Semana da Saúde 2017 Semana da Saúde: discuta os principais assuntos de Tecnologia da Informação em 10 Webinars. Reserve seu lugar! Clique aqui

O corujão da saúde é oportunidade para discutir sobre logística de serviços

Publicidade

A prefeitura da cidade de São Paulo lançou no inicio deste ano o programa “Corujão da Saúde”, em parceria mais com quarenta hospitais públicos, filantrópicos e privados, com a meta de zerar a fila de 485,3 mil exames médicos em um prazo de 90 dias. Explicado como uma ação emergencial, a proposta é louvável para o atendimento da população em suas necessidades mais importantes. Porém, é preciso olhar para os desdobramentos inerentes a esta ação, ou seja, a necessidade de seguimento com atendimentos, tratamentos e medicamentos especiais a partir dos diagnósticos encontrados no plantão do Corujão, em que a gestão requer parcerias mais efetivas para a perfeita logística de todos os processos envolvidos no longo prazo.

Com a redução de 141 mil exames que estavam na fila de atendimento, agora é preciso entender como será o fluxo para o direcionamento dos pacientes para as unidades de atendimento público com estes resultados e o direcionamento posterior para consultas de especialidades, inclusive as de alta complexidade, bem como a distribuição de insumos e medicamentos a partir dos primeiros achados no Corujão. São medidas que merecem estratégias de seguimento eficiente e definitivo para que tenha sentido todo o processo emergencial realizado.

No que tange ao suprimento de medicamentos, a Prefeitura também anunciou recentemente o programa “Remédio rápido”, que conta com a parceria de laboratórios farmacêuticos para a doação de medicamentos e redes de farmácia para a distribuição dos mesmos, mas que ainda mostra gargalos. É outra medida emergencial e que necessita ser bem estruturada com automação, capacitação de pessoas, gestão de compras, estoque e fornecimento customizado, e rastreabilidade para evitar desperdícios.

Não são medidas fáceis, todos nós sabemos, mas viáveis de serem realizadas, a exemplo do que já temos visto em alguns municípios e Estados pelo Brasil. Nos mais de 30 anos de atuação nessa área, posso afirmar que com empenho, seriedade e investimentos corretos, é possível. Para todos os gestores públicos e privados da saúde, fica sempre a nossa torcida.

Para quem tem interesse em conhecer um pouco mais sobre o bastidor da logística de medicamentos e insumos médicos, segue um vídeo ilustrativo: https://www.youtube.com/watch?v=QAxO5TqJj3c

Domingos Fonseca, Presidente da UniHealth Logística Hospitalar

 

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta