Transformando Custos em Valor: o que Médicos e Startups tem a ver?

Publicidade

Na semana passada, eu e a minha sócia no Dr. CUCO tivemos a oportunidade de conhecer um médico fantástico, referência no processo de Co-criação de Saúde, o médico Leonardo Aguiar é cirurgião plástico, discípulo de Ivo Pitanguy, palestrante no TEDx e em 2013 foi um dos 80 profissionais convidados pela NASA para participar do curso de capacitação FutureMed, realizado na Singularity University, no Vale do Silício.

Na reunião iríamos conversar sobre novas tecnologias e tendências no setor da Saúde, mas o que vimos foi uma aula não apenas de tecnologia, mas também da importância do fator humano para transformarmos um cenário de custos elevados e foco nas doenças em um mundo de Saúde que privilegie a prevenção e a vida saudável, ou seja, foco na causa e não no efeito das doenças e problemas de saúde.

Na conversa com o Leonardo, ele nos apresentou o gráfico abaixo, que sintetiza a importância e os benefícios da mitigação proativa de riscos de doenças e os custos que são gerados ao tentarmos tratar as doenças em diferentes estágios.

Nessa imagem vemos o princípio de Pareto funcionando na Saúde, onde 20% da população gera 80% dos custos para o sistema, sendo que essa parcela da população em estado mais avançado de doenças poderiam ser evitados se os esforços do setor se concentrassem no lado esquerdo do gráfico, entregando saúde a população, um investimento que claramente reduziria os custos do lado direito do gráfico e reduziria a “Doença do Custo”, um mal que atinge não só o sistema de Saúde brasileiro, mas também o de diversos outros países pelo mundo e que a cada dia se torna mais insustentável.

É uma mudança de paradigma fundamental no mundo da Saúde, embora essa mudança esteja ocorrendo lentamente, a tendência é que isso se intensifique nos próximos anos. É um choque grande para o setor e que gera muita resistência, porém é necessário e benéfico tanto para os pacientes quanto para os profissionais e empresas de saúde, é a “Uberização da Saúde” que vem por ai!

Mas como chegarmos a esse novo mundo da Saúde? Bem, só a tecnologia não basta, é preciso existir uma mudança de mentalidade nos profissionais de Saúde, a compreensão que esse novo cenário tecnológico que tem sido trazido principalmente por Startups não é um competidor, pois o lado humano do médico na experiência do cuidado ao paciente continuará sempre fundamental. Sendo assim,  a tecnologia deve ser vista como um parceiro do médico no processo de melhoria da saúde de seus pacientes, um agregador de valor ao exercício da medicina e para tanto, deve estar inserida no dia a dia dos médicos.

Do outro lado, as empresas de tecnologia, como as Startups, também precisam mudar para impactar a área de Saúde com mais afinco, pois muitas estão tão focadas no desenvolvimento de hardwares e softwares, que se esquecem de buscar os profissionais de saúde para entender um pouco mais das suas necessidades, interesses e frustrações.

Na Saúde, o sucesso de uma Startup não se define apenas por um produto, mas sim pela capacidade de integrar os diversos atores do setor na busca por um resultado comum, a melhoria da Saúde.

 

 

 

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta