caminho para modernizar e desenvolver grandes estudos clínicos – mesmo sem um modelo de negócios foi uma das coisas que contribuiu para o melhoramento da sociedade. Apesar da iniciativa parecer nobre, não é inteiramente convincente. É possível que os dados gerados a partir desses estudos alcancem oportunidades de longo prazo para a Apple. Em qualquer caso, a companhia ainda não divulgou os seus grandes planos.

Os movimentos da Apple na área de saúde tem significativas ramificações que atingem desde os desenvolvedores de aplicativos de saúde, até companhias de dispositivos médicos como a DexCom, pacientes e médico. Quando, por exemplo, a Apple adicionou tecnologia para medidores contínuos de glicose, a partir de uma melhor conectividade dos seus relógios inteligentes com dispositivos hardware, isso impulsionou o preço das ações da DexCom.

Considerando o fato de que nos tornamos nossos smartphones, a Apple e outras empresas de tecnologia móvel vão continuar investindo e oferecendo suporte aos aplicativos de saúde e nós poderemos usufruir dos telefones de forma tanto passiva quanto ativa. Por exemplo, as ferramentas de armazenamento de imagem da ImageMoverMD conseguem balancear o desejo dos médicos de utilizar seus smartphones ou tabletes para capturar fotos dos pacientes em consultas clínicas com a segurança de dados dos hospitais.

Como Cook ponderou na entrevista, as empresas estão apenas arranhando a superfície de suas capacidades. Será estimulante observar o que vem depois, no kit de ferramentas de saúde da Apple.

 

 


Fonte: MedCity News // Autor(a): Stephanie Baum // Tradução: Camila Marinho