This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Entrada de capital estrangeiro deve fomentar criação de PPPs, diz PwC

By 21 de abril de 2015 Gestão

Em geral, o que vemos nos sistemas de saúde é um aumento de custos e uma necessidade de reforma para um modelo que atenda os pacientes com maior eficiência e permita que o sistema como um todo seja sustentável. Neste contexto, muitos governantes ao redor do mundo estão preocupados com o aumento do acesso, da qualidade e com a redução dos custos da atenção à saúde. É o caso dos Estados Unidos, com a reforma liderada por Obama ou, em menores níveis, do Brasil, com a permissão da entrada de capital estrangeiro em instituições de saúde.

“Nós não podemos simplesmente fomentar, fomentar e fomentar. Nós precisamos mudar.”, disse  Patrick Figgis, Global Leader de Healthcare da PwC.

Uma das tendências que deve ser potencializada no país, segundo Patrick, com a permissão deste tipo de capital no país é a construção de parcerias público-privadas. “A expertise do setor privado pode agregar à capilaridade do setor público e, além disso, obviamente, a quantidade de capital sendo injetada na rede de atenção à saúde do setor público aumentaria, viabilizando um maior número de projetos e iniciativas. No entanto, é necessária a criação de um ambiente que facilite este tipo de investimento. Não é somente liberar a entrada, é preciso criar um ecossistema que incentive o investimento deste capital.”

Do ponto de vista do poder público, a busca destas parcerias é o aumento de capital e o aumento da eficiência na gestão. No Brasil, o grande exemplo de sucesso deste tipo de acordo é do Hospital do Subúrbio, no estado da Bahia. A rede foi montada com coordenação do Estado da Bahia, já que há uma experiência prévia na área. E, para garantir o sucesso, nos últimos quatro anos, em todos os meses, são feitos cálculos sobre o investimento para garantir segurança ao investidor e melhorar a relação entre as partes envolvidas.

No caso deste hospital, foi criado um fundo garantidor e um fluxo diferenciado de pagamento que viabiliza este tipo de negócio. Cerca de 18% do fundo de participação entra em um fundo de compensação e há o pagamento com retorno para o tesouro estadual daquilo que não foi investido.

Patrick ainda disse que há grande oportunidades e grandes dificuldades a serem enfrentadas em um país como o Brasil. Primeiro, é preciso que haja um regime político e regulatório que encoraje a mudança, que possibilite empresas já estabelecidas e novas companhias a mudarem e continuarem evoluindo. Além disso, é preciso criar um modelo mais focado na promoção e prevenção para garantia de uma maior qualidade de vida com menores custos ao sistema.

Nathalia Nunes

About Nathalia Nunes

Fonoaudióloga formada pela FMUSP, com MBA em Economia e Gestão em Saúde na UNIFESP e apaixonada por comunicação, negócios e tecnologia em saúde. Na Live, trabalho com Marketing, Pesquisa e Conteúdo, tanto na produção de materiais editoriais e de pesquisa, quanto na difusão de temas e ações relacionados a negócios em saúde.

Leave a Reply