This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

HOSPITALAR 2019 Já emitiu sua credencial gratuita? Clique aqui

Um modelo acertado de gestão pode reduzir os desperdícios na saúde

By 16 de março de 2016 Gestão, Você Informa

 

Em janeiro, um dos mais respeitados e conceituados infectologistas do País, Marcos Boulos, concedeu uma entrevista ao programa Espaço Público, na TV Brasil, e fez uma afirmação contundente. Ele acredita que o país vive atualmente a maior epidemia já registrada no mundo pelo zika vírus. Em fevereiro, o Ministério da Saúde divulgou um novo balanço, informando que 5.079 casos suspeitos de microcefalia relacionado ao vírus foram registrados em recém-nascidos entre 22 de outubro de 2015 e 2 de fevereiro deste ano.

Essa ocorrência, gravíssima por si só, também preocupa porque, certamente, impactará a Variação de Custos Médicos-Hospitalares (VCHM), a chamada inflação médica. Esse índice calcula a mudança de preços e também o aumento da frequência de uso de serviços, clínicas, laboratórios, hospitais etc. Ou seja, a notícia dos casos do vírus Zika é mais um golpe no já combalido sistema brasileiro de saúde e, a dor, é sempre sentida no bolso.

Além desse fator, há outros dois que são computados para a formação do VCHM. São eles o crescente uso de novas tecnologias e o envelhecimento da população. Em relação ao primeiro, a incorporação de novas tecnologias aos serviços hospitalares ou ambulatoriais pode levar à maior utilização de recursos humanos e de treinamento especializado, que se somam ao maior fornecimento de material e equipamentos. Todas essas variáveis resultam em gastos mais elevados.

Já o envelhecimento da população impacta por razões óbvias: os seres humanos estão vivendo mais e, assim, a probabilidade de terem mais doenças aumenta e, consequentemente, cresce a busca por serviços médicos. Atualmente, 10% da humanidade está na faixa etária acima dos 60 anos.

Em 1980, essa fatia representava 6% do total e a previsão para 2030 é de que esse percentual chegue perto dos 30%. O maior crescimento por faixa etária entre usuários de planos médico-hospitalares está justamente na faixa com mais de 59 anos, com 5,1%. Tal fato retrata a triste realidade brasileira, no que diz respeito à falta de programas de promoção e prevenção de saúde. Estes programas são responsáveis pela drástica redução de custos com saúde nos países mais desenvolvidos.

Já há estimativas apontando que, em 2016, a inflação médica deverá registrar seu recorde histórico, chegando a 20%, de acordo com projeções da Confederação Nacional da Saúde. Em 2015, o índice, ainda a ser confirmado, deverá situar o Brasil como o quarto país com a maior inflação médica entre 29 nações da Europa, Ásia e Américas. Essa é uma conclusão de uma pesquisa internacional da Mercer Marsh Benefícios, consultoria especializada em gestão de benefícios de saúde.

Vale frisar que esse problema não é exclusivo do Brasil. Nos Estados Unidos, o índice inflacionário subiu 216% entre 1980 e 2012. Só a despesa per capita subiu 818%. A marcha começou a desacelerar apenas em 2011, quando a taxa de inflação anual foi maior do que a variação dos gastos com saúde em 32 anos.

O crescimento ficou estável em 2013 quando o índice bateu em 3% e ficou mais próximo da inflação, provavelmente pela reforma promovida pelo presidente Obama, que, dentre outras medidas, alterou substancialmente a maneira de pensar em saúde, onde o foco é reduzir custos e aumentar a qualidade.

Infelizmente, no Brasil, ainda não temos previsão de melhora. Por um lado, os pacientes queixam-se da demora no atendimento médico e dos preços de convênios. De outro, a classe médica e os hospitais ressentem-se do baixo pagamento pelos serviços prestados. No meio disso tudo, o governo patina na má gestão. Ou seja, nada caminha na direção de uma solução comum para todos esses problemas.

Esses vetores contaminam todo o modelo atual de prestação de serviços de saúde e deixam evidente a necessidade de revisão, principalmente no que tange à legislação e à utilização consciente do sistema de saúde. A falta de solução para o conflito torna-se ainda mais prejudicial porque a ausência de serviços públicos eficientes sobrecarrega os planos de saúde. Estes, por sua vez, convivem com prejuízos e com o malabarismo que devem fazer diante do repasse da alta dos custos. Soluções para esses problemas podem passar pela modificação do modelo de remuneração dos prestadores de serviços e pela criação de novas regras para os planos coparticipativos.

 

Portal Saúde Business

About Portal Saúde Business

Formar e informar o executivo de saúde é o que fazemos todos os dias. Há mais de 15 anos desenvolvendo um conteúdo proprietário e centrado nos principais gestores do país, acompanhamos as notícias e tendências que impactarão no dia-a-dia dos hospitais, operadoras, centros diagnósticos, farmacêuticas e clínicas do país.

Leave a Reply