Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Rede mundial oferece informações sobre camundongos para pesquisa

Publicidade

A criação de uma rede mundial com catálogos para escolher qualquer tipo de camundongo geneticamente modificado foi a principal iniciativa de um congresso que reuniu representantes dos maiores repositórios de camundongos para pesquisas nos Estados Unidos, em novembro último. Na reunião, os grupos ? dos Estados Unidos, Europa e Japão ? decidiram formar uma rede, que funcionará por meio da Internet, para compartilhar informações e evitar a duplicação de linhagens produzidas, informa a Agência Fapesp. Os animais poderão ser enviados a pesquisadores de todo o planeta para a escolha dos exemplares mais adequados a seus estudos. Segundo a revista Nature, representantes dos maiores repositórios de camundongos para pesquisas estiveram reunidos em Bar Harbor para discutir como lidar eficientemente com as mais de 300 mil linhagens desses pequenos animais que deverão ser geradas nas próximas duas décadas, multiplicando os estoques atuais em quase cem vezes.
?Dentro de cinco anos deveremos começar a ter uma inundação de camundongos mutantes?, disse Steve Brown, chefe do Centro do Genoma do Camungongo em Harwell, no Reino Unido. Grupos que produzem tais animais já anunciaram planos de colocar em funcionamento programas para a geração sistemática dos mutantes, gene a gene.
Por serem facilmente alterados geneticamente, camundongos, que possuem entre 22 mil e 25 mil genes, têm se mostrado extremamente valiosos à pesquisa científica. A princípio, os grupos participantes continuarão a transportar animais entre países para atender as demandas dos laboratórios, uma vez que são poucos os centros capazes de lidar com espermas e embriões e produzir cobaias. No futuro, a rede deverá disponibilizar informações suficientes para que os camundongos geneticamente modificados possam ser gerados em qualquer lugar.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta