Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Projeto de melhoria

Publicidade

No mundo moderno, não dá para pensar uma empresa ou uma organização com boa gestão sem ter ferramentas de TI adequados. Diante da pressão por transformação no mercado de saúde, a utilização estratégica desses instrumentos tornou-se fato crucial para levar o setor para as inovações que necessita. Com isso em foco, o Ministério da Educação (MEC) coordena o projeto de Aplicativo de Gestão para Hospitais Universitários (AGHU) a fim de desenvolver um modelo único de gestão para os 46 hospitais universitários pertencentes à rede federal, que passa pela informatização dessas unidades.
O projeto foi desenhado depois de uma auditoria realizada pelo Tribunal de Contas da União nos hospitais, que gerou um documento com uma série de recomendações para a melhoria da administração das organizações. “O grande objetivo é ter uma gestão mais eficiente das instituições, garantindo uma melhor aplicabilidade dos recursos destinados a eles”, afirma o coordenador geral dos Hospitais Universitários da Secretaria de Educação Superior do MEC, Celso Araújo.
A entidade elegeu o Hospital das Clínicas de Porto Alegre, ligado à Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), como modelo a ser replicado pelas instituições e destinou uma equipe de técnicos para desenvolver os softwares a serem instalados nos hospitais. “A equipe está trabalhando na transformação de um sistema servidor dependente e proprietário para um sistema baseado em web com código livre, o que facilitará a adição de novos aplicativos”, aponta o coordenador.
Com a unificação dos sistemas, será possível gerar indicadores únicos na gestão dos hospitais universitários e padronizar os processos e a compra de insumos. “Assim teremos melhores condições de identificar as áreas que demandam mais recursos.”
O conceito do projeto está bem definido, no entanto, colocá-lo em prática é outro desafio. Isso porque não se trata somente de desenvolver e implantar um software de gestão, mas também de adequar toda a estrutura das instituições para fazer uso estratégico das ferramentas. “Nesses hospitais a infraestrutura é muito fraca. Será necessário investir em rede, servidores, sala de segurança, e até parte elétrica. Além disso, muitos desses hospitais não contam com uma equipe de TI. Só depois de organizar isso tudo, teremos condições de instalar o sistema”, relata o coordenador do projeto, Marcelo Takatsu.
Colaboração
Diante da dificuldade de se impor um sistema de trabalho de cima para baixo, a equipe do MEC trabalha com o conceito de projeto colaborativo. A ideia é envolver os responsáveis pela TI de cada uma das instituições no desenvolvimento do software. “Como há muitas diferenças na realidade e na demanda de cada uma das instituições, é importante que haja esse envolvimento. A gente entende que um sistema de informação é aderente ao modelo de gestão, espelha o que executam em cada instituição. A nós do MEC caberá o papel de mediar esse desenvolvimento e coordenar o cronograma. Nossa função é fazer com que hospitais que tenham demandas similares, encontrem soluções comuns. E como é em código aberto, a melhoria será contínua”, enfatiza. A solução escolhida para servir de referência ao projeto é a desenvolvida pelo Hospital das Clínicas de Porto Alegre, construído em arquitetura cliente/servidor, na plataforma Oracle Forms/Oracle 9i, e será transformada em uma versão em software livre, e os hospitais de Recife e de Curitiba também estão usados como modelos para as normas.
Diante de um ano eleitoral, a pressão por concluir o projeto até o final de 2010 é grande, mas depende do envolvimento de cada um dos hospitais. Pelo cronograma projetado, é possível concluir a parte de infraestrutura no primeiro semestre do ano. A primeira etapa do projeto, foi a realização de um diagnóstico da situação de cada uma das unidades. Foi elaborado um questionário sobre a estrutura de cada um dos hospitais, que foi encaminhado às instituições. Com as informações em mãos, o MEC dará início ao processo licitatório para a compra dos equipamentos necessários. “Faremos o processo para a compra de equipamentos de infraestrutura (rede, cabeamento, servidores, etc) centralizado, para ganharmos em escala. Compra de estações de trabalho, suítes e seleção de equipe será feito na ponta”, explica Takatsu.
A previsão de investimento para essa etapa de nivelamento tecnológico é de R$ 147 milhões. A conclusão de todo projeto deve consumir cerca de R$ 200 milhões. Por ser em código aberto, o custo estimado do desenvolvimento e implantação do software é de R$ 15 milhões a R$ 20 milhões. “Isso torna a solução mais viável e, por ser desenvolvida em um modelo colaborativo, sempre será atualizada”, pontua o coordenador. Se fossem instalados um software de mercado, cujo preço varia de R$ 1 milhão a R$ 3 milhões dependendo do tamanho do projeto, seria gasto um valor aproximado de R$ 90 milhões.
Com o projeto implantado, a ideia é não só melhorar a gestão dos hospitais, mas também, criar uma rede de informações relevantes no segmento, para que o MEC possa assim direcionar melhor os recursos destinados às instituições. Como se trata de um projeto do governo, a pergunta que fica é se ele sobreviverá às mudanças na gestão. “Por isso é importante o desenvolvimento da rede colaborativa. Dessa forma, o projeto funcionará sozinho”, conclui.
Você tem Twitter? Então, siga http://twitter.com/SB_Web e fique por dentro das principais notícias do setor.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta