Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Soluções perfeitas: cuidado com o que se lê.

Publicidade

A edição brasileira da Harvard Business Review de abril deste ano traz quatro artigos que falam sobre gestão em saúde, com foco no diagnóstico de causas para seu desempenho ruim dentro do contexto econômico, principalmente dentro dos Estados Unidos. Elenca também alguns caminhos para a solução de problemas dentro da perspectiva da liderança, que pode ser exercida pelo médico, principalmente no ambiente hospitalar.Sem sombra de dúvida essa edição mexeu com aqueles que tratam do tema, pois desde então passou a ser referência obrigatória em congressos de gestão em saúde e outros encontros. A Escola de Administração de Harvard há muito é reconhecida como um laboratório de inovação nas práticas gerenciais, ultimamente com foco também na saúde. Michel Porter e seu “Repensando a Saúde” trouxe à tona um coro de manifestações, a maior parte de concordância quase que irrestrita aos princípios por ele apontados da boa gestão estratégica (sua especialidade) em saúde, assim como às suas inúmeras sugestões de como contornar esse cenário adverso na história dessas organizações. Seguindo essa trilha, outros como Clayton Christensen e colaboradores, com o seu “Inovação na Gestão da Saúde”, também da mesma escola, têm trazido algumas importantes colaborações aos nossos gestores tupininquins. Como prudência e dinheiro no bolso não fazem mal a ninguém, é recomendável um pouco de cautela nessa hora. Apesar de ser sobejamente conhecido de que carecemos de tradição na arte de gerir, tenho observado o quão influenciável é a nossa elite diretiva das organizações de saúde, não só dos hospitais como também dos demais atores corporativos (planos de saúde, consultorias, provedores de serviços) e profissionais em geral. Não posso deixar de me preocupar com alguns aspectos que soam mal “traduzidos” para nosso meio, dentre os quais:        1 – Nossa economia definitivamente não é igual à dos Estados Unidos, inspiradora dos preceitos emanados pela Escola de Harvard;        2 – Nossas crenças e princípios tradicionais de condução dos negócios em geral, e em particular na saúde, ainda não estão alinhados (e talvez nunca estarão) com o caráter estéril e cirúrgico das intervenções reiteradamente sugeridas pelos mentores da boa gestão naquele país. Diferenças éticas, morais, religiosas e de costumes nos impedem de absorver certas recomendações na sua integralidade;        3 – Nosso meio carente de estudos confiáveis, às vezes carente de confiança em estudos bem conduzidos, é fortemente influenciado por concepções externas muitas vezes focadas em exemplos dispersos de sucesso em uma ou outra ação, de uma organização aqui e outra acolá, reunidas “num mesmo saco” para finalmente induzirem à conclusão, uma vez montado esse mosaico, que estamos diante de uma alternativa estratégica viável. A intenção pode não ser essa, mas justifica-se uma assertiva interessante com justificativas enviesadas;       4 – Há um consenso universal a respeito das diferenças históricas e regionais entre as organizações de saúde e o impacto que medidas genéricas podem acarretar nas mesmas. Nossa multiplicidade de modelos é de deixar qualquer teórico, no mínimo, desconfiado quanto a viabilidade de determinadas ações sublinhadas como essenciais ou genéricamente inevitáveis;       5- O médico não é lider de coisa nenhuma no seu negócio. Quando muito, um bom administrador de seu pequeno universo material de finanças bancárias e aquelas relacionadas à gestão de suas faturas de convênios, à administração básica de seus espaços de trabalho, e à condução de sua produção acadêmica, quando tem tempo para isso. Assim sendo, dentro da realidade cotidiana imposta aos profissionais de saúde, principalmente à classe médica, soa como utópico o papel apocalíptico destinado a esse indivíduo na revolução que se espera que aconteça, para o bem de todos e a sustentação do negócio saúde em seu contexto macro-econômico.Como sempre tento ressaltar, as ações no seu micro-ambiente de trabalho cotidiano serão o divisor de águas no sucesso ou fracasso de qualquer organização. Assim, soluções que envolvam grandes mudanças comportamentais e, principalmente, que envolvam riscos à segurança do pequeno e limitado escopo de ação do médico, podem ter absorção muito limitada. E de fato assim o são: inúmeras intervenções têm sido tentadas no fortalecimento da participação do médico na co-gestão de seu negócio, principalmente dentro do ambiente hospitalar, ao longo dos últimos anos em nosso país. Não há evidências científicas, ou melhor, numéricas, de que o impacto correspondeu a um resultado operacional esperado. E se ocorreu, ainda aguarda por uma divulgação adequada. Nem por isso as iniciativas não devem ser tentadas. Sempre deverão ser. Imaginar um cenário sem algumas conquistas atribuídas aos novos preceitos modernos de gestão em saúde é negar uma realidade tangível e bem documentada de conquistas pontuais, conseguidas por algumas organizações de maior representatividade e fôlego financeiro. E mesmo que soem como inadequadas à nossa realidade, o gestor criativo pode adaptá-las para daí tirar o proveito que almeja. Mas atribuir ao médico a responsabilidade e o peso da liderança dentro deste viés de heroísmo, como alguns preconizam, é, no mínimo, uma tremenda inocência.O médico pode e deve ser envolvido na cadeia produtiva da organização de saúde. Sua participação cada vez mais eficiente é um processo de amadurecimento que terá um teto, que por sua vez irá variar em tamanho de acordo com uma série de fatores. Mas a construção dessa participação é o elemento catalisador da formação do bom parceiro, não do herói ou líder fantástico. Estamos falando da Gestão do Corpo Clínico, mais uma vez.Sem receio de ser repetitivo, penso que as organizações de saúde devem conhecer melhor seus profisionais, principalmente seus médicos, e acompanhar de perto seu desempenho para daí traçarem de comum acordo estratégias de colaboração mútua baseadas no estabelecimento de compromissos e metas escalonadas, mas nunca atribuindo a estes um papel de “liderança”, como se fosse uma virtude enrustida pronta a despontar a qualquer momento. O médico quer ser tutelado, ele quer uma parceria com resultados imediatos e objetivos, e não um discurso edificante de metas a médio ou longo prazo. E quem deve cumprir esse papel de aproximação são os gestores, a quem cabe a missão de, sem estrelismo, construir um mapa de ações e um roteiro de iniciativas exequíveis capazes de mobilizar toda a organização numa mesma direção tendo como palavra de ordem a construção compartilhada de responsabilidades.  

 

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta