Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Relembre propostas dos governadores eleitos no 1º turno

Publicidade

Neste domingo (31), cidadãos de oito estados elegeram seus governadores no segundo turno das Eleições 2010.
 
O Saúde Business Web divulgou as propostas para o setor de saúde desses governadores eleitos. Relembre também as propostas dos que foram escolhidos no primeiro turno das eleições.
SUDESTE
Espírito Santo: Renato Casagrande (PSB)
Confira os projetos para saúde divulgados por Casagrande durante a campanha:
As ações de governo na promoção da saúde da população são compreendidas como um conjunto amplo e complexo de atividades e investimentos que passam pelas condições básicas de habitação – moradia, saneamento, abastecimento de água -, de educação, de cultura e de comportamento – alimentação, higiene, exercícios físicos -, dentre outras, bem como de fatores relacionados com as condições econômicas dos diversos segmentos da sociedade.
DIRETRIZES
? Fortalecimento da Atenção Primária
? Redução da Mortalidade Infantil/Neonatal;
? Redução da mortalidade materna;
? Redução das complicações das doenças crônicas;
? Implantação das redes regionais resolutivas de serviços de saúde;
? Descentralização administrativa e de serviços/municipalização;
? Fortalecimento Regional;
? Novas alternativas de gestão: hospitalar e outros serviços;
? Melhoria do atendimento à população;
? Mobilização intersetorial para enfrentamento da violência;
? Implementação da macro função Regulação.
? Fortalecimento do Controle Social no Sistema Estadual de Saúde”.
Os programas serão estruturados obedecendo às orientações gerais já definidas e resumidamente indicadas acima, e abordarão as seguintes linhas principais:
? Programas para melhorar a atenção básica e a prevenção;
? Novos modelos de gestão que privilegiem a desburocratização e agilidade no provimento dos serviços;
? Complementação das redes hierarquizadas de atendimento com prioridade para o desenvolvimento regional equilibrado dos investimentos;
? Programas voltados para o atendimento a grupos específicos: negros, mulheres e outros;
Aprofundamento do uso de tecnologias de informação e comunicação como ferramenta de gestão e de melhoria do atendimento aos usuários;
? Programas voltados para melhorar a articulação com os demais atores na prestação de serviços em saúde;
? Valorização do profissional de saúde, via capacitação profissional, condições adequadas de trabalho, salários e quadros compatíveis com as necessidades de ampliação da oferta de serviços;
? Adequação da rede de atendimento com vistas a ampliar a oferta de serviços;
Minas Gerais: Antônio Anastásia (PSDB)
Ampliar os investimentos feitos pelo estado aos hospitais regionais para obras de expansão, compra de novos equipamentos e modernização da gestão estiveram entre os principais focos da campanha de Anastasia na área da saúde.
Além dos investimentos, Anastásia prometeu estabelecer metas para redução na taxa de mortalidade infantil e programas de saúde da mulher. O principal objetivo das propostas de Anastasia é criar uma rede descentralizada de saúde baseada nos hospitais regionais e unidades básicas de saúde espalhados por todo o estado, para que dessa forma o paciente não precise viajar até os grandes centros para realizar o tratamento.
Rio de Janeiro: Sérgio Cabral (PMDB)
? Divisão do atendimento e formação de uma rede em três níveis: primário, secundário e terciário, com objetivo de melhorar o atendimento e realizar triagem de acordo com cada doença
? 120 novas unidades para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) e do Grupo de Socorro de Emergência (GSE)
? Implantação de clínicas e centros de referência com diferentes especialidades como: AIDS, diabetes, clínica da família, diagnóstico de câncer e outras. Cada unidade teria gestão compartilhada (governo constrói e prefeitura administra)
? Implantação de 11 hospitais referência em todo o estado
São Paulo: Geraldo Alckmin (PSDB)
Geraldo Alckmin disse que por ser médico tem como obrigação intensificar as políticas de valorização. Veja na íntegra a proposta do tucano encaminhada à redação do Saúde Business Web:
? Ampliar as políticas de valorização dos profissionais de saúde do Estado de São Paulo: O Governo do Estado já vem investindo na melhoria da carreira na saúde nos últimos anos e nossa proposta é intensificar as políticas de valorização. O meu dever, até como médico, é avançar mais.
Nós vamos investir muito no profissional da saúde. A Secretaria da Saúde paulista é a segunda maior financiadora do Programa de Residência Médica do Brasil, ficando atrás apenas do MEC. São Paulo atrai médicos formados em todo o País: 38% dos profissionais que atuam aqui graduaram-se em outros Estados.
? Aperfeiçoar e inovar a gestão do Programa de Saúde da Família, integrando-o aos programas de transferência de renda e AMEs; expandir a rede de AMEs: Nós vamos ampliar a rede de AMEs em todas as regiões do Estado e na Região Metropolitana. Hoje, o Governo de São Paulo já entregou 32 ambulatórios e até o final deste ano serão 40 unidades. Em média, uma AME atende por mês 15 mil pessoas e realiza 35 mil exames. Com a expansão, nós vamos reduzir filas e acelerar o atendimento à população, que vai chegar ao especialista e realizar os exames rapidamente.
Nós vamos também integrar o PSF aos AMEs. No PSF, o paciente obtém o atendimento inicial e, depois, se houver necessidade, é encaminhado a um especialista do AME. A integração vai beneficiar a população e desafogar os hospitais. São Paulo é o segundo no País com mais equipes de Saúde da Família, atrás apenas de Minas Gerais. Entre 2007 e 2009, o crescimento foi de 40% e, hoje, 3.855 equipes atendem 12,5 milhões de pessoas.
? Ampliar os serviços de tratamento do câncer pelo Estado: Nossa proposta é criar a rede paulista de prevenção, diagnóstico e tratamento do câncer, nos moldes do que já acontece no Instituto do Câncer Octavio Frias de Oliveira, o maior centro especializado na doença da América Latina. O câncer é curável e deve ser diagnosticado precocemente e tratado corretamente. Todas as regiões do Estado precisam ter instituições como esta, para que a população tenha tratamento de qualidade, humanizado, sem precisar se deslocar por grandes distâncias. Pela nossa proposta, a rede paulista ajudará entidades já existentes e trará serviços próprios do governo.
? Criar novas Unidades para Tratamento de Dependentes de Álcool e Drogas: Hoje em dia as famílias enfrentam muita dificuldade para internar esses pacientes e também há preconceito com relação à saúde mental. Dependência química é doença, assim como é apendicite, pneumonia. Por esse motivo nós vamos dar grande enfoque a essa questão, investir em clínicas próprias do governo e em convênios com entidades que já têm enorme experiência em tratar o dependente químico, seja de drogas ilícitas, como o crack, ou de álcool.
? Ampliar o programa de reforma e modernização da rede de hospitais estaduais. Apoiar a rede de parceiros filantrópicos do SUS, como as Santas Casas: São Paulo possui uma grande rede própria de 80 hospitais do governo, é o maior complexo hospitalar do Brasil. Desde a gestão Mario Covas foram feitos 30 hospitais e não podemos retroceder. Nós daremos todo o apoio para quem atende o SUS, como as Santas Casas de Misericórdia, avançando com mais leitos para que a população continue sendo atendida com universalidade, gratuidade e qualidade.
? Criar o programa Vamos Malhar: Nós pretendemos fazer um grande programa de ginástica, voltado para os idosos, para estimular a prática de exercício físico. Isso será feito junto com as Prefeituras, com academias ao ar livre, e também em parceria com academias. A maioria das doenças nós contraímos por maus hábitos. Se a gente conseguir educar as pessoas para ter uma vida saudável, nós vamos avançar na prevenção a doenças do coração e grandes vasos, principal causa de mortes.
? Ampliar os Centros de Referência da Terceira Idade:
? Ampliar a atenção à saúde integral do portador de deficiência e expandir a Rede de Reabilitação Lucy Montoro.
? Fortalecer o programa do remédio gratuito, Dose Certa, ampliando os locais de distribuição e o número de medicamentos.
? Ampliar o programa de distribuição domiciliar de medicamentos de uso contínuo, em parceria com as prefeituras.
? Melhorar o programa de saúde integral da mulher.
? Avançar com os mutirões de saúde.
NORTE
Acre: Tião Viana (PT)
? Ampliar a formação e qualificação de trabalhadoresConsolidar um sistema informatizado de regulação nas secretarias municipais de saúde e prestadores de serviços ambulatoriais e hospitalares do SUS.
? Descentralização financeira e da gestão do SUS, considerando modelos e /ou instrumentos que ofereçam mais agilidade, eficácia e melhor relação custo benéfico à gestão.
? Fomentar, fortalecer e co-financiar a Atenção Primária em Saúde ampliando a cobertura da Estratégia de Saúde da Familia – ESF (incluindo o PSF Móvil), fortalecendo Policlínicas, centros de saúde e odontológicos, Unidades de Apoio Diagnóstico (UAD) em todas as regiões de saúde
? Ampliar e Fortalecer a rede de atenção de média e alta complexidade: SAMU, salas de estabilização, Unidades de Pronto Atendimento (UPA), Hospitais especializados, Ambulatórios e Serviços Especializados, Serviços de Apoio Diagnóstico, Centros de Apoio Psicossocial, Unidades de desintoxicação e Hospital Dia dentre outros serviços.
? Acesso a medicamentos básicos
? Intensificar a política de atenção a população ribeirinha, indígena e extrativista, projetos de assentamento e outras populações vulneráveis, com vistas a redução das iniquidades, por meio do Programa de Saúde Itinerante e PROACRE.
? Homogeneidade da cobertura vacinal nos municípios e em todas as faixas etárias prioritárias.
? Sistematizar ações de saúde para o controle e enfrentamento, de forma contínua, de epidemias, doenças endêmicas, doenças e agravos transmissíveis e não transmissíveis.
? Ações de prevenção diagnóstico e tratamento de câncer de colo de útero e mama, próstata e outros. Amazonas: Omar Aziz (PMN)
CARTÃO SAÚDE
Implantar Cartão Saúde magnético, com acesso online ao prontuário eletrônico do paciente, para maior eficiência, rapidez no atendimento, redução de desperdício, precisão de diagnósticos e prescrições. O acesso ao banco de dados poderá ser feito pelo médico, em qualquer unidade, desde que munido do cartão pessoal e intransferível de cada paciente, de modo a garantir a segurança e privacidade.
ATENDIMENTO HUMANIZADO
Avançar na humanização do atendimento e do acolhimento de pacientes e acompanhantes nas unidades de saúde, adequando espaços físicos, recepção personalizada; sinalização interna e controle do tempo de atendimento, com implantação de gerências de recepção.
SISTEMA DE CONTROLE DE ATENDIMENTO
Ampliar e aprimorar o sistema de marcação de consulta e de exames do Complexo Regulador, para abranger a remoção de pacientes e a disponibilidade de leitos para internação, nos 62 municípios.
HOSPITAL E PRONTO SOCORRO
Construir um hospital e Pronto Socorro, adulto e infantil, na Zona Norte de Manaus.
CENTRO DE REABILITAÇÃO
Construir em Manaus um Centro de Reabilitação de Dependentes Químicos, incluindo também entre os seus serviços a prestação de apoio psicossocial aos pais e familiares dos pacientes.
SAÚDE NO INTERIOR
Implantar serviço de ambulâncias fluviais (ambulanchas), em parceria com as prefeituras, sediadas nas comunidades e agregadas às unidades básicas de saúde;
Estruturar os hospitais de todos os municípios com unidades de urgência e emergência, incluindo a remoção do paciente em ambulância terrestre.
Consolidar calendário periódico para a realização de Mutirão de Cirurgias e consultas especializadas;
Implantar o Cartão Saúde nos 61 municípios; – 19 –
Transferir recursos financeiros estaduais específicos para os fundos municipais de saúde para ampliação da prevenção de doenças, abrangendo educação em saúde, vacinação, combate à malária, à dengue e à tuberculose;
Ampliar o Programa de Telemedicina para todos os municípios, em parceria com a UEA, para atender consultas, exames especiais, cirurgias e treinamento em serviço.
CENTRAL DE TRANSPLANTES
Implantar uma Central de Transplantes e estruturar a rede hospitalar para ampliar a realização de transplante renal e implantar os serviços de fígado.
OFERTA DE DIÁLISE
Aumentar a oferta de hemodiálise para atendimento de doentes renais crônicos.Tocantins: Siqueira Campos (PSDB)
Em sua proposta para o setor, o Siqueira Campos (PSDB) destacou a necessidade de democratizar e reestruturar a saúde pública do Estado visando melhor acesso da população carente fornecendo tratamento médico hospitalar e medicamentos. A seguir estão outras propostas de Siqueira para a área de saúde.
? Restaurar os pólos médico-hospitalares e criar novos pólos.
? Apoiar a implantação dos cursos de medicina, odontologia, farmácia, enfermagem e outros cursos de ciências biológicas. Adotar providências para implantação de cursos de pós-graduação com o apoio de hospitais universitários e redes hospitalares hierarquizadas de pequena, média e alta complexidade, com adoção de modernas políticas públicas de saúde, em parceria com a iniciativa privada e entidades filantrópicas.
? Saúde preventiva: adotar políticas e ações de preservação do meio ambiente e de saúde preventiva, como forma de levar a cobertura da saúde pública à toda população.
NORDESTE
Bahia: Jacques Wagner (PT)
? Fortalecer e consolidar o SUS e o programa Saúde Família;
? Ampliar a rede estadual de saúde, com expansão de unidades, equipamentos e serviços de alta e média complexidade;
? Expandir os serviços do SAMU 192 para mais regiões da Bahia;
? Ampliar os leitos normais e de UTI em todo o Estado; e
? Garantir a produção de medicamentos básicos para a rede do SUS, através da Bahiafarma.
Ceará: Cid Gomes (PSB)
– Aperfeiçoar o Sistema Estadual de Saúde, sintonizado com os princípios que orientam o SUS, garantindo a atenção integral à saúde a todo cidadão cearense. – Fortalecer as políticas de saúde ampliando a integração e a articulação com as diversas políticas públicas;
– Estudar a implantação do programa de assistência domiciliar aos pacientes do SUS;
– Buscar a universalização do SAMU;
– Implantação das Unidades de Pronto Atendimento Médico UPA;
– Ampliação dos serviços de saúde em atenção primária (PSF, unidades básicas de saúde, etc.);
– Ampliação do pólo de ciência e tecnologia na saúde no Ceará, inserindo o Estado no complexo produtivo da saúde;
– Fortalecimento da estrutura do sistema de saúde da região metropolitana e demais regiões do Estado;
– Ampliar e melhorar a qualificação das redes de assistência existentes;
– Aprimoramento da gestão do sistema de saúde existente;
– Buscar implantar no Ceará um sistema estadual de saúde escola para ampliar a adequação-formação das redes sociais existentes e;
– Manter, aprimorar e ampliar a estrutura de CEOs, policlínicas e hospitais públicos no Ceará para melhorar o atendimento da população.
Pernambuco: Eduardo Campos (PSB)
Durante a campanha, Campos disse que pretendia criar Unidades de Pronto Atendimento Especializadas (UPAs), que irão oferecer serviços atendimento ambulatorial, odontologia especializada e fisioterapia. Segundo o plano de governo de Campos, as UPAs Especialidades serão distribuídas por todo o estado.
Outra propostas do novo governador é a criação do hospital de alta complexidade, Mestre Vitalino, em Caruaru, e transformar o Hospital Regional do Agreste em uma unidade especializada em traumatologia que irá atender toda a região do Agreste pernambucano.
Rio Grande do Norte: Rosalba Ciarlini (DEM)
Rosalba Ciarlini afirmou que vai colocar para funcionar os hospitais regionais, promover mutirões de saúde em todo estado e criar o programa Cidade Saudável, onde vai colocar metas para serem atingidas em todos os municípios. Em Natal, Rosalba promete construir um novo hospital para suprir a demanda.
Sergipe: Marcelo Deda (PT)
? Consolidação do PSF e implementação de equipes de saúde bucal em todos os municípios sergipanos;
? Expansão do SAMU;
? Assistência farmacêutica (básica e de uso contínuo);
? Fortalecimento da rede de atenção com oferta regionalizada de serviços de odontologia, cardiologia, pediatria, oftalmologia, laboratório clínico entre outros;
? Rede de reabilitação para atender às necessidades de portadores de deficiência e rede de atenção regionalizada de atenção psicossocial com unidades psiquiátricas em hospitais gerais;
? Política para gestão do trabalho e educação permanente na saúde e o plano de cargos, carreiras e salários para os servidores do setor.
CENTRO-OESTE
Mato Grosso do Sul: André Pucinelli (PMDB)
? Implantar Centros Regionais de Especialidades, qualificando o atendimento nas cidades do interior do Estado.
? Criação programas de interiorização dos profissionais de saúde (médicos e enfermeiros) com apoio das universidades, incentivando estágios e residências médicas
? Implantação de Tele Saúde na área de diagnóstico à distância em apoio aos médicos da Saúde da Família.
Mato Grosso: Silval Barbosa (PMDB)
Durante sua candidatura, Silval Barbosa citou em suas propostas que irá advogar a favor da saúde, para isso pretende manter o Programa de Eficiência Energética de comunidade de baixa renda, e do hospital de saúde dos militares está incluso na sua proposta de governo, assim como manter e incrementar os seguintes programas no setor: Saúde da Família; Vigilância em Saúde; rede de atenção de média e alta complexidade com foco na regionalização; Viva Mulher e; Programa QualiSUS.
Barbosa pretende criar a fábrica mato-grossense de medicamentos e estruturar um cronograma de dispensação dos medicamentos produzidos pelo Estado aos seus municípios. Promover a contratação de novos agentes de saúde, com fim de suprir as faltas existentes, e incentivo fiscal à iniciativa privada para a cooperação no custeio dos serviços particulares contratados emergencialmente, bem como na aquisição de equipamentos e estrutura física de saúde.
Elevar os percentuais orçamentários do setor e buscar parcerias, junto ao segundo e terceiro setor, e ao governo federal, com o fim de aumentar o Piso de Atenção Básica, são outras das prioridades do governo de Barbosa. Assim como: incrementar as ações dos Conselhos de Saúde estaduais e municipais; estruturar o aparelhamento estatal; ampliar e fortalecer a rede de hospitais regionais nas áreas de referência de média e alta complexidade, e as UPAS; implantar o sistema de co-gestão, Estado e municípios, na regulação dos serviços de urgência e emergência; implantar o Hospital Estadual da Criança e o Centro Estadual de Recuperação para dependentes químicos, e capacitar profissionais de saúde para compor uma equipe multidisciplinar; colaborar para conclusão do Hospital Universitário de Cuiabá com 250 leitos; fortalecer o programa Saúde na Escola e os CAPS, informatizando o sistema de fichas de internação compulsória; e estimular parcerias público-privadas.
SUL
Paraná: Beto Richa (PSDB)
Beto Richa afirmou que vai equipar, modernizar e contratar profissionais para o Hospital Regional de Ponta Grossa, responsável pelo atendimento da população dos Campos Gerais.
Inaugurado pelo governo do estado em março, com um investimento de R$ 40 milhões e área total de 12 mil metros quadrados, o hospital só faz atendimentos ambulatoriais, não aceita internamentos e não tem equipamentos para cirurgias. Segundo Richa, falta, inclusive, oxigênio na UTI pré-natal.
Entre as propostas de Richa está o atendimento de saúde mais perto das pessoas. Ele criou o Hospital do Idoso e oito hospitais 24 horas, com Pronto Atendimento Infantil e agora pretende levar para todo o Estado o programa Mãe Paranaense, inspirado no Mãe Curitibana, que dá atenção integral à mãe e ao bebê durante toda a gestação.
Dentre os desafios governamental no Paraná citados por Richa está a promoção do acesso dos cidadãos à saúde de qualidade. Para ampliar os investimentos na saúde, foi garantido por ele o cumprimento da emenda constitucional nº 29, que destina 12% dos recursos do Estado para a área.
Rio Grande do Sul: Tarso Genro (PT)
– Recuperação do mínimo constitucional orçamentário de 12% em saúde e com o estabelecimento de metas anuais de recuperação e cumprimento da EC-29/2000.
– Potencializar a relação com o Governo Federal nos serviços de atenção à saúde e nos diversos programas federais de investimento em infraestrutura e atendimento, como por exemplo, o Qualisus, a Saúde da Família, o SAMU, Brasil Sorridente, articulando-os com os futuros programas estaduais de qualificação da saúde pública.
– Gestão Democrática – com efetivo fortalecimento do Controle Social, a partir da atuação do Conselho Estadual de Saúde e das instâncias do Controle Social do RS (Conselhos Municipais e Conselhos Regionais de Saúde, Plenária de Conselhos, Conferências de Saúde, entre outros). Participação e valorização dos trabalhadores na gestão.
– Rede Estadual de Serviços de Saúde
Santa Catarina: Raimundo Colombo (DEM)
Segundo Colombo, o Estado possui boa base de centros e postos de saúde, que podem fazer uma excelente atenção primária.
O governador eleito defende que os postos funcionem como “médico da família”, permitindo amplo conhecimento de cada pessoa. “Esse será o sentido a ser implementado como prioridade de governo”, afirmou Colombo em documento entregue ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que contém as propostas para o setor.
Outro problema que deve ser enfrentado, segundo ele, refere-se à concentração de serviços especializados de saúde e hospitais. “Será necessário descentralizar para as mesoregiões, criando-se uma gestão local, com foco intermunicipal (…) e apoiada em grupos sem fins lucrativos”, disse.
Colombo destaca três ações:
? Transformar os 11 hospitais próprios estatais em organizações sociais;
? transformar os pequenos hospitais em espaços de média complexidade ambulatorial e;
? consolidar um novo hospital de referência para o conjuntos dos problemas de alta complexidade, capaz de atender a todos os tipos de intervenções de alta gravidade.

Você tem Twitter? Então, siga  http://twitter.com/SB_Web e fique por dentro das principais notícias do setor.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta