Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Qual é um sonho profissional de um médico?

Publicidade

Não sou médica, mas como advogada gosto sempre de me colocar no lugar do outro, tentar entender suas razões e aspirações. Creio que esse exercício não deve ser praticado só pelos profissionais da minha categoria, mas também por muita gente que se preocupa com o outro e quer ajudá-lo.

No meu pensamento mais primitivo, imagino que alguém que  escolheu a medicina como carreira é aquele que gosta da vida e quer lutar por ela, curando seus doentes. Numa outra instância mais sofisticada do pensamento, apuro que médico é um ser como qualquer outro, quer ter uma vida digna antes de mais nada, estar de bem com ela para cuidar bem dos doentes, realizar bem sua tarefa.

E o que é estar de bem com ela, do ponto de vista profissional? Ter um bom trabalho, um consultório legal, uma farta clientela? Talvez sim, mas como fazer isso quando você acabou de ser formar, não tem o capital pra montar um consultório bacana e tem de trabalhar em três lugares diferentes, varando noites em plantões para sobreviver?

A maior parte dos médicos recém-formados ingressa numa operadora de saúde ou cooperativa médica para poder dar início à vida profissional. Ao fazer isso, ele já terá estampado no livreto ou no site da empresa o seu nome, o que lhe renderá muitos pacientes, dependendo de sua atuação.

Já vai longe o tempo em que médicos renomados montavam consultórios para seus filhos que se tornariam igualmente renomados e já tinham clientela indicada pelo pai. Eles existem, são poucos e cobram no mínimo R$ 500,00 a consulta, mas a grande maioria dos profissionais é refém de operadoras de saúde. Por esta razão assistimos a várias paralisações e protestos nas últimas semanas, em que 18 Estados brasileiros pararam de atender planos de saúde, reivindicando melhor remuneração, clareza nos critérios de reajuste estabelecido em contrato e o fim da interferência na relação médico-paciente.

O Conselho Federal de Medicina, CFM, afirma que a suspensão do atendimento não afetará os serviços de  urgência e emergência. Em dois anos, essa é a quarta vez que os médicos anunciam a paralisação.

Matéria publicada no UOL (com Agência Brasil e Folha.com) diz que de acordo com o vice-presidente do CFM as receitas dos planos de saúde no Brasil crescem, em média, 14% ao ano, mas o reajuste não chega até aos médicos. Segundo ele, o valor pago por consulta realizada já chegou a representar 40% dos gastos pelas operadoras, mas atualmente fica entre 14% e 18%.

Dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) indicam que, entre 2003 e 2011, a receita das operadoras cresceu 192%, enquanto o valor médio pago por consulta aumentou 65%. Cálculos da própria categoria, entretanto, indicam que o reajuste foi de 50%.

Diante desses fatos, como acabar com a distância tão grande entre mundos (um que ganha 500 e outro não não ganha nem 50 por consulta), novamente vem a pergunta: qual o sonho de um médico? Acho que a resposta é, antes de tudo,?respeito?,  que todos merecem, especialmente aqueles que cuidam de vidas. Os que estipulam regras aviltantes e  injustas não estão imunes de adoecer um dia, quando saberão o valor de um médico que , com dignidade e remuneração adequada, poderá tratar dele com mais atenção e cuidado.

Feliz Dia do Médico!

Renata Vilhena Silva

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta