Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Registro eletrônico tem mais valor em 2011

Publicidade

Os profissionais de saúde este ano vão começar a ver o valor de suas práticas de registro eletrônico de saúde, particularmente na de troca de informações, segundo o Gabinete do Coordenador Nacional da Saúde Tecnologia da Informação (ONC).
O Direct Project torna mais fácil para médicos implantar as normas e os serviços de partilha de dados do paciente com outros profissionais por meio de uma versão segura de email, disse o Dr. Farzad Mostashari, vice-coordenador nacional de política e programas (ONC).
“Direct não é o início e o fim de todas as trocas de informações, mas o meio simples e seguro”, disse ele durante a conferência anual do HIMSS em Orlando, Flórida. “E começa a se mostrar de grande valia para os médicos”.
O Direct Project recentemente se tornou operacional em sites em Rhode Island e Minnesota e até o final do mês outros sites serão lançados em Nova York, Tennessee e Califórnia. Muitos fornecedores também dizem que planejam os padrões de mensagens seguras e serviços em seus produtos EHR.
“Haverá uma mudança nesse ano na troca de informações”, disse Mostashari.
O Direct Project – um esforço da ONC – é uma versão simplificada das normas e serviços da rede nacional de informação em saúde que permite aos profissionais fazer um intercâmbio de dados dos pacientes de forma segura por meio da internet. Eles permitem a médicos trocarem informações estruturadas dos pacientes, para que possam coordenar os cuidados e cumprir os requisitos de troca de base para o uso eficiente.
No próximo ano, os planos da ONC são oferecer maior apoio aos médicos para tornar o uso significativo mais simples e, assim, entenderem como pode ser realizado.
“Eu quero tornar isso o mais simples possível para ter um conjunto de ações e fazê-lo funcionar”, disse Mostashari.
A ONC também vai iniciar nos próximos seis meses o desenvolvimento de orientações iniciais e métricas para medir a aplicação do EHR, coordenadamente com organizações públicas e privadas e do Instituto Nacional de Padrões e Tecnologias (NIST).
“Nós precisamos de transparência e métrica para o uso significativo. Até a próxima conferência HIMSS, como resultado de um processo aberto, nós teremos algumas orientações e métricas para medir a usabilidade”. Então, haverá a necessidade da existência de um sistema para ser testada a usabilidade.
“Nós fomos muito longe para não termos algumas orientações sobre questões de usabilidade em matéria de segurança, frustrando novas experiências e inconsistências”, disse.
Segundo Mostashari, a ONC também terá que criar uma política para resolver o conjunto de questões que se sobrepõem à privacidade e segurança, padrões e interoperabilidade e troca de informações e como elas se encaixam.
Leia tudo sobre o que acontece no HIMSS AQUI.

Você tem Twitter? Então, siga http://twitter.com/#!/sb_web e fique por dentro das principais notícias de Saúde.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta