Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Zilda Arns: Exemplo de empreendedorismo em saúde !!!

Publicidade

Caros,

Sem dúvida alguma, 2010 foi um excelente ano para muitos empreendedores em saúde. Contudo, ao realizarmos uma retrospectiva não podemos deixar de realizar uma justa homenagem e de aprender com o exemplo da médica Zilda Arns.

A MÉDICA        

Formada em medicina pela UFPR, especializou-se em pediatria e saúde pública visando  reduzir nas crianças a  mortalidade infantil, a desnutrição e  violência.

Foi médica do Hospital de Crianças César Pernetta, em Curitiba, e em 1980 foi convidada pelo Governo do Estado do Paraná a coordenar a primeira campanha de vacinação Sabin, para combater a epidemia de poliomielite. No mesmo ano, foi convidada a dirigir o Departamento Materno-Infantil da Secretaria da Saúde, quando instituiu com sucesso os programas de planejamento familiar, prevenção do cancer ginecológico, saúde escolar e aleitamento materno.

Reconhecida como “Heroína Mundial da Saúde Pública” em 2002 pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), entidade da Organização Mundial da Saúde (OMS), a doutora Zilda morreu no Haiti trabalhando para expandir as conquistas atingidas no Brasil. Espontaneamente, buscava multiplicar bons exemplos. Foi quatro vezes indicada para o Prêmio Nobel da Paz.

“Ela era incansável, montou um dos maiores trabalhos comunitários do mundo em saúde pública e buscava extrapolar as fronteiras do Brasil”, diz a analista de países da Opas, a brasileira Lucimar Coser Cannon. Viajei com a doutora Zilda para conhecer os projetos da Pastoral no Amazonas e voltei surpreendida com sua atenção às pessoas, sua tenacidade para conseguir recursos e mobilizar pessoas. Ela era eminentemente uma educadora em saúde e falava a língua das comunidades.”

Depoimento de Zilda Arns:

O COMEÇO DA PASTORAL

Em 1983, a pedido da CNBB, criou a Pastoral da Criança juntamente com  o presidente da CNBB, dom Geraldo Majella, Cardeal Agnelo, arcebispo de Salvador e Primaz do Brasil, que à epóca era arcebispo de Londrina. No mesmo ano, deu início à experiência a partir de um projeto piloto em Florestópolis. Os resultados começaram a aparecer e a instituição espalhou-se pelo Brasil. Hoje chega a outros 20 países.

A informação era a principal arma usada por Zilda para salvar crianças e mães na Pastoral da Criança.

De acordo com o padre Júlio Lancelotti, a pastoral da criança foi  fruto da dedicação, obstinação e apuro técnico de Zilda Arns e, em especial, de uma enorme capacidade de comunicação com a população de baixa renda. O êito da campanha do soro caseiro, por exemplo, foi a soma da formação técnica e da capacidade de articulação da médica catarinense. A campanha se disseminou para todas as dioceses e hoje o soro é um hábito incorporado no tratamento de crianças com desidratação.

Em São Paulo, o padre Júlio Lancelotti foi escolhido por dom Paulo Evaristo Arns, arcebispo de São Paulo, para ajudar Zilda Arns a implantar a Pastoral da Criança no Estado. Ela chegou num fim de semana, dia em que Lancelotti rezaria uma missa na Favela Sinhá, na Zona Leste da capital. “Ela ficou ao meu lado no altar e, com os olhos atentos e fixos, tentava assimilar detalhes de cada grupo.” Quando foram andar pela favela, padre Júlio reparou que Zilda absorvia, nas conversas, a linguagem do grupo, e assim se fazia entender na comunidade. Foi a doutora Zilda, conta o padre, que ensinou a ele o que sabe sobre aleitamento materno. São coisas que todo mundo sabe, ou coisas que, não fosse por Zilda, as comunidades pobres não saberiam – e sem essas informações valorizariam menos o ato de dar de mamar a uma criança.  Zilda  definiu, na linguagem popular, o tanto que o leite materno é importante, ao explicar que leite de mãe é vivo, e leite de mamadeira é morto.

Vídeo sobre a Pastoral da Criança com Zilda Arns:


IMPACTOS DA PASTORAL              

Após vinte e cinco anos,  a pastoral acompanhou 1816261 crianças menores de seis anos e 1407743 de famílias pobres em 406 municípios brasileiros. Neste período, mais de 261962 voluntários levaram solidariedade e conhecimento sobre saúde, nutrição, educação e cidadania para as cidades mais pobres, criando condições para que elas se tornem protagonistas de sua própria transformação social.

Nas comunidades onde a instituição atua, a taxa de mortalidade para os menores de um ano de idade é de 11 para cada mil bebês nascidos vivos, enquanto a média nacional é de 19,3.

FILOSOFIA DA PASTORAL

“Não é assistencialista, mas de promoção humana, de fortalecimento das famílias, disse a médica sobre o trabalho, ao Valor, em 2006, quando buscava parceiros privados para os projetos. O corpo a corpo nas áreas carentes é feito por 260 mil voluntários treinados para transferir conhecimentos de saúde e alimentação.

INVESTIMENTOS

O modo comunitário, preventivo e de uso da solidariedade barateia os custos. Em 2009, o gasto mensal por cada criança atendida foi de R$ 1,69.O balanço da Pastoral da Criança mostra que, no ano fiscal encerrado em setembro de 2009, as receitas brutas somaram R$ 44,35 milhões e foram 20,8% maiores que no exercício anterior, mesmo com a crise econômica. Foram R$ 9 milhões provenientes de doações, o que representa queda de 23,3% em relação a 2008. No caso de entidades públicas, os recursos aumentaram 42% e chegaram a R$ 34,6 milhões.

A Dra. Zilda Arns tinha uma enorme capacidade organizativa – e deve-se a ela o grande crescimento da Pastoral da Criança. Foi um projeto que atraiu recursos de diferentes governos porque funciona com custos baixíssimos, e bem. Foi por essas qualidades que o programa foi adotado em outros países.

FRASES DE ZILDA ARNS

Sabemos que a força propulsora da transformação social está na prática do maior de todos os mandamentos da Lei de Deus: o Amor, expressado na solidariedade fraterna, capaz de mover montanhas.”Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos” significa trabalhar pela inclusão social, fruto da Justiça; significa não ter preconceitos, aplicar nossos melhores talentos em favor da vida plena, prioritariamente daqueles que mais necessitam. Somar esforços para alcançar os objetivos, servir com humildade e misericórdia, sem perder a própria identidade.

Cremos que esta transformação social exige um investimento máximo de esforços para o desenvolvimento integral das crianças. Este desenvolvimento começa quando a criança se encontra ainda no ventre sagrado da sua mãe. As crianças, quando estão bem cuidadas, são sementes de paz e esperança. Não existe ser humano mais perfeito, mais justo, mais solidário e sem preconceitos que as crianças.

Como os pássaros, que cuidam de seus filhos ao fazer um ninho no alto das árvores e nas montanhas, longe de predadores, ameaças e perigos, e mais perto de Deus, devemos cuidar de nossos filhos como um bem sagrado, promover o respeito a seus direitos e protegê-los.”

Trecho do ultimo discurso de Zilda Arns

“Há muito o que se fazer, porque a desigualdade social é grande. Os esforços que estão sendo feitos precisam ser valorizados para que gerem outros ainda maiores.”

Vamos nos inspirar por este incrível exemplo!

Atenciosamente,

Fernando Cembranelli

Equipe EmpreenderSaúde

Fontes: Valor Econômico, Wikipedia, Pastoral da Criança

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta