This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

HOSPITALAR 2019 Já emitiu sua credencial gratuita? Clique aqui

Quem precisa de estratégia?

By 17 de março de 2017 Colunas, Gestão

NÃO É POSSÍVEL TER SUCESSO NUM CENÁRIO COMPETITIVO sem contar com algum grau de estratégia. A competição envolve o confronto de dois ou mais adversários, todos lutando para atingir os próprios objetivos. Cada um terá traçado seus planos e as formas de superar ou anular as pretensões dos oponentes, frustrando os seus projetos de vitória.

Cenários assim acontecem na guerra, nos jogos e nos negócios. Em todos estes ambientes o pensamento estratégico não é apenas desejável, é obrigatório. Quando todos têm alguma estratégia, entrar sem nenhuma na competição fará com que os rivais levem grande vantagem sobre você. É por isso que todos os que tenham objetivos a alcançar dependem da adoção de estratégias para realizar o seu intento: países, organizações, empresas, clubes, escolas, atletas, jogadores, empresários, profissionais e muitos outros.

Determinar o que se pretende fazer – a atividade principal a ser desempenhada –, para quem fazer – definir quais são os clientes –, como, quando e quais são os objetivos a serem atingidos é o início da adoção de uma estratégia eficiente. A declaração, oral ou escrita, destes elementos é chamada de missão organizacional. O passo seguinte é estabelecer em que prazos se fará cada etapa até o final do processo, elaborando um cronograma.

A estratégia assim concebida é como uma fórmula que indica como atingir os objetivos almejados e assim obter sucesso na atividade competitiva. É por meio desse instrumento que se cumpre e se executa a missão.

A realidade atual da Saúde brasileira é de caos no setor público, resultante da falta de planejamento, agravada pelas carências crescentes da população, corrupção endêmica e insuficiência de recursos; e de crise no setor privado, causado pelos custos crescentes, ingerência excessiva do Poder Púbico, regulamentação exagerada, esgotamento da capacidade financeira dos clientes e desarranjo na economia do País. Em ambos os casos, um problema adicional é a falta de uma gestão profissionalizada.

Em uma situação assim, a competição se torna muito mais acirrada, os adversários se multiplicam – concorrentes, governo, legislação, agências reguladoras, a economia e a política, entre outros – e o planejamento se torna mais incerto e difícil. O estrategista passa a trabalhar com limitações decisórias e orçamentárias; os prazos e praticamente todos os recursos encolhem, entravando o alcance de suas ações.

É nesta hora que o pensamento de longo alcance e a tomada de decisões planejadas se transforma em um verdadeiro jogo de xadrez, com cada movimento exigindo maior reflexão e análise detalhada das conseqüências possíveis de cada jogada, para que a organização não seja colhida por complexidades destrutivas imprevistas. Não é o momento para amadorismo e as organizações devem se defender das ameaças com a adoção de estratégias sólidas, criativas e bem estruturadas. Nada de ir caminhando sem saber aonde se quer chegar.

Além disso, a adoção e implantação de estratégias devem estar alicerçadas em sólida base de conhecimento, sendo o estudo e o amplo mapeamento dos cenários prováveis o seu principal recurso. A contribuição do estrategista é resultado de um conjunto de ações e qualidades, como estudar a história e o desenvolvimento das principais variáveis envolvidas, conhecer detalhadamente os processos, integrar todos os elementos necessários ao alcance dos objetivos, perscrutar tendências e detalhar o planejamento com todas as suas linhas alternativas, de acordo com a materialização ou não de cada possibilidade antevista.

Não foi por outro motivo que o compositor François-André Danican Philidor, músico e melhor enxadrista da França no Século XVIII, multitalentoso, como convém a um estrategista de grande reputação, disse que no xadrez é melhor começar uma partida tendo uma estratégia, ainda que parcial e imperfeita, do que jogar sem ter nenhuma. Trata-se de uma boa lição, que vale para o jogo, para a guerra, para os negócios e para a própria vida.

Rubens Baptista Junior

About Rubens Baptista Junior

Rubens Baptista Junior é consultor e palestrante em Gestão Estratégica, Saúde, Educação e Comunicações; professor na EEP do HC FM-USP e no MBA Executivo em Saúde da FGV; e jornalista. É médico especialista em Administração em Saúde pelo PROAHSA, em Medicina Preventiva e Social pela FM-USP e em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde pela FGV-EAESP; bacharel em Direito pela Faculdade de Direito do Largo São Francisco – USP e em Comunicação Social pela ECA-USP. www.rubens.med.br

Leave a Reply