This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Falta de humanização em saúde faz crescer número de ações por erro médico

By 22 de janeiro de 2019 Destaques, Gestão

Segundo o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), por dia são abertas 70 novas ações por erro médico no Brasil; cerca de três por hora. Só em 2017, 26 mil foram registrados somando os de todos os Estados. Contudo, apesar destes números expressivos, o Conselho Federal de Medicina (CFM) conta com somente 944 processos para punição ou cassação do registro médico, somando os casos de 2011 a 2018.
A judicialização da saúde é uma das principais causas para tais dados: em busca de acesso por tratamento, muitos esbarram nas limitações da saúde pública e privada e encontram no poder judiciário a única alternativa para ter assistência médica. Além disso, a carente humanização hospitalar abre espaço para condutas que ferem o paciente, física e/ou psicologicamente, em seu momento de maior fragilidade.
“Contudo, pouco é feito para ampliar a assistência plena aos pacientes – tanto no âmbito público quando no privado. Tal fato é constatado pela recente pesquisa do CFM, na qual foi registrado que 55% dos brasileiros avaliam a saúde do país como ruim ou péssima; somente 10% considera boa”, afirma o advogado Raul Canal, presidente da Sociedade Brasileira de Direito Médico e Bioética (Anadem).
Ainda no período eleitoral, o Datafolha realizou um levantamento que concluiu que 23% da população considera a saúde como o principal problema nacional. Resolver essa questão deveria ser a prioridade presidenciável para 40% dos entrevistados. Canal avalia que é fundamental ampliar o investimento no setor, além de “sensibilizar gestores hospitalares, profissionais de saúde e população geral para a necessidade do cuidado especial aos pacientes, respeitando as necessidades individuais e coletivas de cada ator para alcançar o bem-estar físico e psíquico”.
Neste sentido, o ministro da saúde Luiz Henrique Mandetta já declarou que tudo o que for economizado pela pasta será aplicado na assistência à população. Para reduzir os números citados de ações judiciais, sua gestão pretende ampliar o debate sobre equidade em saúde, pautando-se no respeito pelo coletivo.
“Estamos otimistas e acompanharemos de perto todas as decisões do novo governo – principalmente no que tange a administração em saúde. A atenção à população é um dos tópicos mais sensíveis no Brasil e, por isso, precisamos garantir que todos os pacientes sejam assistidos e respeitados, em um processo humanizado e digno, nunca esquecendo do apoio que o profissional de Saúde precisa receber neste sentido”, conclui Raul Canal.

Portal Saúde Business

About Portal Saúde Business

Formar e informar o executivo de saúde é o que fazemos todos os dias. Há mais de 15 anos desenvolvendo um conteúdo proprietário e centrado nos principais gestores do país, acompanhamos as notícias e tendências que impactarão no dia-a-dia dos hospitais, operadoras, centros diagnósticos, farmacêuticas e clínicas do país.

Leave a Reply