Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

O uso dos recursos disponíveis

Publicidade

O diagnóstico laboratorial tido
como ideal é aquele quando o exame correto é utilizado para o paciente certo no
momento adequado. Temos acompanhado nos últimos anos o crescimento na
utilização dos serviços disponíveis devido a fatores clínicos, como o maior uso
da medicina preventiva; fatores tecnológicos, pois muitas vezes temos novas
tecnologias não substitutivas; questões mercadológicas, associadas à oferta de
serviços e, ainda, a pressão dos pacientes, pelo maior conhecimento e o famoso
“Dr. Google” e as algumas longas prescrições.

Sabemos que este é um ciclo não
virtuoso e que contribuiu e contribui para a pressão de preços existente no
setor privado, como ferramenta de sustentação e alimentado pelo modelo de
remuneração. Basta compararmos as taxas de crescimento de volume de exames
(dados públicos de empresas listadas ou de associações das indústrias
demonstram variação de 8% a 12%) com os baixos índices de reajuste ou inflação
destes serviços (dados do IESS de cerca de 3,5%), onde vemos mais utilização
aos mesmos valores, sem reajustes ou adequações de valor.

Muito se discute sobre a
utilização ideal dos recursos laboratoriais, levando-se em conta o uso
inapropriado (o exame errado para o paciente errado no momento errado ou também
a ausência do exame correto), o uso excessivo (mais testes que o necessário), o
uso obsoleto (ainda há muitas metodologias e exames obsoletos disponíveis no
rol de procedimentos) e também, como contraponto, a sub-utilização, seja esta
pela ausência de acesso (exames não disponíveis) por não estarem no rol de
procedimentos, baixo P&D local (pressão de fornecimento com maior foco
comercial) ou por desconhecimento técnico.

Há, realmente, uma necessidade
imediata de análise e estudos dos dados disponíveis sobre a utilização, para termos
um diagnóstico preciso do tamanho dos recursos disponíveis, das reais necessidades
destes recursos e de qual é o valor agregado que estes devem possuir, para
continuarem com sua evolução tecnológica e com um padrão necessário de qualidade.

Destaco duas, de várias,
importantes ferramentas que podem atuar diretamente sobre o problema: a educação
e as evidências. No primeiro, surpreende de forma negativa a pequena, quando
existente, carga horária disponível nas faculdades para a disciplina de
medicina laboratorial frente ao grande impacto que esta possui nas decisões
clínicas. Para a segunda ferramenta, a necessidade de definição e,
principalmente, a utilização das evidências diagnósticas em protocolos e
diretrizes, com apoio de especialistas de áreas clínicas, de economia em saúde
e laboratorial.

Transformando os dados em
informação, gerando o conhecimento com a educação e definindo as necessidades
com as evidências, possivelmente seguiremos para um setor com mais saúde.

 

 

 

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta