Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Pare quando encontrar um problema

Publicidade

Infelizmente, somos ensinados a esconder problemas. Problemas têm conotação negativa, não devem ser explicitados, mostrados, discutidos. Diante de um erro, por exemplo, na maior parte das vezes, reagimos buscando culpados, ?quem foi??, ao invés de tentarmos entender ?por que errou??. Investigar as causas dos problemas (e atuar sobre elas) é, na maior parte das vezes, mais difícil do que encontrar os “culpados” e punir. Mas essa mudança de foco, se empreendida gradualmente, pode transformar drasticamente o ambiente de trabalho, proporcionando enormes oportunidades de aprendizado e criando espaço para melhoria da performance.

Uma das diferenças fundamentais da maneira lean de gerenciar está precisamente relacionada a essa questão. Sob a ótica lean, problemas devem ser expostos, anotados, investigados, discutidos, resolvidos.  Se escondemos problemas, assumimos, ao menos em parte, a responsabilidade por suas consequências. Portanto, diante de qualquer suspeita de que as coisas não estejam de acordo com os padrões definidos, a orientação é para que se interrompam os processo e se notifiquem os problemas.

Dessa maneira, evita-se o risco associado ao problema em si, mas também os potenciais desdobramentos indesejáveis de alguém despreparado tentando resolver o problemas ?por conta própria?, o que pode ser ainda mais grave. Quando incentivamos as pessoas a identificarem e a notificarem problemas, estamos criando um ambiente de aprendizado, em que começa haver a possibilidade de se discutir soluções e inovações com maior envolvimento das pessoas que executam o trabalho no dia-a-dia.

Três fatores são determinantes para mudarmos a forma como lidamos com os problemas. O primeiro deles tem a ver com o papel da liderança: precisa haver abertura e maturidade suficientes por parte dos gestores para que seus subordinados sintam-se confortáveis em expor problemas e discuti-los conjuntamente. O segundo fator diz respeito à necessidade de haver bons padrões operacionais, que sirvam como referência do que é ?normal/correto?, em contraposição ao que é ?anormal/errado?, para que as pessoas possam facilmente identificar o que foge do esperado, de preferência de maneira visual. O terceiro fator tem a ver com a qualidade do treinamento oferecido enquanto se prepararam as pessoas para suas respectivas funções.

Se houver clima organizacional propício, bons padrões operacionais e treinamento adequado, estão criadas as condições para que o processo de aprendizagem comece a gerar frutos. Problemas podem ser grandes oportunidades, desde que estejamos preparados para reagir diante deles. Não ter problemas pode ser um grande problema: talvez simplesmente não os estejamos enxergando…

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta