5º CONAHP debaterá “O Hospital do Futuro: O Futuro dos Hospitais”. Faça já sua inscrição → Clique aqui

Telessaúde, um caminho para o futuro hospitalar

Publicidade

A vice-presidente e gerente geral da Medtronic Care Management Services, Sheri Dodd foi um dos destaques do IV Congresso Internacional CBA 2017. Em sua palestra, enfocou sobre dispositivos e sistemas de monitoramento remoto de pacientes e ressaltou a importância da telessaúde (cuidado da saúde à distância) e da participação ativa do paciente, para a melhoria de sua saúde e bem-estar. Sheri Dodd disse que a Medtronic possui 1,4 milhões de dados de pacientes. De acordo com a executiva da empresa, através de algoritmos, software e hardware, é possível monitor riscos. “Podemos detectar se o paciente cuspiu o medicamento pelo som captado à distância”, garante. Segundo ela, a telessaúde pode ajudar a diminuir custos, uma vez que pode detectar, por exemplo, alterações de pressão arterial. “Podemos agir prontamente, evitando que a situação se agrave e gere maior complicação”, alega. Para que instituições de saúde façam uso desse recurso, é preciso conhecimento técnico e treinamento. Para encerrar sua participação, ela destacou a relevância da acreditação: “não há tempo melhor para trabalhar com acreditação. O futuro é hoje”.

A mesa, que teve mediação do vice-presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Eduardo Nagib Gaui, contou com as participações do diretor do Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital do Coração de São Paulo, Otávio Berwanger, e do diretor clínico do Hospital Pró-Cardíaco, Evandro Tinoco. Berwanger chamou a atenção para o fato de que o desenvolvimento visto em outras áreas, como setor bancário ou de aviação, por exemplo, chega de forma mais lenta à saúde. “É importante que as tecnologias não sejam vistas de forma isolada e sim numa visão integrada, dentro de uma estratégia de atendimento, de melhoria de qualidade para o cliente”, afirmou ele. Tinoco destacou que o uso da telemedicina, da telessaúde e telemonitoramento são uma janela de oportunidade para a transformação do cuidado. “Os hospitais do futuro sofrerão com a concorrência dos empreendedores que investirem em telemonitoramento”, alertou.

       
Publicidade

Deixe uma resposta