Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Novo modelo de negócio promove visão positiva do envelhecimento

Publicidade

Muita gente aproveita este período, que vai de janeiro até o Carnaval, para colocar a leitura em dia.

Costumo dizer que essa “maratona”  –  mantenho um cardápio bem variado de autores, assuntos e gêneros para me fazer companhia nesse longo tempo livre -, tem o efeito semelhante ao de uma “recarga” de vitaminas. Melhor dizendo, é uma dose extra de inspiração que ninguém deveria dispensar, especialmente nesses tempos de crise. E não precisa de muitos, basta um bom livro para “resetar” os horizontes. 

Por isso compartilho, agora, a dica de um livro, em formato digital, “How to Age Positively – A Handbook for Personal Change in Later Life” (Positive Ageing Associates, disponível na Amazon), escrito por Guy Robertson para, em seguida, mostrar um novo modelo de negócio baseado na visão positiva do envelhecimento que pode ser desenvolvido em shopping centers.

Inspiração para todos
Recomendo a leitura de “How to Age Positively”” não só para quem deseja viver mais e melhor após os 50. Essa obra pode subsidiar médicos e profissionais da saúde e também trazer insigths para quem deseja empreender no campo do envelhecimento saudável, mesmo o autor não tendo esse objetivo, vou logo avisando.

Mas um empreendedor de São Paulo está colocando em prática a essência desse trabalho, de forma intuitiva, pois ele não teve essa obra como referência.

Você também pensa assim?
Primeiro, vamos fazer uma brevíssima apresentação  do autor Guy Robertson, que tem uma longa carreira na pesquisa e planejamento de serviços de saúde e assistência social para idosos.

Esse britânico tem liderado iniciativas inovadoras, sempre chamando a atenção para algo que pode parecer óbvio à primeira vista, mas continua sendo uma barreira não ultrapassada na maioria das culturas: o estereótipo – deprimente – em torno da velhice.

Foco na psicologia do envelhecimento
O século 21 tem sido chamado de “era da sociedade do conhecimento”, mas, paradoxalmente, nesses nossos novos tempos o imaginário coletivo continua dominado pela visão negativa dos idosos, associando o avanço da idade a uma espiral descendente, e muito temida, de declínio irrefreável das capacidades físicas e mentais do ser humano somado ao isolamento social, depressão e lenta  decrepitude.

Na contramão desse pensamento, Guy Robertson em seu livro  “How to Age Positively” oferece um manual que se concentra nos aspectos puramente psicológicos e emocionais do envelhecimento, e não como é comum em trabalhos do gênero, que dão muita ênfase à saúde física.

O objetivo de Robertson é melhorar as chances das pessoas maduras experimentarem alegria e realização genuínas na velhice, mesmo tendo de conviver com doenças crônicas ou graves como o câncer.

Nova perspectiva
Segundo Robertson, o primeiro passo é identificar as crenças negativas que cada um traz dentro de si sobre o envelhecimento.

Em seguida, o leitor é convidado a aplicar técnicas de revisão de vida, atenção plena no presente e gratidão para criar interiormente pensamentos e perspectivas mais otimistas sobre seu próprio envelhecimento.

Vale lembrar que todo o método de Robertson está baseado em evidências obtidas em pesquisa acadêmica.

Longevidade no shopping center, sim!
O empreendedor Paulo Sérgio Carneiro tem estado à frente de iniciativas inovadoras. Seu forte é conceber eventos sobre temas de ponta, a exemplo do mercado de luxo, social marketing e, é claro, envelhecimento.

Carneiro capturou uma oportunidade muito interessante.

Shopping centers são locais frequentados por gente de todas as faixas etárias, numerosos são os adultos na meia-idade e mais maduros circulando sozinhos ou acompanhados pelos corredores de lojas e praças de alimentação.

Se estão ali para fazer compras ou simplesmente se distrair, por que não atrair esses consumidores para eventos, ali mesmo dentro do centro de compras, em um ambiente tão agradável quanto as lojas de suas marcas favoritas, proporcionando a essas pessoas a experiência positiva – e propositiva – sobre o próprio envelhecimento, com  acesso a apresentações de fácil entendimento, com tempo para tirar as dúvidas e até fazer novos amigos?

Palestras com degustação
Um dos mais sofisticados centros de compras da capital paulista, o Shopping JK Iguatemi, foi o palco do primeiro evento Anti Aging, composto de sete palestras que se estenderam por toda uma tarde com especialistas de renome em diversas áreas, que, além de exposições objetivas, davam muito espaço para a plateia fazer perguntas. O custo do ingresso foi de R$ 159.

Nos intervalos, todos participavam da degustação de comidas e bebidas saudáveis, além de conhecer produtos para beleza e cuidados pessoais.

Temas atuais
A palestra de abertura, “Genética não é Destino”, ministrada pela endocrinologista Vânia Assaly, levou ao público muita informação relevante, sem perder a leveza.

O especialista em marketing digital, Estevão Rizzo, manteve o tom coloquial para falar sobre como pessoas maduras, muitas ainda com pouca intimidade com as novas tecnologias, podem tirar proveito dos aplicativos e wearables voltados para a qualidade de vida.

O chef Renato Caleffi apresentou a gastronomia orgânica e funcional, forte aliada para uma vida longa e saudável. Algumas de suas receitas puderam ser saboreadas  pelos presentes.

Uma grande sacada
O que interessa registrar aqui é que essa ideia do empreendedor Paulo Ségio Carneiro é uma grande sacada.

Não há local mais interessante que o ambiente de um centro de compras,  por onde circula muita gente todos os dias, para falar de uma forma positiva e prática sobre como melhorar e valorizar a experiência de ter pela frente uma expectativa de vida longa – que alguns preferem denominar apenas como velhice, terceira idade, “gerontolescência”, “feliz idade”, enfim, chame como você quiser essa “nova” e irreversível realidade.

O fato é que esse modelo de negócio em um país como o  Brasil, que envelhece a passos rápidos, pode funcionar amplamente.

Estrutura para isso não falta. Existem mais de 500 shopping centers do Oiapoque ao Chui e o interesse dos brasileiros 50+ por um estilo de vida mais saudável só tem aumentado, como indicam várias pesquisas.

Agora que 2016, de fato, começou aqui no Brasil, abre-se essa nova fronteira para quem pensa em empreender de uma forma inovadora e, de quebra, dando uma mãozinha para tirar de cena aquelas ideias ultrapassadas sobre a velhice.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta