• Home
  • Gestão
  • Para melhor cuidado, tenha mais mulheres no comando

Para melhor cuidado, tenha mais mulheres no comando

Lideranca-feminina-saude-cuidado-assistencial-tecnologia-gestao

A medida que o campo da saúde evolui, a necessidade por diversidade de gênero nos postos de liderança é mais evidente do que nunca.

Em um caminho para construir um modelo que suporte tanto colaboração e inovação, nós devemos apresentar uma variedade de perspectivas, experiências e habilidades. Como ex-enfermeira, estou plenamente consciente de que os profissionais de saúde servem os indivíduos de acordo com um amplo conjunto de necessidades, conhecimento e antecedentes – cada um dos quais contribui para a forma como prestamos atendimento personalizado.

Para as organizações de saúde, a importância da liderança feminina na alta gestão se provou uma necessidade. A incorporação de conhecimentos clínicos em funções administrativas também chama a atenção para o fato de que uma abordagem única para todos não consegue sustentar a saúde de nossas comunidades. Para servir adequadamente, com compaixão e compreensão, nosso comando precisa ser tão diversificado quanto a população que tratamos. Precisamos de líderes que compreendam que as tendências da saúde variam conforme o gênero e que também tenham sido treinados em uma configuração clínico e comercial.

No Ascension, maior sistema de saúde sem fins lucrativos dos Estados Unidos, temos um longo caminho para alçar mulheres aos cargos de liderança executiva – um ótimo exemplo é Patricia A. Maryland, Dr. PH, que atua como Presidente e CEO da Ascension Healthcare. E em todo o Ascension Michigan, quatro dos nossos seis mais importantes executivos – eu incluída – são do gênero feminino.

Mulheres tem o potencial para criar um impacto incrível, considerando que em nível nacional nós correspondemos a 75% dos empregos de saúde, mas representamos apenas 26% dos cargos de CEO em hospitais. Além disso, um estudo publicado no Journal of Healthcare Management – com base em pesquisas do American College of Healthcare Executives – aponta que as mulheres com cargos executivos no setor de saúde relatam salários significativamente mais baixos que os representantes do sexo masculino.

A disparidade de renda e a proporção desequilibrada de gênero em cargos de liderança evidencia o viés do que inevitavelmente ocorre em culturas hospitalares quando as perspectivas femininas são diminuídas. A fim de atenuar essas lacunas, os executivos hospitalares se beneficiarão ao buscarem pontos de vista femininos e a diversificação da C-Suite por meio da mentoria deliberada.

Esses fatos levantam a questão: por que não há mais mulheres em papeis de liderança na saúde? É difícil reduzir um problema tão multifacetado para um único fator. Além do desequilíbrio de representatividade feminina entre lideranças neste setor, outras indústrias enxergam as mesmas tendências. As mulheres representam apenas 16% dos cargos de liderança nos Estados Unidos, de acordo com a consultoria de pesquisa McKinsey.

Embora esta seja uma questão complexa, os estereótipos de gênero, as responsabilidades familiares e o teto de vidro também podem contribuir para os rumos da carreira feminina. Precisamos entender o valor da diversidade e trabalhar para promover ambientes de carreira que ofereçam remuneração justa e sejam favoráveis à vida familiar.

De acordo com um relatório da organização sem fins lucrativos de pesquisa e consultoria Catalyst, as empresas com maior participação de mulheres no conselho diretor alcançam desempenho financeiro significativamente mais alto. Se os sistemas de saúde estão preocupados em oferecer cuidados personalizados que consideram o alcance total das necessidades dos indivíduos – seus antecedentes, história, ambiente e crenças – as mulheres devem ter uma representação mais marcante. A influência feminina faz a diferença não apenas para a sustentabilidade do sistema de saúde, mas também para os indivíduos que visamos atender com um modelo personalizado.

Provoco os profissionais de saúde a fazer um esforço concentrado para alçar as mulheres em posições de liderança não só no campo da saúde como em todas as indústrias. Como uma CEO feminina e ex-enfermeira, eu entendo os desafios que as mulheres enfrentam em sua busca para serem elevadas à C-Suite. Incentivo as mulheres líderes a abraçarem seus pontos fortes, experiências e perspectivas únicas – e levar outras mulheres com você.

Há muito que ser feito nesta jornada, mas tenho plena confiança que minha visão de equilíbrio de gêneros em times executivos de saúde é viável e atenderá melhor os pacientes que vem aos nossos cuidados no momento de maior necessidade.

 

 


Fonte: FierceHealthcare // Autor(a): Gwen MacKenzie // Tradução: Camila Marinho