This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

65,3% dos colaboradores em home office estão trabalhando mais e em horários mais irregulares

By 19 de agosto de 2020 Gestão, Profissionais

Os desafios de promover a saúde no ambiente de trabalho durante a pandemia foi tema de palestra do primeiro dia do 11º Seminário UNIDAS – Atenção Integral à Saúde. O tema foi debatido pelo palestrante internacional, Wolf Kirsten, que é cofundador e codiretor do Centro Global para Locais de Trabalho Saudáveis, presidente da International Health Consulting e atua na área há 25 anos, falar sobre a importância de promover a saúde e bem-estar no ambiente de trabalho para melhorar a qualidade de vida dos colaboradores.

Segundo ele, 65,3% dos colaboradores em home office estão trabalhando mais e em horários mais irregulares. Mais de 50% relataram dores no pescoço, ombros e costas, além de problemas para dormir, fadiga e dor de cabeça. 84,2% declararam que não havia avaliação de saúde ou segurança em suas estações de trabalho em casa.

Para Wolf, este é o maior desafio das empresas durante esse período: cuidar da saúde mental de seus colaboradores. De acordo com ele, a saúde mental, que já era algo muito importante no ambiente de trabalho, ficou ainda mais evidente com a chegada da pandemia. E ele reforça que a questão não é o home office, mas sim o trabalho em casa sem preparo e sem estrutura, tanto que aqueles que conseguem se adaptar bem ao sistema, costumam ser mais produtivos.

“Nós temos um novo mundo do trabalho. Empresas de tecnologia como Google, Twitter e Facebook já anunciaram que terão mais funcionários trabalhando remotamente ou até em modelo home office para sempre. Nós sabemos que algumas pessoas precisam manter o trabalho presencial por conta da natureza e necessidades de sua profissão, no entanto, com a pandemia, o trabalho à distância já é uma tendência global e não será uma realidade somente das empresas de tecnologia”, explicou.

O especialista trouxe uma sugestão de boas práticas que as empresas podem aplicar para garantir a saúde dos funcionários e sua manutenção no trabalho remoto como a ergonomia e a importância de oferecer equipamentos adequados, como mesa, cadeira e direcionamentos para utilização correta desses equipamentos, além de lembretes e incentivos para a realização de alongamentos e exercícios físicos.

“O papel do gerenciamento também é muito importante. É necessário criar limites claros entre a vida pessoal e a profissional e equilibrar essas duas áreas da vida. Se não há limite, é difícil para que o funcionário consiga resistir a tudo isso, é preciso equilíbrio. Além disso, é fundamental ter uma comunicação apropriada. Parece algo simples, mas a comunicação à distância é muito mais difícil”, explica.

Por fim, o especialista falou sobre a importância de oferecer recursos para o bem estar mental dos colaboradores. “Mesmo antes da pandemia, um número cada vez maior de empresas percebia que seus funcionários estavam insatisfeitos, exaustos ou até depressivos, inclusive de maneira clínica. O bem estar mental é um enorme desafio para as empresas e isso nem sempre fica claro”.

De acordo com Wolf, ainda há um estigma sobre doenças mentais. “As pessoas ainda têm medo ou receio de falarem sobre problemas mentais, por isso é tão importante nós debatermos sobre isso e oferecermos recursos e programas de assistência para auxiliarmos essas pessoas”. Para finalizar, o especialista ressaltou que é importante que todas essas ações sejam realizadas de forma integrada e contínua e não só de maneira pontual. Esses dois fatores são fundamentais para o sucesso da promoção à saúde dos funcionários.
Portal Saúde Business

About Portal Saúde Business

Formar e informar o executivo de saúde é o que fazemos todos os dias. Há mais de 15 anos desenvolvendo um conteúdo proprietário e centrado nos principais gestores do país, acompanhamos as notícias e tendências que impactarão no dia-a-dia dos hospitais, operadoras, centros diagnósticos, farmacêuticas e clínicas do país.