Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Prontuário eletrônico contribui com o trabalho de auditoria hospitalar

Publicidade

A digitalização do sistema de saúde, com o prontuário eletrônico e a certificação digital vem ganhando espaço nas instituições. Segundo o presidente Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS), Cláudio Giulliano Alves da Costa, o prontuário eletrônico ajuda a diminuir o erro médico e os custos hospitalares. E contribui para que o profissional de auditoria tenha mais facilidade no momento de realizar a avaliação. ?O prontuário eletrônico possibilita que a informação seja vista de forma organizada, dinâmica e com acesso remoto?, afirma. Em sua palestra no XI Congresso Brasileiro de Auditoria, da Adh 2011, realizado na última sexta-feira, (27). Alves contou que além de contribuir com o trabalho dos auditores, o prontuário eletrônico também ajuda a reduzir o número de erros médicos. ?O recurso possibilita que os dados e receitas fiquem armazenados de forma segura. Sendo assim, evita a ocorrência de reações entre os medicamentos?.
Certificação Digital Segundo Alves, para que um documento eletrônico tenha validade jurídica no Brasil é necessário que esse arquivo contenha uma assinatura eletrônica dentro dos moldes da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP Brasil). Essa obrigatoriedade é a Lei Federal chamada MP 2200. Essa regulamentação chama atenção para os requisitos específicos para a certificação digital em saúde. Sendo assim os hospitais que possuem interesse em implantar o sistema de certificação digital devem atender as exigências estipuladas pelo ICP. Certificação de Software Além disso, o presidente da SBIS conta também que no ano de 2002 nasceram as RN 1638 e RN1639, que tinha como objetivo desenhar processos que garantissem que os softwares que iriam receber prontuários eletrônicos tivessem a qualidade desejada para atender com segurança as necessidades diárias. Para isso foi firmada uma parceria entre o Conselho Federal de Medicina e a SBIS , que resultou no Manual de Certificação para Sistemas de Registro Eletrônico em Saúde lançado em 2007. De acordo com Alves, no momento da auditoria, é lançada uma bateria de testes que o sistema precisa cumprir e garantir ter 100% dos requisitos obrigatórios. Se aprovado, o software recebe um selo de qualidade que permite que seja utilizado pela instituição.
Icesp O Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp) é pioneiro na implantação do prontuário eletrônico digital, no ano de 2008. Segundo o diretor de TI do Icesp, Kaio Bin, o instituto foi projetado para o futuro, implantar esse recurso possibilita que a instituição esteja inserida na esfera do paperless. Ele conta que o prontuário eletrônico facilita o procedimento sem modificar a rotina do profissional, pois informa a evolução do paciente da mesma forma que seria registrada no papel. No entanto, ressalta que é necessário haver um plano de contingência. ?É preciso ter uma gestão de risco, caso o sistema caia?.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta