Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

RETROSPECTIVA 2007: Relembre aqui os fatos de Setembro

Publicidade

INTERNACIONAL

Mais uma de Hugo Chávez

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, decidiu incluir o setor de saúde em seu “projeto rumo ao socialismo”. Em setembro, o venezuelano declarou que colocaria a assistência à saúde do país entre as melhores do mundo, após a construção de 600 centros de diagnóstico, 600 clínicas de reabilitação e 35 centros de alta tecnologia.

O presidente ainda firmou parceria com Cuba, para treinamento, abriu a Escola Latino-Americana de Medicina, em maio, e promete construir mais 15 hospitais. Em sua maioria, os projetos foram financiados com renda das atividades petroleiras. Todas as medidas, que aumentam a presença do poder público no setor, foram tomadas depois da determinação do controle de preços para hospitais, em abril. Na época, Chávez ameaçou fechar clínicas e hospitais e incorporar suas atividades ao sistema público de saúde, caso não seguissem as regras determinadas por decreto presidencial.

Lei do Aborto em Portugal

Em setembro, o governo português divulgou o primeiro balanço desde a entrada em vigor da Interrupção Voluntária da Gravidez (IVG), que entrou em vigor em julho. Em dois meses, foram realizados 1.453 procedimentos.A estimativa do Ministério da Saúde era de 900 intervenções no período. Também em setembro, o governo autorizou o Centro de Saúde de Viana do Castela a fazer abortos químicos, por comprimidos, e permitiu que instituições não hospitalares realizassem o procedimento.

A estimativa inicial, de realização de 20 mil abortos por ano, deve sofrer aumento de 25%, chegando a 25 mil procedimentos.

Celular e hospital: combinação perigosa

Um grupo de pesquisadores da Universidade de Amsterdã, na Holanda, constatou que o uso do celular atrapalha a rotina hospitalar. Dentro da amostra de 61 aparelhos médicos diversificados, 50 incidentes médicos resultaram da interferência eletrônica pela utilização dos celulares em hospitais, sendo que 75% foram classificados como perigosos.

A maior parte dos acidentes é proveniente do uso do GPRS, que permite conexão wireless à internet. Para os pesquisadores, os celulares devem ficar a, no mínimo, um metro de distância dos leitos e equipamentos hospitalares.

ECONOMIA 

Saúde Na Bolsa de Valores

Setembro foi o mês em que a Amil entrou com pedido na CVM para abertura de capital. A especulação começou em julho quando a Amil, juntamente com a Martítima Seguros e a SulAmérica Seguros, demonstrou interesse em abrir capital. No mercado de seguros, a Porto Seguro é a única empresa listada no Novo Mercado da Bovespa.

As operadoras continuam comprando

Desta vez a região foi o Alto Tiête, interior do estado de São Paulo. Uma negociação no valor de R$ 52 milhões com a AMA Assistência Médica garantiu à operadora Samcil sua terceira maior aquisição do ano. A Samcil também adquiriu em setembro um terreno em Osasco, na avenida dos Autonomistas, e vai iniciar a obra do Hospital e Maternidade Osasco, que deve entrar em operação em dezembro de 2008. O projeto receberá mais de R$ 20 milhões em recursos.

Público VIP

Chamados de planos Vip e Vip Plus, os novos produtos da Dix Saúde foram lançados com o objetivo de atingir o mercado de pessoas físicas e empresas de pequeno e médio porte. A cobertura se estende para os principais hospitais paulistas e Rede Foccus. Os planos devem representar de 10 a 15% das vendas da Dix.

Certificação

Em setembro, as maternidades Santa Joana e Pro Matre Paulista conquistaram o Selo de Excelência e Certificação da Organização Nacional de Acreditação em nível 3.  O processo teve início em 2004, quando as instituições efetuaram o credenciamento de todas as 40 áreas da maternidade.

Entre os desafios para atingir esse nível de excelência estão a melhoria de comunicação interna, a integração e interação das áreas. As entidades já eram certificadas com o nível 2 desde 2003. 

Hospital-Escola

Buscando benefícios do governo para manter o atendimento, o Hospital São José, em Criciúma (SC), declarou, em setembro, que passaria por uma avaliação de representantes dos ministérios da Educação e da Saúde em busca do título de hospital-escola.

Six Sigma

Também em setembro, a Medial Saúde decidiu adotar a ferramenta Lean Six Sigma, com o objetivo de promover a satisfação do cliente em todos os níveis e aumentar o retorno para os acionistas. Serão treinados mais de 800 funcionários.

Encontro de líderes

Para discutir ferramentas para a longevidade dos negócios entre os líderes do setor, a IT Mídia realizou, em setembro, a 5ª edição do Saúde Business Forum, na Bahia. Foram convidados os mais importantes especialistas e players do setor para apresentar panoramas, casos de sucesso e iniciativas de inovação. O evento teve como keynote speaker Thomas D´Aunno, da cátedra de gestão em Saúde e professor de comportamento organizacional do Insead.

INVESTIMENTOS

Na corda bamba: Instalações X Equipamentos

Quando o assunto é investimento, setembro reflete exatamente o impasse da saúde entre o equilíbrio entre novas instalações e aquisição de equipamentos. O governo do Estado de São Paulo investiu R$ 30 milhões em um hospital infantil de São José do Rio Preto, que será concluído em 2009. O Hospital Cristo Redentor, do Rio Grande do Sul, adquiriu um tomógrafo de R$ 800 mil, para ampliar a capacidade de atendimento. O Hospital Medical, no interior de São Paulo, investiu R$ 5 milhões em ampliação da estrutura física. O Hospital Nossa Senhora de Lourdes aplicou US$ 1,1 milhão em um acelerador linear, para reforçar a referência em oncologia. E o Grupo São Bernardo injetou R$ 25 milhões em um hospital com características hoteleiras, no Espírito Santo, com 125 leitos.

Prevenção na TV

O Hospital Sírio-Libanês investiu R$ 2,7 milhões num projeto de TV, em parceria com o Canal Futura e a TV Globo. Trata-se de uma produção seriada voltada para prevenção da saúde.

Informatização da gestão

Enquanto isso, o Hospital Santa Marcelina desembolsou R$ 3 milhões em uma solução de gestão hospitalar da MV Sistemas.

POLÍTICA

Discussões sobre CPMF

Em setembro, a Câmara dos Deputados começou a discutir a prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira, a CPMF. O relator da Proposta de Emenda à Constituição da Casa e ex-ministro da Fazenda, deputado Antônio Palocci, defendeu a manutenção do percentual de 0,2% da alíquota para a Saúde, mesmo com a redução da taxa de 0,8%. O relatório, que manteve a alíquota de 0,38% até 2011, foi aprovado primeiro na Comissão Especial da Câmara; depois na Câmara dos Deputados, por 338 votos a 117.  Essa foi somente a primeira batalha de uma guerra que ainda contou com muitos episódios, sobretudo para a aprovação da regulamentação da Emenda Constitucional 29 em outubro.

Outras propostas

Em setembro, o ministro José Gomes Temporão pediu à Câmara dos Deputados a criação de uma Comissão Especial para analisar o Projeto de Lei das Fundações Estatais de Direito Privado, para assim, agilizar a votação na casa.

Temporão também relatou que o Plano de Aceleração do Crescimento da Saúde, que estava sendo preparado para ser apresentado no final do ano, traria duas medidas de impacto para operadoras. Uma sobre a portabilidade da carência para os usuários que quiserem mudar de plano de saúde, e outra sobre o modelo de ressarcimento das operadoras ao Sistema Único de Saúde.

Impacto dos R$ 2 bilhões no setor

O descontingenciamento dos R$ 2 bilhões trouxe boas perspectivas para o orçamento da Saúde. A liberação dos recursos representou um acréscimo de R$ 3,6 bilhões para o orçamento da pasta em 2008, além de um aumento de 22% no teto dos procedimentos de média e alta complexidade da tabela do Sistema Único de Saúde (SUS). Somente para a região Nordeste, o Ministério da Saúde destinou R$ 1,2 bilhão.

Contas contestadas

Enquanto o Ministério da Saúde comemorava o descontingenciamento dos R$ 2 bilhões, o Ministério Público Federal constatou, por meio de uma levantamento, que o governo deixou de investir R$ 2,177 bilhões entre 2001 e 2006, valor equivalente a 5% do orçamento da pasta em 2007. O estudo elaborado pelo Ministério Público tomou o valor atualizado do PIB como referência, que teve sua fórmula de cálculo alterada. O relatório foi entregue à procuradoria geral da República com a expectativa de que um ajuste de contas fosse proposto.

SP destina R$ 5 bilhões para medicamentos

O Governo de São Paulo lançou o programa Farmácia Paulista, que distribuirá gratuitamente medicamentos para pacientes com doenças crônicas. Serão investidos R$ 5 bilhões entre 2007 e 2010. Com o programa, o governo ampliará em 81% o número de remédios distribuídos, com cerca de 20 tipos de remédios de alto custo.

TECNOLOGIA

Melhor monitoramento

A Unimed Porto Alegre investiu em uma solução para monitorar sua infra-estrutura de Tecnologia de Informação e assim otimizar a utilização dos recursos. A cooperativa optou pela plataforma OpMon, da Opservices. A ferramenta monitora os servidores, computadores e sistemas das 26 unidades de atendimento da rede própria e dos hospitais credenciados.

Educação à distância

A Unimed Rio lançou um projeto de e-learning, com o objetivo de investir no desenvolvimento de colaboradores, na otimização de tempo e recursos, com base em competências e redução de custos. A cooperativa passou a oferecer treinamentos virtuais para o público interno, com consultores à disposição dos alunos.

Informação à serviço da vida

A Secretaria da Saúde de São Paulo anunciou a implantação do Webtransplante, sistema que permite inserir e atualizar dados sobre pacientes em listas de espera e pessoas já transplantadas, eliminando papéis, erros e extravio de documentos. A tecnologia foi desenvolvida pelo Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto e pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT). A solução também é utilizada por  equipes transplantadoras, laboratórios de histocompatibilidade e centros de diálise e todos os acessos são registrados e monitorados pela Central de Transplantes do Estado.

Aposta no mercado brasileiro

A Zebra Techonologies inaugurou, em setembro, seu escritório em São Paulo. Com expectativa de aumentar a participação no mercado de impressoras, sobretudo no segmento de saúde, para o qual oferece soluções como impressoras portáteis de pulseiras de identificação antibacterianas para pacientes e medicamentos, e manter o crescimento entre 15% e 25% ao ano, a empresa investiu R$ 300 mil no novo escritório. A estratégia da empresa é estar mais próxima do mercado para identificar novas oportunidades de negócios.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta