This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Por que as startups morrem?

By 22 de outubro de 2014 Empreendedorismo
novos-empreendedores-sucesso-saude-startups

Citamos, na semana passada, um estudo da Fundação Dom Cabral, para explicar um pouco como é o ecossistema para novos empreendedores no Brasil. Mas resolvi trazer com profundidade o estudo para que entendamos as causas da morte de startups no país. O estudo feito pela FDC investiga as características das startups entrevistadas partindo da análise do empreendedor e das características das empresas investigadas e do ambiente de negócios, no momento da criação destas startups.

As empresas foram avaliadas quanto a diversas variáveis. Elas foram divididas de acordo com as categorias citadas anteriormente e correspondem aos antigos e novos empreendedores e ao negócio. Referente ao empreendedor, temos nível de escolaridade, histórico empreendedor na família, capacitação/experiência em gestão, sintonia entre os sócios, capital social e outros. Já quanto ao negócio, podemos ver o número de sócios envolvidos, qualificação da equipe de trabalho, facilidade de produção, volume do capital investido e outros aspectos.

Captura de Tela 2014-10-22 às 13.14.46

Segundo o estudo, 25% das startups morrem antes do primeiro ano de vida e a metade delas em menos de 4 anos. Três fatores podem explicar essa alta taxa descontinuidade das empresas. Eles são:

Número de sócios: A primeira ideia era de que, se a startup tivesse mais de um sócio, a credibilidade com o cliente seria maior e a experiência dos dois poderia agregar mais ao negócio. O resultado, no entanto, mostrou o contrário. A cada sócio a mais em período integral na empresa, a chance de descontinuidade aumenta em 1,24x. Quanto mais fundadores à frente da startup, maiores as chances dela morrer.

Volume de capital investido: A primeira ideia era de que, se um negócio for financiado com alto volume de capital antes do início das vendas, a chance dele morrer é maior. Os dados mostram que, independentemente da fonte do capital investido, quando a empresa possui, antes de sua primeira venda, capital suficiente para manter seus custos operacionais pelo período de 2 meses a 1 ano, suas chances de descontinuidade são significativamente maiores.

Local de instalação: Quando a empresa está localizada em uma aceleradora, incubadora ou parque tecnológico, a chance de ser descontinuada é 3,45 vezes menor em relação às startups com instalação em escritório próprio.

“Startups inseridas em incubadoras, aceleradoras ou parques tecnológicos têm mais chances de sobreviver, pois oferecem o tempo necessário para que as empresas alavanquem seus negócios sem ter os custos de um espaço próprio, além de contribuir com incentivos educacionais, financeiros e de relacionamento”, destaca Carlos Arruda, da Fundação Dom Cabral.

Abaixo segue um quadro com as impressões dos empreendedores sobre as startups que foram analisadas:

Captura de Tela 2014-10-22 às 14.15.09

 

Nathalia Nunes

About Nathalia Nunes

Fonoaudióloga formada pela FMUSP, com MBA em Economia e Gestão em Saúde na UNIFESP e apaixonada por comunicação, negócios e tecnologia em saúde. Na Live, trabalho com Marketing, Pesquisa e Conteúdo, tanto na produção de materiais editoriais e de pesquisa, quanto na difusão de temas e ações relacionados a negócios em saúde.

Leave a Reply