This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

+100 PALESTRANTES Saiba quem estará nos palcos do HIS19. 🎙 Clique aqui

Pesquisa DataFolha: Instituições cobram mais atuação da ANS

By 6 de agosto de 2007 Gestão

Tanto o trabalho quanto a atuação da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) em relação às necessidades dos hospitais recebem notas médias pouco expressivas. Em escala de 0 a 10, recebem 5 e 4 respectivamente.

Os hospitais cobram que a entidade assuma o papel de fiscalizadora do cumprimento do contrato e da qualidade do atendimento da saúde. Também esperam que seja mediadora nos contratos e negociações (estabelecendo regras claras, índices de reajuste) e de fornecedora de informações (sobre avanços tecnológicos, situação jurídico-financeira das operadoras, etc.)

TISS

55% dos entrevistados da pesquisa acredita que a TISS melhorará relacionamento entre operadora e prestadores de serviço, principalmente porque ela padronizará os formulários, os atendimentos e os custos (39%).

Mas também porque aumentará a velocidade na troca (18%), a qualidade e segurança (16%) e o acesso a informação (14%).

Cerca da metade dos prestadores acredita que, com a TISS, a ANS poderá exercer ingerência na sua atividade (52%), enquanto 43% não crêem nessa interferência.

Segundo a gerente de integração da ANS,  Jussara Rötzsch, a agência está preocupada com a insegurança jurídica e disse que o Conselho Federal de Medicina (CFM) está trabalhando na elaboração de uma resolução  que aborde a questão do sigilo das informações.   

 

Contratualização

 

A maioria dos hospitais afirma que a contratualização não ajudou no relacionamento financeiro e comercial com as operadoras porque ela criou problemas no reajuste/remuneração e regras pouco objetivas e claras. Do total de contratos que os hospitais atendem, cerca de apenas um terço são atualizados de acordo com a RN 42.

 

Além disso, a maioria dos hospitais particulares acredita que as cláusulas dos contratos apresentados pelas operadoras não são claras nem bilaterais e que não há um índice pré-definido de reajuste para os contratos assinados.

 

Para isso, as entidades sugerem que a ANS tenha um papel mais atuante, ou seja, que redija um contrato padrão entre operadoras e prestadores de serviços.

Portal Saúde Business

About Portal Saúde Business

Formar e informar o executivo de saúde é o que fazemos todos os dias. Há mais de 15 anos desenvolvendo um conteúdo proprietário e centrado nos principais gestores do país, acompanhamos as notícias e tendências que impactarão no dia-a-dia dos hospitais, operadoras, centros diagnósticos, farmacêuticas e clínicas do país.

Leave a Reply