Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

O cérebro ético na Medicina (o eu ético – o outro não)

Publicidade

Estudos em neurociência e psicologia sugerem que toda pessoa pode ser um pouco mais influenciável do que costuma pensar que seja. E não é surpreendente que médicos pensem que conflitos de interesses não os afetam pessoalmente, apenas aos outros.

Na avaliação de autores de diretrizes clínicas citada previamente (Choudhry et al., 2002), quando perguntaram se existia a possibilidade do relacionamento afetar recomendações, apenas 7% disse que sim – considerando suas próprias recomendações – mas praticamente 1/5 respondeu que o colega poderia ser influenciado. Vários são os trabalhos onde este resultado se repete. Reforça o paradoxo atual da
civilização ocidental: cada um de nós, individualmente ou em grupos organizados, tem a crença de estar muito acima de tudo que aí está.

Ninguém aceita, ninguém aguenta mais, nenhum de nós pactua com o mar de lama. O problema é que, ao mesmo tempo, o resultado de todos nós juntos é precisamente tudo o que aí está, estamos muito aquém da somatória das nossas auto-imagens individuais ou corporativas (Blum, 1994; Sandel, 2005; Wojciszke, 2005; Bocian e Wojciszke, 2014).

Se é compreensível que a maioria de nós veja a si mesmo como pessoa ética que sob hipótese alguma colocaria sua objetividade a venda, isso atrapalha, e muito, a busca por soluções.

Possíveis
soluções e considerações finais

Em diversos espaços onde atuamos discutindo o tema, costumamos sugerir, genericamente:

1. Se existe uma fórmula para reconhecer antecipadamente indivíduos não éticos, para dividir pessoas em “do bem” e “do mal”, a desconhecemos. Então nada mais lógico do que considerar soluções que independam disto, mesmo que possam trazer entraves para quem anda na linha.

2. Descriminalização do debate

Outra cultura é necessária, onde conheçamos e reconheçamos efetivamente como se dão as relações entre médicos e a indústria farmacêutica e de tecnologias, seja enquanto pessoas físicas ou através de suas entidades ou empresas. A evidência empírica demonstra que são absolutamente raros os casos onde, ao se encontrarem, médicos e representantes da indústria olham um para o outro e dizem: “é eu e você, e dane-se o paciente”. No varejo, estes contatos costumam ocorrer entre profissionais dedicados, e, principalmente, com médicos bem intencionados acreditando estar fazendo boas coisas, ou, pelo menos, não prejudicando terceiros da maneira perversa como se costuma apresentar o problema, seja na mídia leiga, seja pelas próprias entidades médicas.

Quem já vivenciou o cotidiano das entidades médicas, fazendo congressos, muito possivelmente também já se deparou com a dúvida: “estão pedindo isto, é?!” (se referindo a patrocinadores). “Não será por uma palestra que comprometeremos o todo, não é?”. Quem não ficaria em dúvida?? A cadeia de causalidade que vai do patrocínio à prescrição é longa, complexa, difícil de delinear e compreender e, se jogada no terreno da moralidade, geradora de barreiras cognitivas que tornam os profissionais impermeáveis ao debate.

3. Foco no problema

Outro desafio é procurar separar estas questões de outras que, muito comumente, vêm em seu bojo: pautas ideológicas ou políticas, por exemplo. Tem sido frequente a instrumentalização desse debate por ativismos de todo tipo (anti-capitalismo, anti-medicina, anti-medicações, anti-psiquiatria, e suas contrapartes), produzindo um cenário falsamente moralizado, artificialmente polarizado e, consequentemente confuso, que inviabiliza a construção de um espaço de “ética possível”, como se houvesse uma condição ideal a priori, um fundamentalismo[1] do qual não se pode abrir mão.

4. Menos críticas e mais hipóteses, em busca por soluções.

5. Mais ciência e menos “achismo”: testar, avaliar, rediscutir, modificar.

6. Mudança de cultura em todos os níveis

A regulação tem que começar por quem tem mais poder e transbordar para o dia-a-dia do médico mais comum. Quase todas as iniciativas até hoje pensadas em nosso meio insinuaram regular apenas o profissional da “ponta”, deixando de fora quem toma decisões maiores e, consequentemente, as associações médicas.

Sugere-se com essas medidas que, entre outras coisas, quem ocupa cargos de liderança teria automaticamente maior capacidade de gerenciar conflitos de interesse, o que não é necessariamente verdade, pelo contrário. Supervaloriza-se o efeito da bugiganga recebida pessoalmente do laboratório, em detrimento dos grandes financiamentos “institucionais”.

7. É preciso reformularmos ontem o modelo de remuneração na Saúde, distanciando-se do fee for service.

Em suma, precisamos dar a esse debate a dimensão que ele merece e aportar a ele aquilo que a medicina tem de melhor: sua ciência e sua ética. Esse é o desafio.

Referências de todos os cinco textos podem ser encontradas aqui.

Textos de Guilherme Barcellos, Sami El Jundi e Luis Claudio Correia. 


[1] De acordo com Houaiss (2009),
fundamentalismo é “qualquer corrente, movimento ou atitude, de cunho conservador
e integrista, que enfatiza a obediência rigorosa e literal a um conjunto de
princípios básicos; integrismo”.

Posts anteriores…

Conflitos entre a prática médica e o interesse das indústrias – Parte I/V

Conflitos entre a prática médica e o interesse das indústrias – Parte II/V

Desdobramentos da relação medicina / indústria na produção inicial do conhecimento científico – Parte III/V

Desdobramentos da relação medicina / indústria no campo da educação médica – Parte IV/V

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta