Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Santa Casa e a Gestão de Contratos

Publicidade

Vou me permitir mais um post sobre a Santa Casa de São Paulo, agora que
a situação vai ficando cada vez mais clara e dramática.

Acho que todos devem ter visto a declaração de que a partir da
declaração de um funcionário sobre o preço exorbitante que a Santa Casa pagava
para um fornecedor de medicamento, uma auditoria identificou esquema de fraude
em contratos.

A agonia de uma instituição tão importante para o sistema de saúde, que
estamos há alguns meses alertando ser a ‘ponta do iceberg’, vai tomando o rumo
de casos como o do Hospital Humberto Primo, Maternidade São Paulo e outras,
infelizmente.

Auditoria, ‘endurecimento’ nos repasses e investigação é algo mais do
que necessário. Mas é importante insistir que estes remédios vão ‘curar o
sintoma’, mas se nada mais for feito, a ‘doença’ vai prevalecer.

A Santa Casa não está agonizando por incapacidade técnica, falta de
empenho de funcionários, desmotivação do corpo assistencial … nada disso –
está agonizando por falta de gestão adequada.

Esta afirmação pode ser mal interpretada como sendo um ataque aos
administradores, ao corpo gerencial, mas quem está no segmento sabe que não é
disso que estamos falando.

Conforme já comentamos em outros posts, a Santa Casa não se reposicionou
no mercado. Continua sendo uma instituição que existe para tratar de doentes de
forma benemerente, e mesmo sendo uma instituição privada, vive essencialmente
de verbas públicas – uma gestão pública em uma instituição privada – esta conta
não fecha !

O que temos insistido em pedir para as instâncias de governo envolvidas
é que além de dar dinheiro e auditar, é necessário ajudar a Santa Casa a se
auto sustentar, como fazem os grandes hospitais públicos que administram sua
porta 2 de forma eficiente, tornando esta pequena participação na saúde
suplementar, gerida de forma adequada, a garantia da sua existência com menor
influência do setor público na sua gestão.

O governo não deve somente ‘dar o peixe’, mas deve ‘ensinar a pescar’,
porque a Santa Casa não vai aprender a fazer isso sozinha. Se a Santa Casa não
admite que necessita de apoio para se reposicionar no mercado e melhorar sua
gestão, e se o governo não ajudar nisso, vamos continuar assistindo:

  • As 3 instâncias de governo politicamente se aparelhando para justificar
    que dão mais dinheiro do que ela necessita (e com razão);
  • A dívida da Santa Casa crescendo, e geometricamente;
  • Greves de funcionários e falta de insumos por falta de pagamento aos
    fornecedores.

Para começar é necessário quebrar o esquema atual de atendimento em
porta 2 da Santa Casa, que não é igual ao adotado pelos hospitais públicos de
excelência e se mostra, ao invés de uma ferramenta de apoio do complexo, um
problema de gestão que não se consegue equacionar. Não é problema complexo no
âmbito técnico ou administrativo – na verdade é um grande problema político que
a Santa Casa sozinha jamais conseguirá resolver. Por isso a necessidade do
governo, nas 3 instâncias, ajudar !

É necessário tornar a Santa Casa sustentável tanto no que se refere à
sua atuação no SUS, quanto reformar sua forma de atuação na Saúde Suplementar.
Apostaria meu ‘último dólar’ que se a auditoria mudasse seu rumo de
investigação, descobriria que um eventual rombo por ‘perda de receita’ é
infinitamente maior do que o rombo por fraude em contratos com fornecedores. A
capacidade que o Complexo Santa Casa tem para gerar receita é muito grande, e
se a gestão comercial for bem feita o impacto da má gestão dos fornecedores
seria imensamente menor do que é – do que estamos vendo.

E é necessário implantar um modelo de gestão de contratos eficiente.
Comentei em posts recentes o quanto a gestão de contratos tem evoluído, mesmo
em fundações. E quando falamos em gestão de contratos, nunca falamos da
tradicional, onde uma controladoria fica apenas verificando se a vigência do
contrato expirou, ou apenas se o fornecedor apresentou a CND da Previdência
Social para poder receber seu pagamento.

Falamos da gestão de contratos referenciada em CLM (americano) ou GCVC,
ou seja, do sucesso do negócio através da gestão eficiente dos contratos – com
um modelo eficiente para gestão do ciclo de vida dos contratos não é necessário
contratar uma auditoria externa para saber que está pagando valor exorbitante
por um medicamento – os processos de gestão naturalmente dão transparência a isso.

Só como comparação, sem citar nomes, estamos vendo uma grande empresa
governamental fora do segmento da saúde sofrendo com escândalos em contratos
porque desenvolveu uma fórmula própria para fazer isso – não adotou um modelo. Outras
empresas governamentais que adotaram um modelo não estão na mesma situação.
Duas delas em que participamos da implantação do CLM-GCVC teriam tudo para
estar em pior situação que ela … e não estão … e a chance de estarem é
mínima !

Os governos gastariam muito menos ajudando a Santa Casa a se estruturar
para a gestão dos contratos de agora em diante, do que tudo que poderia receber
de reembolso investigando fraudes. Identificar fraudadores é importante, mas
aumentar a segurança para que as fraudes sejam minimizadas a partir de agora é
muito mais. ‘Estancar o sangramento’ é muito mais importante do que repor o que
foi perdido, e a Santa Casa já deu mostras de que não sabe, ou não pode, fazer
isso sozinha.

Vou continuar torcendo para que esta fase de auditoria, acusações
mútuas, embates políticos entre as instâncias de governo e os inquéritos
investigativos não excluam um esforço paralelo para melhorar a gestão da Santa
Casa.

Vamos curar a doença sem matar o doente ?

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta