Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Teste de fibrose cística passa a ser obrigatório

Publicidade

A União, o estado e o município de São Paulo estão obrigados a implantar e realizar, no prazo de 90 dias, a triagem neonatal para o diagnóstico da fibrose cística em todos os recém-nascidos neste estado. A decisão é do juiz federal João Batista Gonçalves, da 6ª Vara Federal Cível de São Paulo, tomada na última sexta-feira (6). As informações roram divulgadas pela Justiça Federal em São Paulo.
O Ministério Público Federal (MPF) em São Paulo alegou na ação que o Programa Nacional de Triagem Neonatal (PNTN), popularmente conhecido como “teste do pezinho”, não estava sendo feito completamente. Em SP, a terceira e última etapa do teste, que detecta a fibrose cística, não vinha sendo realizada.
A fase 1 do teste detecta a fenilcetonúria e o hipotireoidismo congênito; a fase 2, a fenilcetonúria, o hipotireoidismo congênito, doenças falciformes e outras hemoglobinopatias; a fase 3, a fenilcetonúria, o hipotireoidismo congênito, as doenças falciformes e outras hemoglobinopatias, e a fibrose cística.
Desde a criação do PNTN, o estado de São Paulo apenas realiza os testes das fases 1 e 2 do PNTN, e não avançou à fase 3. Porém, tem o maior número de casos de fibrose cística do país.
O juiz João Batista acolheu os argumentos do MPF e decidiu pela realização total do exame liminarmente, “já que da omissão do Poder Público decorrerão situações irreversíveis, comprometendo a saúde e a própria vida de recém-nascidos no estado de São Paulo”, diz o texto da decisão.
União, estado e município, responsáveis pelo teste, deverão cumprir a decisão em 90 dias e terão ainda de fornecer gratuitamente todo e qualquer medicamento, insumos e prestar adequado atendimento médico e garantir o custeio de toda despesa das pessoas portadoras de fibrose cística, em todas as suas fases.
A fibrose cística, também conhecida como mucoviscidose, é uma doença genética causada por um distúrbio nas secreções de algumas glândulas. Nos pacientes afetados, as glândulas exócrinas produzem uma secreção muito mais espessa do que nas crianças normais.
Você tem Twitter? Então, siga http://twitter.com/SB_Web e fique por dentro das principais notícias do setor.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta