Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Temporão acredita que o impacto do corte da CPMF ficará claro na próxima semana

Publicidade

Nesta quinta-feira, 13, depois do corte da CPMF pelo Senado Federal, as previsões do caos na saúde estavam declaradas por políticos, economistas e pelo próprio setor. No entanto, de acordo com o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, os recursos regulares da pasta  estão assegurados pela própria Constituição e, conseqüentemente, não haverá um colapso na saúde ou suspensão de atividade.
Os recursos que estão comprometidos são os R$ 24 bilhões em quatro anos, que foram anunciados durante a negociação da votação do projeto de lei. Estes foram apresentados como solução para a saúde brasileira e para o Sistema Único de Saúde.
De acordo com Temporão, o Pac da Saúde e o governo estão comprometidos com as ações propostas neste fim de ano, como qualificação do atendimento de urgência e emergência, universalização de várias políticas como Samu, Saúde da Família, Brasil Sorridente, expansão da Farmácia Popular, conclusão de obras de hospitais e construção de novas unidades de atendimento.
Porém, o saldo da decisão do Senado está sendo calculado pelos ministérios do governo federal e, na próxima semana, o impacto econômico será estruturado para a nova realidade financeira da saúde.
Indignação
O ministro da Saúde mostrou-se indignado com a posição dos parlamentares e afirmou ontem que a saúde do Brasil está de luto e que os políticos esqueceram os interesses do país e priorizaram a disputa político-partidária.
Leia mais:
Cobertura completa da CPMF
Vote em nossa enquete: Você concorda com o fim da CPMF?

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta