Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Transplante de medula com doador anônimo cresce 6 vezes em 10 anos

Publicidade

O número de transplantes de medula óssea realizados no Brasil aumentou 169% nos últimos cinco anos em relação ao começo da década. E o de procedimentos feitos com doadores encontrados no País em pessoas não aparentadas foi seis vezes maior no período. O crescimento é atribuído principalmente às campanhas para captação de doadores e à maior segurança do processo. As informações são do jornal Estado de S. Paulo.
Entre 2006 e 2010, o Brasil registrou 676 transplantes – 403 deles com doadores localizados no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome). Entre 2001 e 2005, foram 251 transplantes, apenas 68 com doadores nacionais. Os outros foram encontrados em bancos internacionais.
O registro nacional de doadores tem hoje 2,2 milhões de inscritos e está integrado com a Rede BrasilCord, que reúne bancos de sangue de cordão umbilical e placentário. Eles foram responsáveis pelos doadores em 68% dos transplantes realizados no País no ano passado.
O transplante de doador nacional permite que o procedimento seja feito de forma mais rápida e barata. O valor para importar o material a ser transplantado está entre R$ 45 mil e R$ 50 mil. O transplante realizado com doador nacional sai por R$ 12 mil.
A busca nos bancos nacionais e internacionais é feita simultaneamente. O critério para a escolha do doador é o grau maior de compatibilidade.
Segundo o Centro de Transplante de Medula Óssea do Inca, houve melhoria da distribuição genética do registro em relação à população. Isso significa importante, por causa da nossa miscigenação
Perfil
Levantamento do Instituto Nacional do Câncer (Inca) mostra que a maioria dos doadores voluntários é mulher (56%) e 88% têm menos de 45 anos – pessoas que, pela idade, tendem a ficar mais tempo no cadastro.
O Sudeste também concentra o número maior de doadores (48%), mas a participação das outras regiões está crescendo. “Sul e Sudeste são regiões mais populosas, mas o perfil de quem nasce no Nordeste é diferente daquele de quem nasce no Sul”, diz Bouzas. Quanto maior a diversidade dos doadores, maior a chance de encontrar compatibilidades.
Pacientes com leucemia, linfoma e anemias graves hoje têm 72% de chance de encontrar um doador “6 de 6” no Redome. Isso quer dizer que o possível doador tem seis características genéticas iguais às do receptor. Essa é a primeira triagem feita no banco.
É preciso apurar a compatibilidade – o transplante é feito se forem encontradas semelhanças genéticas em pelo menos oito de dez parâmetros.
Ao se inscrever como doador, o voluntário coleta uma pequena quantidade de sangue e os dados são inseridos no Redome. Se as características genéticas forem compatíveis com as de um paciente, esse voluntário é procurado pelo banco. A recusa, hoje, está entre 3% e 5%.
Voluntários
Sudeste 48%
Sul 25%
Nordeste 14%
Centro-Oeste 8%
Norte 5%

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta