Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Remédios de alto custo. Como baratear?

Publicidade

O medicamento para ser eficaz não precisa ser caro. “Temos que se repensar os critérios do conceito. Deveríamos considerar a eficácia do medicamento e não o aumento do custo. O conceito tem que considerar é a queda do custo”, defendeu nesta terça-feira, 4 o representante do Brasil Mercosul-Saúde, Ricardo Barcelos, durante o 1º Encontro Internacional sobre Acesso a Medicamentos de Alto Custo de Fontes Limitadas.
Deixe o seu comentário sobre esta notícia
Tem mais informações sobre o tema? Então, clique
A idéia do evento, que reúne até quinta-feira, 6, representantes da América Latina e Caribe, é baratear os medicamentos, seja por meio do fomento à produção local ou intermédio de acordos com produtores internacionais que permitam preços mais justos e mais acessíveis à realidade latino-americana e caribenha, explicou o responsável pelo Programa da Aids do Ministério da Saúde, Carlos Passarelli.
De acordo com Ricardo Barcelos, os ânimos estavam exaltados, mas era o primeiro dia. “O grupo tem que se harmonizar mais para avaliarmos essas tecnologias e ver se são novas mesmo e se têm eficácia. A gente espera que os países possam trazer recomendações através ações concretas para produzir um documento que permita ações para implementar a Estratégia Global em Saúde Pública, Inovação e Propriedade Intelectual aprovada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em maio deste ano para poder implantar no âmbito regional da América Latina e Caribe.”
Barcelos disse ainda que não foi à toa que o Brasil foi escolhido para sediar este evento. “O Brasil tem a experiência na prática, abriu precedente com os medicamentos para aids e não parou por aí.”
O representante do Ministério da Saúde, por sua vez, destacou a importância do Brasil fazer uso da licença compulsória das patentes, o que permite ao governo decidir se deve fazer uso de determinado produto, dentro da lei e pagando royalties para o inventor, o detentor da patente. “Isso possibilitou que muitos pacientes, não só vítimas da aids, mas também de doenças consideradas crônicas, como asma, hipertensão e diabetes, pudessem ter acesso aos medicamentos e, com isso, melhorar a qualidade de vida desses doentes”, acrescentou Passarelli.
“O desafio maior do encontro é vencer o velho argumento das grandes indústrias farmacêuticas, que investem muito e têm de cobrar caro. Isso é monopólio. Temos que amadurecer o processo de discussão para produzirmos o documento [final do encontro que permita implantar políticas públicas para baratear os preços dos medicamentos]”, enfatizou Barcelos.

E você o que acha? Pense em formas e soluções para fazer com que remédios de alto custo não seja tão impactante na cadeia de saúde e comente aqui no Saúde Business Web utilizando a ferramenta de comentários abaixo.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta