Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Registro Nacional de Doadores de Medula está cadastrado na rede mundial

Publicidade

O Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome) está cadastrado na World Marrow Donor Association, maior rede mundial de doadores. O diretor-geral do Instituto Nacional do Câncer (Inca), José Gomes Temporão disse ontem que a entrada do Redome neste cadastro é resultado de acordos firmados entre o Ministério da Saúde, por meio do Inca, e os registros National Marrow Donor Program (NMDP) e Caitlin Raymond International Registry (CRIR) que, juntos, têm 9,5 milhões de doadores voluntários de medula óssea. Temporão explicou que o contrato entre o Ministério da Saúde e essas organizações ainda não está assinado, mas que isso deve ocorrer em 90 dias, no máximo. O Redome, no entanto, já está acessando, desde ontem (24), os registros de doadores. Os acordos foram acertados durante visita feita por Temporão, o diretor do Centro de Transplante de Medula Óssea, Luiz Fernando Bouzas e técnicos do Ministério da Saúde a essas organizações.
?A partir de agora, além de estarmos ampliando e agilizando a busca de doador compatível no exterior, estaremos possibilitando que pacientes de outros países possam ter mais uma chance de localizar um doador no Brasil. Também poderemos ampliar a cooperação técnica e científica entre o nosso cadastro e essas organizações americanas que têm mais de 20 anos de experiência na área?, afirmou José Gomes Temporão.
De acordo com o diretor-geral do Inca, o Redome está sendo reestruturado, o que permitirá dobrar o número de leitos para pacientes que precisam de doador não aparentado. ?Isso irá implicar na alocação de mais recursos para o sistema. No ano passado, o Ministério da Saúde gastou cerca de R$ 2,5 milhões na busca de doadores no exterior. A estimativa, para este ano, é de que sejam gastos R$ 24 milhões?.
Segundo Luiz Fernando Bouzas, a relação do Redome com esses centros de registros, no que diz respeito ao financiamento, era feita através de convênios esporádicos, firmados entre a Fundação Ary Frausino e o Ministério da Saúde. “Neste momento, estamos propondo que os contratos sejam feitos diretamente entre o ministério e os registros internacionais?, informou Bouzas. Ele disse que o Redome está trabalhando para atualizar o cadastro de pacientes que aguardam transplante de medula. ?De acordo com o último cadastro, existem entre 700 e 800 pessoas, mas acreditamos que após concluir o novo cadastro, este número cairá para a metade?.
O Redome também terá acesso ao New York Blood Center, uma instituição pública que dispõe de um dos sistemas mais modernos de congelamento de 25 mil cordões umbilicais.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta