This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

HOSPITALAR 2019 Já emitiu sua credencial gratuita? Clique aqui

Saúde renova marco regulatório de PDPs

By 13 de novembro de 2014 Gestão

O marco regulatório para Parcerias de Desenvolvimento Produtivo (PDPs) foi divulgado nesta quarta-feira (12) pelo Ministério da Saúde. Normatiza as parcerias entre laboratórios públicos e privados para a transferência de tecnologia visando à produção, pelos laboratórios públicos brasileiros, de remédios e vacinas estratégicos para o Sistema Único de Saúde (SUS).

Uma das maiores reclamações da indústria farmacêutica era a de que não existiam critérios claros para a escolha do laboratório para o acordo, e isso podia dar margem a negociações escusas. Em resposta, o ministro da Saúde, Arthur Chioro, disse que a nova norma deixou tudo bem claro para que as PDPs não sirvam de “barriga de aluguel”. “Procuramos deixar tudo claro para que o acesso à compra pública seja de fato uma política de desenvolvimento produtivo e de transferência de tecnologia”, ressaltou.

LEIA MAIS
“Política industrial promove avanços históricos”, diz Carlos Gadelha

Na PDP, o Ministério da Saúde firma acordo com um laboratório, ou grupo de laboratórios, que tenha alguma tecnologia de interesse brasileiro. O laboratório passa a tecnologia para um laboratório público brasileiro, e em contrapartida o governo compra medicamentos do detentor da tecnologia. Ao fim do acordo, o Brasil passa a produzir o medicamento.
Um exemplo de PDP foi feito no ano passado, quando o laboratório argentino Bagó deixou de produzir o l-asparaginase, remédio importante para o tratamento de um tipo de leucemia. Para evitar o desabastecimento, o governo brasileiro fez parceria com dois laboratórios – NTPharma e United Biotec – para futuramente a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) produzir o remédio e assim ter autonomia. Enquanto não conclui a transferência de tecnologia, o governo compra o produto dos dois laboratórios.

Segundo o ministro da Saúde, Arthur Chioro, a portaria é uma forma de unir toda a regulamentação do setor e dar segurança e estabilidade ao acordo. “A política passa a redefinir as diretrizes e os critérios para a definição da lista de produtos estratégicos para o SUS e estabelece como se dá a parceria. Ele disciplina o processo de submissão, decisão, instrução, de transferência e absorção de tecnologia, de aquisição de produtos estratégicos pelo SUS, e também clareia e qualifica o processo de monitoramento e avaliação das PDPs”, explicou o ministro.

A nova norma prevê que anualmente, até o mês de dezembro, será divulgada uma lista de produtos estratégicos, que serão alvo de parceria no ano seguinte. Em seguida, entre janeiro e abril, os laboratórios farão a proposta de PDP, que será avaliada.

Para Chioro, um dos objetivos principais das PDPs é ampliar o acesso da população aos produtos estratégicos, e ao mesmo tempo diminuir a vulnerabilidade do sistema de saúde, como por exemplo, em casos que os laboratórios deixam de produzir algum medicamento importante.

Hoje, o Ministério da Saúde tem 104 parcerias firmadas, em diferentes estágios, inclusive sete vacinas, como a de prevenção ao HPV. Segundo Chioro, as parcerias vêm sendo feitas desde 2009.

O anúncio do novo marco regulatório foi feito durante o evento Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde, promovido pelo Ministério da Saúde. Na ocasião, o ministro anunciou mais duas PDPs: uma de medicamento para artrites, doenças reumáticas e doença de Crohn, que fazem parte do tratamento de cerca de 30 mil brasileiros; e outra de medicamento para tuberculose, doença que atinge cerca 70 mil pessoas anualmente.

Portal Saúde Business

About Portal Saúde Business

Formar e informar o executivo de saúde é o que fazemos todos os dias. Há mais de 15 anos desenvolvendo um conteúdo proprietário e centrado nos principais gestores do país, acompanhamos as notícias e tendências que impactarão no dia-a-dia dos hospitais, operadoras, centros diagnósticos, farmacêuticas e clínicas do país.

Leave a Reply