This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

HOSPITALAR 2019 Já emitiu sua credencial gratuita? Clique aqui

“Devemos adotar tecnologia sem custos extraordinários”, diz Jatene

By 27 de setembro de 2017 Gestão, TI e Inovação

A Intel e a Fundação Zerbini, com o apoio do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP) e do Instituto do Coração (InCor – HCFMUSP), assinaram um acordo de colaboração para identificarem e desenvolverem projetos de tecnologia digital em melhorias de processos hospitalares.

Para entendermos o que o InCor espera como resultado final dessa parceria e  o que pensa a respeito da adoção de novas tecnologias, conversei com o Dr. Fabio Jatene, Vice-Presidente do Incor (Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da FMUSP) e Coordenador do INOVAInCor (Núcleo de Projetos de Inovações do InCor Fundação Zerbini).

De acordo com Jatene, essa parceria faz parte do projeto de inovação do Hospital das Clínicas e do InCor que especificamente se chama INOVAInCor. Este convênio de co-inovação com a Intel prevê o desenvolvimento de processos que ajudarão a instituição a avançar na comunicação de dados dos pacientes. Esperamos do projeto assegurar mais eficiência e qualidade no atendimento.

Entretanto, adoção de novas tecnologias médicas representa hoje um dos grandes desafios dos sistemas de saúde. Se por um lado é desejável ampliar o acesso a terapias mais eficazes, por outro esse é apontado com um dos fatores que mais encarecem a assistência médica. Como viabilizar o acesso a essas terapias em um cenário economicamente desfavorável, acompanhando do envelhecimento populacional? Em relação a essa questão, Jatene afirma que de fato o desenvolvimento de novas tecnologias é um dos fatores que tem encarecido progressivamente o cuidado do paciente. Para ele o que precisamos fazer é usar essa tecnologia de uma forma inteligente, porque senão o processo de incorporação de tecnologia fica inviabilizado, porém existem possibilidades de não abandonar a adoção, o desenvolvimento de tecnologias nos nossos próprios centros costuma ser mais acessível e mais barata, ou seja, é mais viável ter uma tecnologia desenvolvida nacionalmente do que ter que importá-la.

“Devemos incorporar a tecnologia sem custos extraordinários, sem pôr em risco o sistema”, foi assim que ele definiu como um segundo fator que implica em utilizar a tecnologia considerada “importante e imprescindível”, quer dizer, adotar de fato o que trás benefícios e se apresenta mais efetivo e eficiente para o setor.

Sobre a alta porcentagem de atendimentos para pacientes do SUS e como manter a sustentabilidade financeira da instituição, ele nos elucida que o sistema público de saúde é um sistema muito bem concebido na sua estrutura, na sua hierarquização, contudo existem dificuldades de financiamento. Para o Vice-Presidente do InCor umas das dificuldades que a instituição apresenta se comparada a outros hospitais ou centro privados é que a instituição dispõe de um orçamento relativamente restrito para adquirir ou ter acesso a tecnologias mais avançadas. Sendo assim, cabe ao Instituto buscar primeiramente desenvolver projetos internos no Inova Incor que beneficiem os pacientes. Outra possibilidade é que o InCor conta com um sistema misto de atendimento que atende 20% dos pacientes no sistema de convênio, e declara que a organização utiliza esse recurso em benefício do SUS (Sistema Único de Saúde), com o objetivo de promover atendimentos de alta qualidade.

Para Jatene, o Instituto InCor continua se mantendo como um centro importante, que busca atender os pacientes com assertividade, da melhor forma, dentro do sistema público. E destaca que o fator mais importante para entender o InCor, é que o Instituto é também um forte centro de pesquisa, que está o tempo todo buscando se aprimorar em sua área de atuação.

 

 

 

 

 

 

 

 

Nathalia Nunes

About Nathalia Nunes

Fonoaudióloga formada pela FMUSP, com MBA em Economia e Gestão em Saúde na UNIFESP e apaixonada por comunicação, negócios e tecnologia em saúde. Na Live, trabalho com Marketing, Pesquisa e Conteúdo, tanto na produção de materiais editoriais e de pesquisa, quanto na difusão de temas e ações relacionados a negócios em saúde.

Leave a Reply