Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Técnicas de diagnóstico podem substituir o cateterismo

Publicidade

O cateterismo, tão incômodo aos pacientes quanto aflitivo aos parentes, continuará sendo eficaz e indispensável no tratamento de cardiopatias, mas a tecnologia poderá propiciar, em termos de diagnóstico, métodos que descartem a invasão do corpo para avaliar como batem nossos corações. A comunidade cardiológica guarda boas expectativas quanto à evolução da ressonância magnética e da tomografia multi-slice, que em médio prazo deverão fornecer diagnósticos confiáveis sobre problemas na artéria coronária, poupando pacientes de exames invasivos e antecipando tratamentos contra eventos graves no futuro, informa o Jornal da Unicamp.
Por meio do cateterismo (coronariografia) observa-se a luz da artéria coronária. É como se olhássemos através de um cano para verificar se algo está obstruindo a passagem da luz. Mas a doença coronária, sabe-se hoje, não se limita a um entupimento. Primeiramente, a artéria sofre o que se chama de ?remodelamento positivo?, crescendo para fora. Surgem várias células inflamatórias no ponto da arteriosclerose e a ?parede do cano?, que era fina, engrossa. Como o cateter mostra apenas o interior do ?cano?, e não a parte de fora, tudo pode parecer normal. Quando a doença evolui, a artéria começa a crescer para dentro, obstruindo então a circulação do sangue pelo coração.
A ressonância magnética é uma técnica não-invasiva que oferece uma imagem da parte externa da coronária, o que pode ajudar no diagnóstico da doença. Porém, se é relativamente simples observar um grande vaso como a aorta, a artéria coronária é muito pequena e, além disso, movimenta-se aleatoriamente de acordo com as batidas do coração e o ritmo da respiração. Isto exige alta velocidade e resolução na captação das imagens, em um nível de sofisticação que os hardwares e softwares atuais ainda não proporcionam. A possibilidade de visualizar e quantificar lesões coronárias, de calcular seu fluxo e reserva coronária e ainda caracterizar os componentes da lesão obstrutiva (centro lipídico, placa fibrosa e hemorragia intra-placa) tem valor inestimável e promete revolucionar a cardiologia dentro de alguns anos.
?A tomografia obtém imagens do cérebro facilmente. O problema em relação ao coração é que ele bate e o vaso acompanha o movimento. É como se a imagem que queremos fotografar ficasse desfocada. O potencial do método é grande, mas a técnica precisa melhorar. Assim como ocorreu em outras áreas, a ressonância magnética nuclear tende, se não a substituir, pelo menos a complementar a coronariografia convencional. Com freqüência erramos em tais previsões, mas creio que o aperfeiçoamento dos equipamentos ainda vai demorar entre cinco e sete anos?, estima o professor Otávio Rizzi Coelho, chefe da Área de Cardiologia da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp.
Rizzi Coelho é co-orientador da tese de doutorado de Juliano de Lara Fernandes no Instituto do Coração (Incor) de São Paulo. Ele ressalta a importância da parceria entre as duas instituições ? a primeira na área ? que viabilizou a pesquisa de Fernandes, um médico formado pela Unicamp que vem monitorando pacientes voluntários há três anos, com o objetivo de avaliar as aplicações da ressonância magnética na cardiologia.
?O cateterismo nunca vai perder sua utilidade no diagnóstico e principalmente no tratamento de cardíacos, pois é uma técnica menos agressiva que a cirurgia. De qualquer forma, é um método invasivo e submete o paciente a radiação de raio-X, além de apresentar certas limitações para o diagnóstico?, afirma Juliano Fernandes. Segundo ele, embora existam trabalhos comparando a eficácia da ressonância magnética à do cateterismo no diagnóstico, a limitação da velocidade na aquisição da imagem torna a primeira técnica inviável ainda para a prática clínica.
O outro método não-invasivo para tentar visualizar a artéria coronária é a tomografia multi-slice, capaz de obter imagens em velocidade bem maior. ?Mas, assim como o cateterismo, a tomografia expõe o paciente à radiação e utiliza um tipo de contraste que pode lesar os rins. Ela talvez esteja um passo à frente da ressonância magnética, mas também depende de evolução técnica para apontar doenças coronarianas. De qualquer forma, no que se refere a diagnóstico, a pergunta não é qual técnica não-invasiva vai substituir o cateterismo, mas quando?, observa Fernandes.
O doutorando do Incor acrescenta que os trabalhos com ressonância cardíaca ainda são muito iniciais, significando mais uma linha de pesquisa que de aplicação clínica. ?Os estudos começaram faz menos de uma década. Atualmente, a ressonância já é clinicamente utilizada de rotina para observar a anatomia do coração, isquemias e tamanhos de infartos. Nesse sentido, o método já está trazendo alívio ao paciente por livrá-lo de se submeter a uma série de exames ? testes de esforço, cintilografia, eletrocardiograma ?integrando-os em um só?.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta