Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

RN 211 – Reajuste nos Planos Corporativos

Publicidade

Vivemos num país que trava uma eterna batalha quando o assunto é saúde. Seja no atendimento público ou com as constantes mudanças regulamentadas pela ANS – Agência Nacional de Saúde Suplementar às operadoras, o consumidor e principalmente o gestor de RH deve estar atento.

Conversamos com Vera Lucia Bejatto, executiva da Victory Consulting para saber como o RH pode precaver-se e entender como será o ano de 2010 no cenário da Saúde no país. Acompanhe.

1) Diante da introdução da RN 195 e agora com a RN 211 qual o posicionamento do RH?

Os executivos de recursos humanos têm que preocupar-se duplamente. Primeiro por que agora as seguradoras e operadoras estarão bem mais inflexíveis quando se trata de “zerar ou reduzir” reajustes nos contratos de planos de saúde corporativos. Antes da RN 195, eram propostos dois encontros por ano para recuperação de receita no desequilíbrio econômico e financeiro, a saber: reajuste técnico (por sinistralidade) e moeda (atualização do pagamento a rede credenciada). Agora é uma vez por ano, no aniversário do contrato.

2) Isso significa que o reajuste planejado no budget das empresas não responderá à quantia real?

Isso mesmo. Aqueles que projetaram reajustes de “um digito” em seu budget de 2010 irão se surpreender, porque as operadoras de planos de saúde apontam um reajuste de 17,91% nas apólices saudáveis, percentual esse relativo a “inflação médica”, “ novas coberturas” e “reajuste anual”. Além disso, se o contrato/apólice estiver acima de 70% pactuados em contrato, também haverá aumento para compor esses custos. Isso se traduz na seguinte fórmula:

Inflação Médica + Novas Coberturas (17,91%) + % de sinistralidade = reajuste anual.

3) O reajuste anual é uma vantagem para a empresa? Por quê?

Muitos acreditam que o aumento anual é uma vantagem para a empresa, mas a mudança na periodicidade dos reajustes vai pressionar os percentuais para cima, uma vez que a majoração anual será a única oportunidade de revisão de preços por parte das operadoras. Para empresas com histórico de sinistralidade alta, essa é uma grande desvantagem porque antes poderia avaliar a cada três, quatro ou seis meses, e com isso aplicações de reajustes menores, agora é de uma só vez !! A ANS proibiu parcelamentos de reajustes anuais ou aportes.

4) As empresas e o consumidor podem contar com as operadoras? Como está esse cenário atualmente?

Com a concentração de mercado de operadoras, pelas aquisições e fusões recentes, sobraram poucas opções, estima-se que sobraram apenas 10 boas operadoras em São Paulo e muitos clientes hoje têm necessidades que essas empresas não podem suprir, como por exemplo, custos menores. Assim, com mercado restrito, as empresas atuantes buscam uma receita adequada às despesas, dificultando as negociações que até então caminhavam de certa forma positivamente.

5) Mudar de plano de saúde em situações como essa ajuda? O que a empresa deve pontuar ao escolher a operadora?

Mudar de plano de saúde muitas vezes não é a solução, já que a maioria das empresas oferece o mesmo contrato (regulamentado pela ANS), mesma rede credenciada de hospitais e laboratórios e são poucas as diferenças. O que vai prevalecer é como essa operadora faz a “gestão dos gastos” com a mensalidade que o cliente paga todos os meses para essa operadora (auditorias médicas em hospitais e centros médicos, direcionamentos para redes próprias e centros clínicos, boas negociações com hospitais, bons profissionais na manutenção dos contratos, etc.)

6) Como a Victory reage e se planeja para momentos como esse?

A Victory conquistou em 2009 “saving cost” para sua carteira de mais de 7, 1 milhão de reais, com boas negociações e planejamento de gestão de risco e qualidade de vida. Mas, desde janeiro estamos notando pelas novas negociações que 2010 será um ano atípico, com grandes dificuldades de redução nos percentuais propostos, pouquíssima flexibilidade por parte das operadoras pelo impacto financeiro que essas duas novas RNs (195 e 211) proporcionaram para essas empresas de saúde.

7) Qual deve ser a visão dos exe

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta