Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Saúde precisa de gestão

Publicidade

Os gastos na rede de saúde brasileira – tanto pública quanto privada – são altos, e nem sempre são investimentos que resultam em bom atendimento aos pacientes. Podemos verificar isso com as enormes filas nos corredores de hospitais públicos que, na maioria das vezes, não possuem equipamentos ou medicamentos adequados para atender a todos. O mais curioso é que, de acordo com dados divulgados na revista Série Estudos Outsourcing, os gastos em 2008 com este setor foi de 8% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro, o que equivale a cerca de US$ 100 bilhões – trata-se de um dinheiro e tanto.

No dia-a-dia, não percebemos o que envolve a saúde. Acreditamos que apenas o fato do médico ter o seu consultório, uma recepcionista que faz o agendamento dos atendimentos e recebe os pagamentos é tudo. Mas não é bem assim. Existe toda uma complexidade além daquelas salas que diagnosticam de maneira primária seu estado de saúde.

Por exemplo, verifica-se que algumas das atuais administrações de hospitais (neste caso, principalmente os privados) têm um atendimento para os pacientes mais burocrático do que talvez seja o necessário. Mas será que isso é correto e não representa mais um custo para o paciente?

Em diversas clínicas e hospitais, a utilização de uma gestão externa está melhorando, e muito, o desempenho financeiro e contábil da entidade de saúde. A terceirização destes processos faz com que empresas e pessoas especializadas em cada área ajudem no gerenciamento da organização, e não mais como era feito há pouco tempo, quando os próprios médicos atendiam seus pacientes e também cuidavam das finanças, folhas de pagamento, contabilidade etc. ou seja, a gerência de uma clínica e/ou hospital não é e nem deve ser expertise de um médico, por razões óbvias, por isso que na maioria das vezes não funcionava.

A nova opção do uso do outsourcing em empresas do setor da saúde é muito bem-vinda, já que pode fazer com que desperdícios sejam erradicados ou, pelo menos, que sejam em menores escalas dos atuais.

Uma empresa de outsourcing gerir a área financeira, contábil, fiscal, dentre outras, de qualquer organização é de muita responsabilidade; mas se tratando da área de saúde, torna-se de extrema importância, já que o uso indevido de recursos pode ocasionar no não atendimento adequado e ou em tempo hábil de pacientes que correm risco de vida.

O médico tem que cuidar do seu core business, que é o atendimento ao paciente, e por que não dizer, do seu cliente, e as empresas de saúde necessitam de especialistas para o gerenciamento das outras áreas que envolvem a medicina. Isso é fato – e a solução para parte dos problemas nesta complexa área.

*Geuma Campos Nascimento é especialista em controladoria, gestão empresarial, gestão de outsourcing, sócia da Trevisan Outsourcing e professora da Trevisan Escola de Negócios.

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicadas refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nesta publicação.

Você tem Twitter? Então, siga http://twitter.com/SB_Web e fique por dentro das principais notícias do setor.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta