This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Coronavírus: governo tem que ser mais ágil e eficaz para evitar o pior no Brasil

Em debate, especialistas em desigualdade social defendem que ajuda financeira do governo para população mais pobre saia rapidamente. Caso contrário, efeitos nas periferias e favelas brasileiras poderão ser devastadores 

Se o governo federal não agir de forma mais rápida e eficaz para ajudar financeiramente a população brasileira mais pobre, a pandemia do coronavírus terão efeitos devastadores, principalmente nas periferias e favelas de todo o Brasil. Em transmissão ao vivo online pelo Youtube realizada nesta quinta-feira (2/4), Katia Maia, diretora executiva da Oxfam Brasil; Mônica de Bolle, economista e professora da universidade Johns Hopkins, em Washington (EUA); e Douglas Belchior, ativista do movimento negro e da UNEAfro discutiram os impactos da pandemia no Brasil e quais as soluções possíveis.

O vídeo com a íntegra da conversa sobre a importância da renda básica para minimizar o impacto do coronavírus no país pode ser assistido aqui.

Para Mônica de Bolle, a aprovação da renda básica de R$ 600 por três meses no Congresso foi uma pequena vitória, mas é necessário que o programa abranja muito mais gente. “Penso que ele deveria alcançar metade da população brasileira, 100 milhões de pessoas. E por muito mais tempo. No mínimo, seis meses. Eu defendo 12 meses, prorrogáveis. Porque esta será a extensão da crise.”

Segunda ela, os Estados Unidos mandarão um cheque de 1,2 mil dólares para a casa de todas as pessoas. “Mas, no Brasil, a coisa parece andar pra trás. É espantoso. O governo brasileiro está embromando. A aprovação da Renda Básica aconteceu na segunda. Hoje é quinta e nada ainda foi pago. E sete dias é uma eternidade nesta epidemia.”

“Este é o momento da responsabilidade humana. A sociedade não tem que estar a serviço da economia. É a economia que tem que estar a serviço da sociedade”, afirmou Katia Maia, da Oxfam Brasil. “No fim das contas, o governo tem feito o máximo possível para atrasar o pagamento da renda básica de R$ 600 para informais e mais vulneráveis.”

Douglas Belchior lembrou que a grande parte da população brasileira – pobre e negra – é negado o direito ao isolamento social. “Grande parte do povo não pode se dar ao luxo de parar. O trem continua cheio. As ruas ocupadas por camelôs. Não param porque não podem. Porque a mulher sai de manhã para ganhar o almoço e o pai à tarde para garantir a janta. Porque está faltando comida, porque falta água de 3 a 4 vezes por semana.”

Douglas afirmou ainda que, se a contaminação do coronavírus se repetir com a mesma força com que ocorreu na China, Itália, Espanha e Estados Unidos, as periferias brasileiras vão viver o terror absoluto. “Se em países riquíssimos o efeito foi devastador, como é que vamos viver aqui? Devemos estar preparados para o pior”, afirmou.

A economista Mônica De Bolle concordou com Douglas sobre o efeito devastador da pandemia de coronavírus no país caso não haja maior responsabilidade social do governo com os vulneráveis. “A desigualdade brasileira é tão agressiva que impede que uma parcela substancial da população tenha acesso a serviços básicos”, afirma.

Portal Saúde Business

About Portal Saúde Business

Formar e informar o executivo de saúde é o que fazemos todos os dias. Há mais de 15 anos desenvolvendo um conteúdo proprietário e centrado nos principais gestores do país, acompanhamos as notícias e tendências que impactarão no dia-a-dia dos hospitais, operadoras, centros diagnósticos, farmacêuticas e clínicas do país.