✉️ NEWSLETTER Assine gratuitamente e atualize-se semanalmente Assinar

Healing Buildings, mais do que sustentável

Publicidade

Fico contente em ver que o termo Sustentabilidade finalmente virou parte do vocabulário da indústria da arquitetura e da engenharia civil. Esta é uma conquista importante e que começa na consciência que cada individuo deve ter sobre sua própria pegada, para então poder ser capaz de multiplicar e compreender o impacto de um grande edifício, principalmente quando falamos em construções de grandes escalas como as hospitalares.

Não seria um absurdo pensar que milhões são investidos na construção de locais para cuidar e tratar de pacientes, mas que dentro desses complexos os pacientes podem estar expostos à materiais tóxicos? Ou que os itens especificados emitem toxinas em alguma etapa do seu ciclo de vida, como na sua fabricação, podendo colaborar na incidência de câncer de uma determinada população que pode vir a precisar de atendimento neste mesmo edifício? Deveria ser um absurdo, mas é o que foi praticado durante muitos anos e ainda encontramos nos dias de hoje.

As certificações de sustentabilidade tiveram papel importante nessa trajetória de conscientização e de melhoria incremental, mas ainda temos um longo percurso pela frente.

Se um amigo lhe dissesse que seu casamento é sustentável, como você interpretaria essa afirmação? Sustentável é algo que somos capazes de suportar, mas que não necessariamente nos faz bem. Estamos na transição entre o estágio de degradação pura para uma etapa de maior consciência, com o objetivo de alcançar a sustentabilidade. Mas devemos almejar um estágio ainda mais avançado para conquistar uma relação de fato saudável com o planeta em que vivemos, o de restauração. Aquele em que nossa pegada passa a ser positiva e onde os edifícios de saúde são ativos no processo de cura dos pacientes e de melhoria do ambiente em que estão inseridos.

Dentro do panorama de discussões sobre gestão populacional, resolutividade de passagem e geração de valor, precisamos começar a olhar os nossos edifícios como parte fundamental dessa transformação e não apenas como pano de fundo.

       
Publicidade

Deixe uma resposta