Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

RETROSPECTIVA 2007: Relembre aqui os fatos de Março

Publicidade

POLÍTICA

Liberação de recursos

Em março, a Saúde contou com recurso extra. A Câmara dos Deputados aprovou a Medida Provisória 337/06, que concedeu R$ 560 milhões para os ministérios da Saúde, Educação, Transportes e das Cidades. Nos repasses, o Ministério destinou R$ 20 milhões para a Fundação Nacional de Saúde; R$ 4,5 milhões para hospitais no Rio de Janeiro; e R$ 5,5 milhões para pesquisa sobre homofobia. Na esfera estadual, o governo de Mato Grosso, R$ 3 milhões para aquisição de equipamentos e construção de consultórios médicos; e o governo de São Paulo anunciou a implantação de 50 unidades de Assistência Médica Ambulatorial no ano.  Nos municípios, a prefeitura de Jundiaí destinou R$ 32 milhões para hospitais da cidade.

Novo regente

José Gomes Temporão foi nomeado Ministro da Saúde, depois do impasse político travado entre governo e oposição. Na cerimônia de posse do ministro, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva declarou que Temporão estava assumindo um “pepino”. Num primeiro passo à frente da pasta, o ministro apresentou um documento com as 22 prioridades de sua gestão, entre elas o fortalecimento do Sistema Único de Saúde e a melhoria da gestão no setor público. 

Medicamentos

A Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos da Anvisa instituiu a Resolução 04, que determina a concessão de desconto por parte da indústria e de distribuidores em medicamentos destinados à rede pública de saúde. O desconto é resultado da aplicação do Coeficiente de Adequação de Preços (CAP), no índice de 24,69%, sobre o preço de fábrica dos medicamentos. Como outra alternativa para reduzir o gasto do governo com medicamentos, o Conselho Nacional de Secretários da Saúde (Conass) pediu a regulamentação para a prescrição e distribuição de medicamentos de alto custo na rede pública de saúde. O tema foi discutido no Congresso Nacional. Na guerra de patentes, o Laboratório Industrial Farmacêutico de Alagoas S/A (Lifal) teve a produção do Tacrolimus, medicamento utilizado para evitar rejeição em transplantados, suspensa pela justiça federal, que decidiu a favor da solicitação do laboratório alemão Jansen, que também produz o medicamento.

Crise no Incor I

Em março, o Instituto do Coração de Brasília deixou de realizar atendimento ambulatorial e internações eletivas por falta de repasses. A crise no instituto havia começado no final de 2006, quando a Fundação Zerbini, responsável pela gestão do instituto revelou uma dívida de R$ 120 milhões no Incor de São Paulo. As atividades foram retomadas em abril.

ECONOMIA 

Operadoras investem em recursos financeiros e humanos

No mês de março, a Amil lançou uma universidade de vendas em São Paulo, com foco na especialização dos corretores parceiros. O treinamento tem foco em palestras, seminários e programas motivacionais, além da apresentação da trajetória da empresa e informações que apóiam a abordagem dos futuros clientes, como diferenciais, benefícios e serviços prestados. Do lado financeiro, o Grupo Amesp investiu R$ 40 milhões em um novo hospital em São Paulo. Com previsão para ser entregue em novembro de 2008, a unidade contará com 160 leitos de internação, 25 leitos de UTI, 10 leitos de UTI semi-intensiva, 28 leitos de UTI neonatal e cuidados intermediários, nove salas de cirurgia, Day Hospital, Centro de Diagnóstico e Hemodiálise, além de Pronto Socorro, Maternidade e anfiteatro com capacidade para 100 pessoas. O hospital contará ainda com 40 equipes médicas e 580 colaboradores. Com investimento de R$ 11 milhões, o grupo Santa Helena Saúde, do grande ABC, inaugurou um novo centro médico, em São Bernardo do Campo.

INTERNACIONAL

Custos altos também na Índia

Em março, o governo da Índia declarou que serão gastos 2 milhões de crore (equivalentes a R$ 95,6 bilhões) em Saúde nos próximos cinco anos, em função das mudanças demográficas e de estilo de vida, que resultarão em despesas médicas crescentes. Hoje, o setor representa 5,3% do PIV e emprega 4 milhões de pessoas. Em 2012, a proporção do PIB deve girar entre 6,5% e 7,2% e o número de empregos deve dobrar. A área que deve obter o maior crescimento é a farmacêutica: 37%.

Saúde no supermercado

Em março, a Secretaria de Saúde do Reino Unido apresentou um projeto para que as empresas privadas de saúde pudessem oferecer serviços de clínica geral nos supermercados. O objetivo era oferecer serviços mais flexíveis em regiões onde há poucos médicos.

INVESTIMENTOS

De olho na saúde pública

O mês foi marcado por ações extensas no setor público de saúde. O Instituto Materno Infantil Fernando Figueira (Imip) lançou uma campanha para recuperar o hospital Pedro II, no Rio de Janeiro, desativado desde 1982. As obras estão estimadas em R$ 18 milhões. Em março, o Instituto recebeu doações de até R$ 1 milhão. Em Curitiba, o governo inaugurou a unidade Wallace Thadeu de Mello e Silva, com investimento de R$ 2,8 milhões. Em Pernambuco, uma parceira com o Instituto Nacional do Câncer (Inca) proporcionou ao Estado uma doação de R$ 10 milhões em equipamentos para diagnóstico e tratamento do câncer. Já o governo do Estado de Santa Catarina repassou R$ 1 milhão para prefeitura do Balneário de Camboriú para a construção de um novo hospital no município. O Ministério da Saúde também anunciou o repasse de R$ 3,73 milhões para a aquisição de equipamentos para o hospital Antônio Bezerra de Farias, em Vila Velha (ES).

TECNOLOGIA

 

TI no setor público

 

Em abril, os Estados do Espírito Santo, Pará e Paraíba apostaram em projetos de Tecnologia de Informação para melhorar o atendimento na rede pública de saúde. A Secretaria de Saúde do Espírito Santo implantou a solução MV Lab, da MV Sistemas, no Laboratório Central, com o objetivo de aumentar o controle administrativo da unidade. A Secretaria de Saúde do Pará apresentou um projeto para o Gerenciamento de Informação em Saúde, com o intuito de integrar as unidades de atendimento e os hospitais da rede pública. E a Secretaria Municipal de Saúde de João Pessoa (PB) implantou um sistema de marcação de consultas e exames, com o objetivo de descentralizar os agendamentos e agilizar o atendimento. 

Aposta em biometria

 

Em abril, foi a vez da Unimed Guarujá apostar em biometria. A cooperativa implantou o sistema de Intercâmbio Eletrônico com Biometria nos centros de pronto-atendimento da rede. O projeto previa também a implantação do sistema nos módulos de Consulta e Faturamento dos procedimentos médicos.

 

Veja os outros meses:

 

Janeiro

 

Fevereiro

 

Abril

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta