🚀 HIS18 Já conferiu os primeiros palestrantes do HIS? Já são mais de 15! CLIQUE AQUI

Efeito Tostines na Saúde

Publicidade

Quem tem mais de 30 anos deve lembrar da propaganda da Tostines: “Tostines é fresquinho por que vende mais, ou vende mais porque é fresquinho?”

Algo semelhante podemos nos perguntar: nosso modelo assistencial é assim por causa do modelo de remuneração ou o modelo de remuneração é assim por causa do modelo assistencial?

Várias discussões têm acontecido para discutir isso. A conclusão é notória: o modelo assistencial se molda a partir do modelo de remuneração vigente. Vejam como isso acontece.

O modelo de remuneração predominante no Brasil ainda é o fee-for-service, isto é, o pagamento por procedimento. Neste modelo o foco está no volume e na complexidade. O ex CEO da Kaiser Permanente nos EUA dizia que naquele país se faz mais dinheiro com o cuidado ruim. E, infelizmente, isso também é uma realidade no Brasil. Os prestadores não são recompensados por sua eficiência ou por sua efetividade, muito menos pela experiência que proporcionam a seus pacientes.

A competição não é por valor, mas sim por produção. É o que Porter chama da “soma zero”, ou seja, para um ganhar outro tem que perder.

Percebam que todo o nosso modelo assistencial passa a ser moldado a partir do modelo de remuneração. Os sistemas de informação existentes em hospitais e em operadoras de planos de saúde, focam em faturamento, ou seja, na produção. Pois é isso que importa para o sistema: produzir, faturar, auditar, glosar, comprar melhor com mais margens, autogerar, indicar materiais mais caros com margens melhores, etc… Isso tudo independentemente do cuidado prestado ao paciente. Este fica totalmente a parte do sistema e é quem deveria estar no centro.

O resultado disso, é uma insatisfação generalizada, custos assistenciais crescentes, elevados custos administrativos para cobrar/pagar o devido. E o pior disso tudo é a presença de um paradoxo perturbador: a coexistência do subtratamento com o excesso de tratamento.

Até quando o mercado vai perceber que se o modelo de remuneração não for modificado, ele não irá mais sustentar?

Vendo uma apresentação do modelo americano durante o IHA Stakeholders Meeting em Los Angeles, ficou claro o redirecionamento do modelo americano para buscar sustentabilidade. Eles chegaram a triste conclusão que após 2026 não haverá mais dinheiro para pagar os hospitais e a partir de 2030, o que o governo arrecada não será suficiente para suportar os gastos com a saúde.

Qual alternativa buscada naquele país? Modelos de Pagamento Baseado em Valor. Modelos onde o componente de custo entra com um percentual elevado na fórmula. Até 2010 os americanos não colocavam o custo para avaliação da qualidade.

Com o advento do Affordable Care Act, ou o chamado “obamacare”, isso mudou consideravelmente. Até 2019, qualidade ainda será responsável por 50% do peso para os sistema de incentivo (chamado de Merit-Based Incentive Payment System  ou simplesmente MIPS) e custo responsável por apenas 10%. A partir de 2021, tanto o custo como qualidade terão peso de 30% cada um.

Quando questionei a diretora do programa nos EUA o porquê desta mudança, ela respondeu claramente: “se não começarmos a incluir o custo na análise de desempenho dos prestadores, não teremos mais dinheiro para pagá-los”.

Mesmo que o novo presidente americano queira acabar com o “obamacare”, ele não poderá deixar de levar em conta estes fatos, por mais irreverente que seja.

O racional de modelos de pagamento por performance e de pagamento baseado em valor é o mesmo: uso de incentivos para buscar a melhoria da qualidade ou valor em saúde. Existem diversos modelos que tem aplicabilidade imediata no Brasil, como o pagamento adicional das tabeles atuais por performance, divisão dos resultados com base no desempenho, pagamento por bundles ou por episódios e modelos de capitação ou pagamento baseado em populações. Todos eles com métricas de qualidade.

Para tornar um pouco mais prático este discurso, segue algumas dicas para iniciar esta mudança:

  • Definir as métricas centradas na Qualidade. A proposta é compor indicadores dentro das dimensões de Estrutura, Eficiência, Efetividade e Experiência do Paciente;
  • Definir quem será objeto de avaliação (médicos, rede prestadora, unidades de saúde, equipes, outros);
  • Antes mesmo de começar a pagar por performance, deve estabelecer uma cultura de avaliação e divulgação do desempenho dos prestadores. Isso por si só já gera mudanças interessantes;
  • Se for usar incentivo ele deve ser expressivo e sempre adicional ao ganho que os prestadores já recebem. O modelo deve ser consistente, transparente e com comunicação adequada a todos os envolvidos;
  • Como não há dinheiro novo no mercado, deve ser definido de onde virá o recurso: distribuição de sobras (como no caso de UNIMEDs), divisão da economia alcançada, orçamento pré-definido, outros

A mudança já está acontecendo. Quem tem ouvido que ouça! A ANS está fazendo o papel dela com as RNs do Fator da Qualidade e o QUALISS, por exemplo. O que está faltando é iniciar a mudança dentro de casa, de forma progressiva e estruturante, pois este movimento é uma questão de sobrevivência.

       
Publicidade

Deixe uma resposta