Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Sanofi está próxima da aprovação do Multaq

Publicidade

O Multaq previne os sintomas e as hospitalizações recorrentes, embora os estudos “não sejam convincentes” de que reduza as mortes, como a Sanofi havia solicitado, informou a Food and Drug Administration (FDA) num relatório de 892 páginas, postado ontem na internet. O painel consultivo vai considerar as conclusões quando votar nesta semana se o medicamento deve ou não ser vendido nos Estados Unidos.
Deixe o seu comentário sobre esta notícia
Tem mais informações sobre o tema? Então, clique aqui
O novo produto pode ajudar a farmacêutica, com sede em Paris, a acompanhar o ritmo de outras empresas do setor e enfrentar a nova concorrência para seus medicamentos Lovenox e Plavix. O presidente Chris Viehbacher, que assumiu o cargo na Sanofi em dezembro, vindo da GlaxoSmithKline, diz que está mais interessado na ciência inovadora do que em participar das fusões de larga escala que transformam o setor global de medicamentos.
“O Multaq, da Sanofi, tem chance razoável de aprovação, e pode aumentar o impulso positivo criado pelo novo presidente”, disse James Knight, analista da Collins Stewart, em Londres, numa nota enviada para os clientes em 9 de março. Ele estimou que as vendas anuais do medicamento alcançarão o auge de ? 1,1 bilhão (US$ 1,4 bilhão).
Médicos e cientistas que fazem parte da Comissão Consultiva de Produtos Renais vão debater o Multaq, conhecido quimicamente como dronedarone, na reunião de 18 de março em Adelphi, Maryland. O medicamento foi concebido para tratar pacientes com histórico de fibrilação atrial, ou palpitação atrial, ambas marcadas por ritmo rápido na câmaras superiores do coração. A fibrilação atrial também causa batimento irregular e afeta uma estimativa de 2,5 milhões de norte-americanos, especialmente aqueles com 60 anos ou mais. É bem mais comum do que a palpitação atrial.
Três doenças aumentam o risco de complicações e mortes e a Sanofi informa que há necessidade de novos medicamentos para melhorar os resultados de longo prazo em vez de só oferecer alívio de sintomas no curto prazo.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta