Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Surto de infecção hospitalar mata 18 no DF

Publicidade

Um surto de infecção hospitalar causado por uma superbactéria, resistente à maior parte de antibióticos disponíveis no mercado, provocou 18 mortes e é suspeito de contaminar 108 pacientes no Distrito Federal neste ano. Os casos são registrados em dez hospitais, públicos e particulares. Entre os pacientes contaminados há pessoas internadas em Unidades de Terapia Intensiva e em leitos gerais.
e receba os destaques em sua caixa de e-mail.   
De acordo com dado divulgado nesta quinta-feira (07) pela Secretaria de Saúde do DF, em 1.º de outubro havia 58 casos de pacientes com infecção em tratamento no DF. O restante havia superado a infecção ou morrido – não necessariamente por problemas relacionados à bactéria. Até há três semanas, a maior parte dos casos estava concentrada em duas instituições: Hospital de Base e Hospital Santa Maria. De lá para cá, no entanto, a contaminação se espalhou para outras instituições.
“É um problema grave, estamos bastante preocupados”, afirmou o gerente de tecnologia em serviços de saúde da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Heder Murari Borba, ao jornal O Estado de S. Paulo.
O surto relacionado em Brasília não tem relação com a nova superbactéria, originária do Sul da Ásia e que provocou a primeira vítima em agosto, embora as duas tenham a mesma origem. São mutações de uma bactéria conhecida há tempos, a Klebsiella pneumoniae. “No caso do DF, ela passou a produzir uma enzima, que a torna resistente aos tratamentos comumente usados”, disse Borba.
No Brasil, a mutação foi confirmada pela primeira vez em 2005, em um paciente de São Paulo. O segundo caso somente foi constatado em 2009, em uma pessoa de Londrina. Diante do aumento significativo do número de casos no DF, a Anvisa convocou um grupo de especialistas para discutir o assunto.
A secretaria de Saúde afirmou que cirurgias continuam sendo feitas nos hospitais. As medidas de vigilância foram reforçadas e pacientes com suspeita da doença passaram a ser cuidados exclusivamente por um grupo reservado de profissionais.
Borba, no entanto, aconselha aos pacientes que procurem verificar com a Comissão de Infecção Hospitalar do hospital a existência ou não de casos suspeitos da infecção pela bactéria multirresistente. “Em caso positivo, se houver possibilidade de esperar, o melhor é adiar a operação.”
A resistência de bactérias é um fenômeno provocado principalmente pelo abuso ou uso incorreto de antibióticos. “Vai havendo uma seleção”, disse o gerente. Bactérias que entram em contato com quantidade insuficiente de medicamento capaz de matá-las acabam desenvolvendo mecanismos de proteção. Quando isso ocorre, as opções de tratamento se reduzem.
*Com informações do jornal O Estado de S. Paulo
Você tem Twitter? Então, siga  http://twitter.com/SB_Web e fique por dentro das principais notícias do setor.
 

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta