Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Técnica pode aumentar vida útil das próteses ortopédicas

Publicidade

Um método de tratamento inovador para superfícies metálicas, batizado de implantação iônica por imersão em plasma promete aumentar a dureza das ligas de aço que compõem as próteses em até 250% e reduzir o desgaste em cerca de 160 vezes. De acordo com informações da Fapesp, a técnica tem sido analisada pela Baumer, fabricante latino-americana de implantes ortopédicos. De acordo com químico Roberto Parpaioli, gerente da Divisão de Pesquisa e Desenvolvimento da Baumer, o método revelou-se biocompatível e os resultados foram além das expectativas. Segundo ele, agora a intenção é organizar um ou dois grupos clínicos para fazer exames in vivo nas próteses submetidas à implantação iônica por plasma. A expectativa é concluir a avaliação clínica dentro de dois ou três anos.
Para esses exames, a empresa vai escolher duas equipes de ortopedistas ligados a uma universidade. Cada grupo clínico terá, em média, cinco profissionais e de dez a 30 pacientes. A Baumer cederá todas as próteses e arcará com os custos dos testes. Melhorar a dureza e, conseqüentemente, a vida útil de implantes ortopédicos é uma das muitas aplicações dessa técnica de tratamento superficial, desenvolvida de forma pioneira, no Brasil, pela Metrolab, empresa de São José dos Campos especializada na calibração, ajuste e manutenção de instrumentos industriais mecânicos e eletrônicos.
O método de implantação iônica por imersão em plasma (IIIP ou 3IP) pode ser empregado para melhorar as propriedades tribológicas (características que envolvem dureza, resistência à corrosão e ao desgaste e redução de atrito e fricção), ópticas e eletrônicas de um variado leque de materiais, como alumínio, titânio, aço inoxidável, ligas metálicas, polímeros, plásticos, teflon, náilon e, no caso de semicondutores, possibilitar a criação de dispositivos cada vez menores. Assim, além das próteses ortopédicas, também podem ser beneficiadas as ferramentas e os componentes industriais das áreas automotiva, médica, odontológica e aeroespacial, como facas de corte, moldes para alumínio, pistões de motores, rolamentos, brocas de aço, implantes odontológicos e garrafas de polímero poli (tereftalato de etileno), mais conhecidas como PET, usadas para acondicionar refrigerantes e água mineral.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta