This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Startup nasce para “blindar” empresas contra Covid

By 3 de setembro de 2020 Gestão

Com equipe de profissionais em áreas como gestão, produção de eventos, infectologia, segurança do trabalho e vigilância sanitária, Gabbas oferece soluções para “blindar” empresas contra o Covid

A expectativa dos mercados para o retorno seguro das atividades estimulou o surgimento de uma startup pioneira em “blindar” empresas e espaços contra a disseminação do novo coronavírus. A Gabbas, que oferece consultoria, assessoria técnica e implementação de processos, nasceu há pouco mais de três meses e já tem diversos projetos em andamento, de empresas e instituições ligadas ao comércio, serviços, setor financeiro e especialmente ao mercado de eventos. A expectativa é de crescimento exponencial até meados de 2021.

“Ainda há muitas dúvidas quanto ao que pode ou não pode, deve ou não deve ser feito para garantir o retorno seguro de atividades. Há protocolos específicos para cada segmento, além das particularidades de cada empresa, cada espaço. Estamos falando de uma série de providências específicas e obrigatórias para cada situação, como comunicação adequada, monitoramento, medidas para o correto distanciamento social, higiene e proteção individual, sanitização correta dos ambientes entre outras, que vão aumentar a segurança e a confiança tanto de colaboradores quanto de clientes e potenciais participantes de um evento”, afirma a sócia-diretora da Gabbas, Patrícia Gabas.

A startup nasceu da união de profissionais com mais de 20 anos de atuação em gestão de projetos e produções executivas. “Identificamos a oportunidade de agregar nossa expertise à aplicação de soluções que atendam às novas necessidades de segurança e saúde nos mercados. Observamos que os protocolos pré-estabelecidos pela OMS, Ministério da Saúde e Municípios são dinâmicos, ora publicados como ‘Orientações de Caráter Provisório’, sofrendo alterações constantes, baseadas em requalificações de critérios e fases, durante a evolução da doença viral. Entendemos que é preciso manter-se atualizado e alerta, acompanhando ativamente todas as mudanças impostas, de acordo com cada classificação de riscos”, informa a executiva.

Como funciona

Mediante um diagnóstico prévio, com atenção em detalhes específicos de cada segmento, uma equipe de profissionais das áreas de gestão, infectologia, segurança do trabalho, vigilância sanitária e/ou nutrição atua junta na indicação e implementação dos protocolos mais adequados, prepara e instala as peças de comunicação exigidas e reformula espaços quando necessário. A startup oferece ainda consultoria integrada a métodos e processos, além de certificação COVID-Free, em parceria com certificadora internacional. Há também serviços de pré e pós-monitoramento, para garantir a implementação das medidas propostas, além de educação continuada para manutenção das boas práticas.

“Encontramos muita informação, mas pouca comunicação efetiva sobre como as empresas devem se comportar na retomada. Com a autotutela e ausência de um fiscalizador imparcial, escritórios e estabelecimentos tendem a relaxar no cumprimento das ações para as boas práticas. Diversos locais deixaram de fazer a higienização constante de superfícies ou de equipamentos, não fazem a medição de temperatura do público e não disponibilizam mais itens essenciais, como álcool em gel, por exemplo. Com esse relaxamento, há risco de processos e indenizações em escalas absurdas, além de referências pelo mundo de países que haviam retomado suas atividades econômicas e estão voltando a fechar espaços, devido ao aumento no número de contaminados”, lembra o sócio-diretor da Gabbas, Thomé Castro.

Mercado de Eventos: atenção redobrada

A retomada gradual da indústria de Eventos, com o retorno dos eventos com público sentado em São Paulo e dos eventos de negócios no Rio de Janeiro, já estimulou a movimentação de agências e empresas fornecedoras para o preparo de projetos híbridos e presenciais, seguindo as normas impostas pelos estados. No entanto, além da aplicação de protocolos já aprovados, são necessárias providências específicas para que o setor possa aumentar o nível de segurança.

“Estamos falando em espaços em que, mesmo seguindo regras de capacidade reduzida, reúnem pessoas. Pensando em primeiro lugar no público, mas para que as empresas também estejam respaldadas, todas as exigências sanitárias e de adequação de espaços precisam ser cumpridas de forma rigorosa. Também é preciso que colaboradores e público sejam preparados para se adequar à nova realidade e essa etapa envolve desde treinamento com equipes até medidas de comunicação eficientes”, lembra Patrícia Gabas.

E os cuidados não terminam quando o evento acaba. “As empresas organizadoras têm ainda a obrigatoriedade de manutenção de um banco de dados de todos os participantes por, pelo menos, um mês após o evento. As informações serão utilizadas como prevenção e monitoramento, caso haja alguma possibilidade de contaminação coletiva”, lembra.

A executiva acredita que mesmo com a eficácia comprovada da vacina, as empresas terão que manter as normas exigidas atualmente por prazo indeterminado. “A ciência está ainda estudando esse vírus e como ele se comporta, por isto acreditamos que, mesmo com o advento da vacina, novas exigências, aprimoradas, devem surgir. Por ora, devemos nos preparar, da melhor forma possível. O momento, agora, é de planejamento e preparação para a futura estabilização”, finaliza.

Portal Saúde Business

About Portal Saúde Business

Formar e informar o executivo de saúde é o que fazemos todos os dias. Há mais de 15 anos desenvolvendo um conteúdo proprietário e centrado nos principais gestores do país, acompanhamos as notícias e tendências que impactarão no dia-a-dia dos hospitais, operadoras, centros diagnósticos, farmacêuticas e clínicas do país.