5º CONAHP debaterá “O Hospital do Futuro: O Futuro dos Hospitais”. Faça já sua inscrição → Clique aqui

Prontuário eletrônico da MV é o melhor da América Latina

Publicidade

Pela segunda vez consecutiva, a MV receberá nos EUA o Prêmio KLAS Category Leader no segmento Global Acute Care EMR – Latin America concedido pelo instituto norte-americano de pesquisa e insights, KLAS. A empresa brasileira, já premiada em 2016 por oferecer o melhor prontuário eletrônico e possuir o maior market share da América Latina, teve novamente a qualidade do seu produto reconhecida.

Além do Prontuário Eletrônico do Paciente da plataforma SOUL MV ser novamente considerado a melhor solução EMR em uso nos países latino-americanos, a tecnologia, quando comparada a de outros fornecedores que atuam fora dos EUA, ainda é superior em usabilidade e disponibilidade de recursos que facilitam sua adoção profunda e em pouco tempo.

Utilizando metodologias focadas em precisão, o instituto KLAS realiza entrevistas com instituições de saúde para coletar informações e experiências relacionadas ao uso da TI. Nesta edição do prêmio, foram consultados profissionais de mais de 4,5 mil hospitais e 2,5 mil clínicas que utilizam no total cerca de 750 produtos e serviços de mais de 200 fornecedores do mundo.

Contando com a presença de Paulo Magnus, presidente da MV, Ubirajara Maia, diretor de Sistemas, e Marcos Sobral, diretor de Negócios Internacionais, a cerimônia de premiação ocorrerá no dia 19 de fevereiro, em Orlando-EUA. Para Paulo, esse reconhecimento demonstra que, mesmo em momentos difíceis, como o de uma crise econômica, é possível vencer desafios e se colocar em novos patamares. “Apesar de 2016 ter sido marcado por dificuldades, a MV conseguiu driblar a situação com atitudes ousadas e distintas que não só deixaram marcos importantes na sua história como também da Saúde no Brasil.”

O ano de 2016 para a MV
Entre os principais ganhos da empresa e também do sistema de Saúde brasileiro, está a conquista do status de primeiro hospital digital da América Latina pelo Hospital Unimed Recife III. Com apoio das soluções MV, o HURIII comprovou à Healthcare Information and Management Systems Society (HIMSS), maior associação de informática em Saúde do mundo, que adota intensa e amplamente ferramentas de TI que não só suportam o processo clínico-assistencial e garantem uma operação paperless com certificação digital, como ainda proporcionam ganhos aos pacientes. Fora dos EUA, são apenas dez unidades hospitalares que já alcançaram esse status recebendo o nível máximo da certificação Electronic Medical Record Adoption Model (EMRAM).

Além disso, o entendimento de que a TI pode apoiar instituições de saúde em revisão de processos, redução de custos e aumento de eficiência e receita possibilitou à MV a formalização de 73 novos contratos no ano. Dentre os quais, o firmado com o Copa Star, hospital da Rede D’Or São Luiz que apresenta a estrutura mais luxuosa de saúde do País.

Em relação à expansão da oferta de tecnologia de qualidade para o mercado externo, chegou a dez o número de países estrangeiros onde a empresa tem atuação. São eles: Chile, México, Argentina, Paraguai, República Dominicana, Uruguai, Colômbia, Angola, Peru e Panamá. O resultado disso foi a ampliação da Comunidade MV com três novos clientes internacionais e também o melhor posicionamento da empresa no Ranking das Multinacionais Brasileiras feito pela Fundação Dom Cabral.

“Para sustentar o bom desempenho e o crescimento da MV, a estratégia para 2017 é ampliar a atuação em saúde pública, manter em constante atualização o roadmap para evolução das plataformas SOUL MV e VIVACE MV, esta última lançada em janeiro reunindo nossas soluções para Medicina Diagnóstica. Além disso, focaremos na expansão de ofertas de produtos na nuvem da Amazon Web Services (AWS)”, diz Paulo Magnus. Acompanhando as tendências em cloud computing, esse upgrade tecnológico está garantindo às instituições de saúde maior segurança, alta disponibilidade, atualizações automáticas, escalabilidade, disaster recovery e redução de custos com energia elétrica, licenças de software, aquisição de servidores e outros itens de centros de processamento de dados tradicionais.

 

       
Publicidade

Deixe uma resposta