Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Sensor magnético permite medir acúmulo de ferro no fígado

Publicidade

Um aparelho de leitura magnética desenvolvido na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP, permite que sejam feitos, sem intervenção cirúrgica, exames para detectar o excesso de ferro no fígado de pessoas submetidas a seguidas transfusões de sangue, como hemofílicos e portadores de talassemia e anemia falciforme. O exame é muito importante no diagnóstico de diversas doenças decorrentes do acúmulo de ferro no organismo, informa a Agência USP.
O equipamento, desenvolvido pelo grupo de Biomagnetismo da FFCLRP, utiliza um sensor que mede o campo magnético produzido pelo ferro no fígado. Durante o exame, a pessoa fica deitada em uma cama dedicada (construída de material não metálico e não condutor para não interferir). “Depois de localizar o fígado com um ultra-som, o paciente é posicionado mantendo a região central do fígado próximo do sensor magnético. O sensor fica aproximadamente a dois centímetros do tecido sem tocá-lo, e a medida dura em torno de 5 minutos”, conta o físico Antonio Adilton Oliveira Carneiro, autor do projeto.
Pacientes submetidos a transfusão precisam ter o ferro no organismo quantificado para controlar a sua remoção e evitar o acúmulo nos tecidos. Geralmente, esta medida é feita por uma estimativa do nível de ferritina no plasma sanguíneo, mas esse método nem sempre é preciso.
Um segundo método aplicado é a biópsia, ou seja, a retirada de um pedaço do fígado para exame, porém, essa técnica é muito invasiva e inviável quando tem de ser aplicada periodicamente, colocando em risco a vida do paciente. O aparelho da USP é capaz de quantificar o ferro no tecido, sem a necessidade de intervenção cirúrgica. É utilizado o fígado por ser o órgão que mais acumula este metal.
O aparelho, único em funcionamento no País, já foi utilizado com sucesso no Hemocentro de Ribeirão Preto, mas somente para pesquisa. Mesmo mais barato do que os similares estrangeiros, seu custo ainda é alto. “Lá fora eles já comercializam equipamentos parecidos, mas não iguais. O aparelho nacional custa cerca de US$ 100 mil enquanto os similares estrangeiros ultrapassam US$ 1 milhão”, conta o professor Oswaldo Baffa, coordenador do projeto. “Seria ótimo instalar uma ou duas máquinas no Brasil.”, diz o professor, que não vê interesse em patentear a tecnologia, devido ao seu alto custo para comercialização e baixa produção.
Mais informações no telefone (16) 602-3778.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta