HIS17 É hora de mudar a saúde! Faça como seus colegas, participe do HIS. Quero participar da mudança

Uma visão mais ampla da saúde

Publicidade

Numa época em que os EUA estão discutindo fortemente as mudanças propostas por Obama para a reforma do sistema de saúde, a UCLA (University of California – Los Angeles) trouxe em sua revista de saúde pública um artigo intitulado “A Broader View of Health: Policies in All Sectors Make a Difference”.

O artigo defende a conscientização de outros setores de seu impacto na saúde. Como o Dr. Jonathan Fielding mesmo diz no artigo, não é novidade nenhuma esse impacto, mas pouco tem sido feito em relação à isso. Quando se cria uma via pública, a criação de um espaço para pedestres caminharem e ciclistas poderem praticar esportes de forma segura tem influência sobre a qualidade de vida, longevidade e número de acidentes na população local. Cortar o orçamento de uma escola afeta obviamente a educação, mas afeta também os programas da escola relacionados à promoção de saúde e educação física, que tem impacto direto sobre obesidade infantil e a saúde das crianças de forma geral. Além do fato de educação formal ser um dos preditores mais importantes de longevidade. A construção de aeroportos deve considerar o barulho e a qualidade do ar para a população ao redor.

O movimento, liderado nos EUA pela UCLA é chamado “Health in All Policies” (algo como “Saúde em todas as políticas/frentes”). “Nós estamos muito acostumados a segregar assuntos por setor. Nós temos que trabalhar com pessoas de outros setores e ajuda-los a entender o efeito de suas decisões na saúde” diz o Dr. Fielding. Também frisa que os especialistas em Saúde Pública deveriam sair da universidade já sabendo um pouco sobre habitação, engenharia e economia. “Se você olha o que determina a saúde de uma população, numa medida considerável ela tem a ver com pilares da sociedade que são tipicamente considerados assuntos de economia, educação, transporte ou moradia, para nomear alguns, mas não assuntos de saúde”.

Na Europa, essa conscientização já é mais antiga. Lá existe um medidor chamado HIA (Health Impact Assessment), parte de uma política muito difundida de se medir esses impactos. Esse indicador está sendo implementado agora na Califórnia. O primeiro passo é analítico, mapear todas as formas possíveis quais políticas de outros setores podem afetar a saúde. O segundo é encontrar a literatura provando essa correlação e quantificando-a. Para a sorte do movimento, já há muita literatura disponível. Uma das pesquisas mostrou que atividades que as escolas desenvolvem após o período regular de aulas conferem diversos benefícios para as crianças, como aumento da atividade física e melhor saúde mental, bem como menores taxas de abuso de substâncias, gravidez na adolescência e prevalência de doenças sexualmente transmissíveis.

Desde o descobrimento do fenômeno do aquecimento global e da conscientização da finitude dos recursos naturais, a população, o governo e as empresas se conscientizaram da importância de medir seu impacto no planeta, sua “pegada”, e “Sustentabilidade” entrou nas variáveis dos gestores. O mesmo tem que ser feito agora para a Saúde. Esse é o principal objetivo da UCLA na criação do HIA.

“Em saúde pública nós sabemos que o atendimento da população é só um determinante da saúde da população – um componente importante, mas relativamente pequeno, especialmente quando você considera o custo envolvido. Há determinantes sociais da saúde que nos permitem ter melhorias muito maiores na saúde com investimentos nessas áreas, do que com gastos adicionais na assistência” diz o Dr. Lester Breslow, da UCLA School of Public Health.

Fielding completa: “Quando nós estamos gastando 50-100% mais do que outros países desenvolvidos por uma saúde de pior qualidade, se torna óbvio que nós não podemos nos focar apenas no sistema de saúde para melhorar esses índices. Nós não vamos sair da 37ª. posição mundial de expectativa de vida enquanto os determinantes da saúde e o impacto na saúde que tem as decisões não estiverem em foco em todos os níveis.”

A UCLA disponibiliza gratuitamente sua revista de saúde pública (em inglês) e entrega no Brasil. Para receber é só se cadastrar no site http://www.ph.ucla.edu/SPH_forms/news_subscribe.aspx

Vitor Asseituno Morais

Equipe EmpreenderSaúde

       
Publicidade

Deixe uma resposta