⚠️ 150 Palestrantes e 8 Congressos Ainda não viu os palestrantes nacionais e internacionais do HIS18? Tá esperando o que? PARTICIPE

Big Data para Governos

Publicidade

Desde as nossas primeiras matérias de Big Data para a saúde em 2015 [1-2] antevemos a utilização de big data para Governos. Naquela época pouca “gente” no Brasil acreditava que essa tecnologia fosse prosperar na área de saúde! Registre-se o fato que em 2015 que a hoje famosa tecnologia de Inteligência Artificial (IA) [4] não era ainda uma situação corrente no segmento mundial de saúde.

No final de 2015, por ocasião da famosa epidemia de Zika, conclamamos o Governo brasileiro a seguir o exemplo o CDC americano [2.1] e utilizar a tecnologia de big data no controle da propagação da doença em nosso país [3]. Esforço em vão naquela época e, que persiste ainda hoje. Tudo continua “como dantes no reino de Abrantes” e a saúde brasileira continua “atrasada” na utilização de tecnologias de ponta de IA [4] incluindo “machine learning” [5] … so bad!

Desde essa época presenciamos alguns movimentos de Governos na utilização de dados de saúde pública (a) no cenário de genômica como o caso da Finlândia em 2016 com a Astra Zeneca que pretendiam sequenciar o DNA de 2 milhões de pessoas [6-7] e também temos o caso do Reino Unido em 2017 ensaiando a liberação de dados de saúde para pesquisas [8-9]. O Governo britânico manifestou o interesse em tornar público os dados de saúde de todo o NHS (conceituado sistema de saúde britânico). Essa atitude vai estimular o desenvolvimento de algoritmos de “machine learning” da IA. Esse Governo entende que estará criando um grande valor potencial para o país, utilizando conjuntos de dados de pacientes para desenvolver algoritmos de “aprendizagem de máquina” para diagnóstico e rastreamento médicos. A IA provavelmente será usada amplamente na saúde no mundo e deve ser a ambição do Reino Unido desenvolver e testar sistemas integrados de IA que forneçam dados em tempo real melhores do que o monitoramento humano e a previsão de uma ampla gama de resultados de condições sobre a saúde mental, o câncer e as doenças inflamatórias. O Governo britânico quer ser um “benchmark internacional” nessa área!

Como dissemos anteriormente já tínhamos previsto o fato que a tecnologia de big data iria se propagar na saúde mundial. E, para comprovar essa tendência, ainda nova em Governos, o de Israel deu a “largada” e anunciou no final do mês passado o seu Projeto de Big Data em Saúde no qual vai investir 287,0 MUS$ [10].

Segundo o governo israelense, o país possui registros eletrônicos de saúde de nove milhões de cidadãos de Israel, constituindo, assim, uma enorme base de dados médicos. “Este é um grande trunfo e queremos torná-lo acessível a pesquisadores e desenvolvedores, a fim de alcançar duas coisas: uma é a medicina preditiva e a segunda é a medicina personalizada feita sob medida para cada indivíduo“, disse o primeiro ministro Netanyahu ao seu gabinete.

Uma declaração do gabinete de Netanyahu disse que mecanismos seriam colocados em prática para manter as informações de saúde anônimas, protegendo a privacidade, a segurança das informações e, restringindo o acesso como parte do projeto do governo israelense. Os pacientes poderão recusar o uso das suas informações de saúde para pesquisa.

Os registros de saúde digitais dos pacientes são muito valiosos e a análise preditiva de big data (ou “big data predictive analytics”) – comparando informações fornecidas por um grande número de pacientes – fornece algumas das maiores indicações aos fabricantes de medicamentos do mundo sobre o desempenho dos medicamentos no mundo real. É óbvio que a grandes farmacêuticas (p. ex., AstraZeneca, Pfizer e outras) vão se mobilizar para fazerem parceria com o governo de Israel! Pelo seu lado o Governo israelense estima que a receita para uso dos dados de saúde dos pacientes do país pode gerar uma receita de bilhões de dólares … “money always talks”!.

A aplicação de ferramentas de “machine learning” nos registros de saúde dos pacientes contribuirá fortemente na medicina preditiva permitindo a “antecipação” de doenças antes delas ocorrerem. Aqui temos um bom exemplo na área de diabetes [10.1].

Em um plano mais ambicioso divulgado pelo presidente Emmanuel Macron também no final do mês passado, o Governo francês pretende investir 1,85 BUS$ (muito dinheiro!) em um projeto amplo de IA nas áreas de mobilidade urbana, energia, defesa, finanças, saúde entre outras [11]. O valor que a França vai investir no seu projeto de IA é um dos maiores do mundo e se compara ao investimento que a China está fazendo em IA [12]. Registre-se que a China é o país que mais investe mundialmente na tecnologia de IA.

Emmanuel Macron acredita que um dos focos principais do projeto de IA francês é a área de saúde onde se tem a medicina e o tratamento personalizados e preventivos. Ele acredita que a inovação que a IA traz para os sistemas de saúde pode mudar totalmente as coisas nessa área: com as novas maneiras de tratar as pessoas pode-se evitar várias doenças e, de uma forma geral, reduzir o risco potencial para os pacientes.

Adicionalmente, temos um outro movimento inovador recente com os dados de saúde. Agora é uma iniciativa privada em vem justamente da Apple. Ela anunciou recentemente que está colocando os dados de saúde de pacientes (incluindo exames laboratoriais e vacinas) no seu telefone iPhone e que já está trabalhando com 40 sistemas de saúde e 300 hospitais [13-14]. A ideia da Apple – que vai permitir o “empoderamento” dos pacientes – é revolucionária e trará um grande impacto na medicina. A iniciativa germinou em função da lentidão de vários players de saúde (incluindo órgãos de regulação) em ações efetivas com os dados de saúde. Esse movimento da Apple vai dar muito o que falar durante muito tempo … anote!  

Os movimentos de Israel (principalmente) e da França são precursores governamentais no uso dos registros dos pacientes para estimular práticas de medicina preditiva ou personalizada, bem como, grandes exemplos para outros países que devem trilhar caminhos semelhantes.

Como também vimos nos movimentos acima, os dados digitais de saúde dos pacientes contém informações que podem ser utilizadas para colaborar com a saúde deles através da utilização de algoritmos da IA. Evidente que é mandatório esteja garantida a privacidade e a segurança dos pacientes.

Cada vez mais veremos movimentos de Governos (e de empresas privadas) envolvidas com a manipulação dos dados de saúde através dos algoritmos de IA para gerar valor para os pacientes.

Referências:

[1] Internet das Coisas: Como “Big Data” pode guiar a transformação da Saúde?, Convergência Digital, 06.abr.2015

http://convergenciadigital.uol.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?UserActiveTemplate=site&infoid=39314&sid=15

[2] Por que “big data” é “big” em Saúde?, Saúde Business, 27.jun.2015

http://saudebusiness.com/por-que-big-data-e-big-em-saude/

[2.1] Centers for Disease Control and Prevention (CDC)

https://www.cdc.gov/

[3] Microcefalia: oportunidade de usar big data para rastrear epidemias no Brasil, Convergência Digital, 01.dez.2015

http://convergenciadigital.uol.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?UserActiveTemplate=site&infoid=41265&sid=15

[4] Artificial Intelligence, Wikipedia

https://en.wikipedia.org/wiki/Artificial_intelligence

[5] Machine Learning, Wikipedia

https://en.wikipedia.org/wiki/Machine_learning

[6] AstraZeneca launches integrated genomics approach to transform drug discovery and Development, Astra Zeneca, 22.apr.2016

https://www.astrazeneca.com/media-centre/press-releases/2016/AstraZeneca-launches-integrated-genomics-approach-to-transform-drug-discovery-and-development-22042016.html

[7] AstraZeneca launches project to sequence 2 million genomes, Nature, 22.apr.2016

https://www.nature.com/news/astrazeneca-launches-project-to-sequence-2-million-genomes-1.19797

[8] Building health AIs should be UK ambition, says strategy review, TechCrunch, 31.aug.2017

https://techcrunch.com/2017/08/31/building-health-ais-should-be-uk-ambition-says-strategy-review/

[9] Sir John Bell to unveil industry-led proposals to build UK’s status as world leader in life sciences, UK Government, 30.aug.2017

https://www.gov.uk/government/news/sir-john-bell-to-unveil-industry-led-proposals-to-build-uks-status-as-world-leader-in-life-sciences

[10] Israel to launch Big Data health project, Reuters, 25.mar.2018

https://www.reuters.com/article/us-israel-health/israel-to-launch-big-data-health-project-idUSKBN1H10LW

[10.1] Análise preditiva de complicações em pacientes diabéticos, Saúde Business, 25.sep.2017

http://saudebusiness.com/analise-preditiva-de-complicacoes-em-pacientes-diabeticos-um-estudo-de-caso-real-no-contexto-da-realidade-do-brasil/

[11] Emmanuel Macron talks to Wired about France´s AI Strategy, Wired, 31.mar.2018

https://www.wired.com/story/emmanuel-macron-talks-to-wired-about-frances-ai-strategy/

[12] Mão de obra é o “Calcanhar de Aquiles” da Inteligência Artificial, Convergência Digital, 09.jan.2018

http://convergenciadigital.uol.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?UserActiveTemplate=site&infoid=47020&sid=15

[13] Breaking: Apple Health Records launches out of beta with 39 hospitals, MobiHealth News, 29.mar.2018

http://www.mobihealthnews.com/content/apple-health-records-launches-out-beta-39-health-systems

[14] Apple’s plan to put health records on your phone has huge implications for medicine, CNBC News, 29.mar.2018

https://www.cnbc.com/2018/03/29/apple-health-records-product-expands-to-40-hospitals-implications.html?__source=twitter%7Cmain

       
Publicidade

Deixe uma resposta